Baixa Idade Média: Sétima Cruzada antes de Jerusalém

Baixa Idade Média: Renascimento Comercial e Urbano

Chamamos de Baixa Idade Média o período que compreende os séculos XI ao XIII, quando o sistema feudal predominante na Europa entrou gradativamente em colapso e foram redesenhadas novas práticas políticas e sociais.

Esse período foi marcado pelo aparecimento de grandes características da Idade Moderna:

  • o desenvolvimento das cidades (burgos);
  • a busca por novos produtos e o aumento das relações de troca;
  • o crescimento populacional;
  • e maior diversidade na estrutura social com o aparecimento de uma importante classe social: a burguesia.

Renascimento comercial e urbano

A economia, nesse período, teve um grande crescimento devido ao aumento da produção agrícola. Esse aumento deveu-se à descoberta de novas técnicas de produção e ao aperfeiçoamento das ferramentas.

A população, antes predominantemente rural, passou a migrar para as cidades, chamadas burgos. Elas pagavam impostos aos senhores feudais e serviam de local para venda dos produtos excedentes dos feudos. Além de produtos agrícolas, gêneros artesanais e produtos oriundos de outras regiões, como o Oriente, também era comercializados.

Os burgos se desenvolveram perto das grandes rotas comercias. O comércio, nesse período, era liderado pela cidade italiana de Veneza, devido a sua eficiente frota de navios mercantes. Sua principal rival comercial era Gênova, outra cidade italiana. Existia ainda, no norte da Europa, a Liga Hanseática, união de várias cidades que dominavam o comércio naquela região.

Os locais em que os comerciantes se encontravam para realizar suas atividades eram chamados de feiras. Além disso, começaram a surgir as primeiras casas bancárias, com o intuito de unificar os pesos e medidas. Nasceram também nesse período as corporações de ofício, onde eram produzidos os artesanatos e onde se exercia a formação dos artesãos.

As Cruzadas

A Igreja teve papel central em diferentes aspectos da vida do homem medieval. Ela foi um dos elementos unificadores desse mundo europeu após as invasões germânicas.

Com a intenção de recuperar sua hegemonia após o Cisma do Oriente, em 1054, a Igreja tomou uma série de medidas. A principal era combater as heresias e as práticas condenadas e lutar contra as Cruzadas. Oficialmente, as Cruzadas tinham o objetivo de retomar a cidade de Jerusalém, dominada pelos islâmicos.

Baixa Idade Média: Sétima Cruzada antes de Jerusalém

Sétima Cruzada antes de Jerusalém

As Cruzadas eram expedições militares realizadas pelos cristãos e legitimadas pela Igreja, que oferecia recompensas espirituais. Tinham como objetivo retomar a Terra Santa, Jerusalém, das mãos dos “infiéis” (islâmicos). Houve oito Cruzadas oficiais que partiram da Europa entre os anos de 1096 e 1270.

Os comerciantes viam as Cruzadas com bons olhos, pois encontraram uma forma de retomar o comércio e o controle da região do Mediterrâneo, que estava nas mãos dos árabes.

A última cruzada foi realizada em 1270 e de forma geral, fracassaram em seus objetivos. No entanto, colaboraram com resultados que alteraram os rumos da sociedade medieval, já que:

  • aceleraram a crise do feudalismo, pois favoreceram a centralização política nas mãos dos reis;
  • provocaram a decadência do Império Bizantino (uma das cruzadas saqueou a cidade de Constantinopla, sede do Império, que não conseguiu se recuperar);
  • colaboraram para a reabertura do Mar Mediterrâneo, o que, por sua vez, auxiliou o renascimento comercial e urbano;
  • culturalmente, promoveram o contado do ocidente com importantes conhecimentos produzidos pelos árabes.

O que achou deste resumo? Deixe seu comentário e continue acompanhando o Blog do Kuadro!

Blog Kuadro