Kuadro
Entrar
VestibularEdição do vestibular

(Enem 1999)  Quem não passou pela experiência de estar lendo um texto e defrontar-se com passagens já lidas em outros? Os textos conversam entre si em um diálogo constante. Esse fenômeno tem a denominação de intertextualidade. Leia os seguintes textos:

 

I. Quando nasci, um anjo torto

Desses que vivem na sombra

Disse: Vai Carlos! Ser "gauche" na vida

 

         (ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma Poesia. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964)

 

II. Quando nasci veio um anjo safado

O chato dum querubim

E decretou que eu tava predestinado

A ser errado assim

Já de saída a minha estrada entortou

Mas vou até o fim.

 

(BUARQUE, Chico. Letra e música. São Paulo: Cia das Letras, 1989)

 

III. Quando nasci um anjo esbelto

Desses que tocam trombeta, anunciou:

Vai carregar bandeira.

Carga muito pesada pra mulher

Esta espécie ainda envergonhada.

 

(PRADO, Adélia. Bagagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986)

 

Adélia Prado e Chico Buarque estabelecem intertextualidade, em relação a Carlos Drummond de Andrade, por

 

A

 reiteração de imagens   

B

oposição de ideias  

C

falta de criatividade   

D

negação dos versos   

E

ausência de recursos   

F

Não sei.