FIES: o que é, como funciona e como participar?

O que é o FIES e como se beneficiar dele?

O ENEM, além de servir como porta para diversas faculdades públicas através do SiSU e forma de conseguir bolsa de estudos através do ProUni, pode te ajudar de outra maneira: o Fundo de Financiamento do Ensino Superior, FIES.

O FIES é um programa do governo federal para financiamento a estudantes inscritos em instituições superior privadas com nota positiva no MEC. O programa foi criado em 1999 substituindo o Crédito Educativo.

Mas, o que ele é? Como ele? Quem pode se inscrever? Como eu pago? Nesse artigo a gente vai tentar responder suas dúvidas.

Qual a diferença entre financiamento estudantil e bolsa?

Primeira coisa: bolsa é uma coisa, financiamento é outra. A única semelhança entre os dois é que ambos existem para ajudá-lo a concluir sua faculdade.

O financiamento estudantil é uma espécie de empréstimo. Alguém – o governo federal no caso do FIES – concede uma espécie de empréstimo usado para pagar as mensalidades da graduação. Esse valor, junto com os juros atrelados, deverá ser pago em algum momento.

Já na bolsa de estudos, o processo é outro. O valor a ser pago, ou parte dele, é subsidiado – como no caso do ProUni – ou recebe um desconto da faculdade. A bolsa não precisará ser paga pelo aluno em nenhum momento.

A principal vantagem do FIES em relação a outros programas de financiamento está no juros aplicado. Os 6,5% são muito abaixo do que outro tipo de crédito estudantil existente no mercado.

Quem pode se inscrever no FIES?

Alguns critérios são necessários para que alguém possa se candidatar ao programa. Você precisa:

  • Ter renda familiar de até 3 salários mínimos por pessoa;
  • Estar matriculado em uma faculdade com avaliação positiva no MEC;
  • Ter realizado algum ENEM a partir de 2011;
  • Ter obtido pelo menos 450 pontos em cada uma das 3 provas e não ter zerado a redação

Como se inscrever?

No início de cada semestre, o FIES libera um edital para quem quiser financiar a sua graduação – o percentual pode variar de 50 a 100%.

Para concorrer ao processo seletivo, você deve inicialmente se cadastrar no site do fundo. A seguir você deverá escolher no SisFIES o curso, a faculdade e o período. A classificação é bem similar a do ProUNI e do SiSU.

A pontuação de cada candidato é baseada no desempenho dele no ENEM. É calculada a média entre a nota das provas de múltipla escolha e da redação. Considerando o número de vagas disponíveis e a pontuação dos candidatos, é divulgada uma nota de corte, que é atualizada diariamente durante o período de inscrição.

Ao final do processo é divulgada a lista de chamada. Se aprovado, compareça à Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento, a CPSA, portando todos os documentos necessários num período de 10 dias. Ela é formada por funcionários da instituição e é responsável por validar informações das fichas de inscrição.

Com as informações em ordem, vá ao banco – Caixa ou Banco do Brasil – acompanhado do fiador para formalizar a contratação do financiamento.

Como é feito o pagamento?

Enquanto cursa a faculdade, você só precisará pagar o valor referente aos juros do financiamento – que no momento são de 6,5% ao ano. A cobrança será feita trimestralmente e o valor não pode passar os R$150,00.

Concluída a faculdade, o FIES concede 18 meses de carência para conseguir arranjar um emprego e se tornar independente financeiramente. Nesse período, você continua pagando só a taxa de juros trimestral.

Chegando ao 19º mês, aí começa a ser cobrado o valor financiado. Ele pode ser dividido em até 3 vezes o período do curso mais 1 ano.

Renovação do contrato

Todo início de semestre, você precisa renovar seu financiamento no programa. É só ir no sistema do FIES e preencher os dados pedidos, conferir se está tudo ok e confirmar.

Isso se chama aditamento. Existem duas formas: o simplificado e não simplificado.O primeiro é quando não há nenhum erro cadastral. Nesse caso, é só ir na CPSA e pegar o Documento de Regularidade de Matrícula (DRM).

O segundo é quando é necessária alguma alteração. Aí você deve solicitar ao CSPA que deixe tudo em ordem, repetir o processo da primeira forma e ir à agência bancária onde houve a contratação para informar as mudanças. Leve todos os documentos esteja acompanhado de seu fiador.

Mesmo que a matrícula da sua faculdade for anual, a situação não muda: o aditamento tem de ser feito todo semestre. E muita atenção! Esse processo é essencial. Se não for realizado, pode acarretar na perda do benefício.

Se quiser saber mais sobre o FIES acesse o edital do processo quando ele for liberado. Lá você poderá conferir as informações atualizadas. Acompanhe também as postagens do nosso blog para saber mais sobre os processos seletivos para os vestibulares.