Kuadro
Entrar

ENEM

ITA

IME

FUVEST

UNICAMP

UNESP

UNIFESP

UFPR

UFRGS

UNB

VestibularEdição do vestibular
Ditadura Civil-Militaro golpe

(UNIFOR CE/2014) Veja o trecho dessa notícia, publicada na Folha de São Paulo, em 20 de março de 1964:

“A disposição de São Paulo e dos brasileiros de todos os recantos da pátria para defender a Constituição e os princípios democráticos, dentro do mesmo espírito que ditou a Revolução de 32, originou ontem o maior movimento cívico já observado em nosso Estado: a ‘Marcha da Família com Deus, pela Liberdade’. Com bandas de música, bandeiras de todos os Estados, centenas de faixas e cartazes, numa cidade com ar festivo de feriado, a "Marcha" começou na Praça da República e terminou na Praça da Sé, que viveu um dos seus maiores dias. Meio milhão de homens, mulheres e jovens - sem preconceitos de cor, credo religioso ou posição social - foram mobilizados pelo acontecimento. Com "vivas" à democracia e à Constituição, mas vaiando os que consideram "traidores da pátria", concentraram-se defronte da catedral e nas ruas próximas. Ali, oraram pelos destinos do país. E, através de diversas mensagens, dirigiram palavras de fé no Deus de todas as religiões e de confiança nos homens de boa-vontade. Mas, também de disposição para lutar, em todas as frentes, pelos princípios que já exigiram o sangue dos paulistas para se firmarem.”

Sobre a “Marcha da Família com Deus, pela Liberdade” é CORRETO afirmar que

A

foi uma manifestação pública organizada por vários setores da esquerda brasileira em apoio ao governo do Presidente João Goulart.

B

foi uma demonstração de que parte da classe média conservadora brasileira e do clero estava claramente contrária à ideia de um golpe militar no Brasil.

C

teve como resposta imediata o “Comício das Reformas”, realizado no Rio de Janeiro, organizado pelas centrais sindicais, com a participação de João Goulart.

D

organizada pela União Cívica Feminina e pela Campanha da Mulher pela Democracia, com o apoio de políticos conservadores, serviu de “aval” civil ao golpe militar de 1964.

E

teve dentre os seus principais oradores os governadores do Rio Grande do Sul (Leonel Brizola) e de Pernambuco (Miguel Arraes).