sombra

Guia Completo ENEM 2018: Tudo que você precisa saber

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) é uma das maiores e mais importantes provas do país e isso gera muitas dúvidas nos vestibulandos. Por isso o Kuadro preparou o Guia Completo ENEM 2018, com todas as informações que você precisa saber até o dia da prova!

O que de fato é o ENEM?

O ENEM é uma prova nacional que serve como forma de ingresso para o ensino superior em todo o país (universidades públicas e particulares).

Quando foi criado, em 1998, o ENEM servia principalmente como ferramenta para analisar o nível da educação do Ensino Médio no Brasil. Nesta época, cerca de apenas 90 instituições usavam o Enem como forma de ingresso no ensino superior.

Conforme o exame foi tendo mais inscritos, mais universidades e faculdades aderiram ao ENEM como forma de ingresso no ensino superior. Por conta disso, criou-se um ciclo: como cada vez mais universidades renomadas aderiram ao ENEM, o exame foi evoluindo em sua qualidade.

Hoje o exame se consolidou como a maior porta de entrada para as universidades do Brasil!

Em 2018 foram cerca de 5,5 milhões de inscritos e atualmente são mais de 500 universidades públicas e particulares que utilizam o Enem como forma de ingresso.

Como são as provas?

As provas do ENEM são multidisciplinares e divididas em dois dias. A primeira etapa, com as áreas de Linguagens, Ciências Humanas e Redação, acontece em um domingo. No domingo seguinte ocorre a segunda etapa, com as áreas de Matemática e Ciências Naturais. O primeiro dia tem a duração de 5h30 e o segundo, 5h00.

As provas são divididas entre quatro grandes áreas do conhecimento:

  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira, entre outros) – 45 questões;
  • Matemática e suas Tecnologias – 45 questões
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias (História, Geografia, Filosofia e Sociologia) – 45 questões;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias (Química, Física e Biologia) – 45 questões.

A redação é parte muito importante da avaliação e segue padrões bastante específicos. O texto é dissertativo-argumentativo e deve ser redigido em até 30 linhas. A proposta costuma ter ligação com temas da atualidade e são oferecidos textos de apoio para serem usados como base e referência.

O texto também deve conter uma proposta de intervenção, que é uma maneira de lidar com a situação.

Baixe o Guia de Redação para Vestibulares.

Qualquer pessoa pode participar do ENEM?

Sim! O ENEM pode ser feito por qualquer pessoa que realize a inscrição na prova e o pagamento da taxa. Para se inscrever é necessário fornecer documentos, como identidade ou número de passaporte, caso o participante seja estrangeiro.

Como se inscrever no ENEM?

Para efetuar as inscrições no ENEM, é necessário que o candidato apresente seu CPF (Cadastro de Pessoa Física) e seu documento de identidade (RG – Registro Geral). É recomendado ter o número dos dois documentos em mãos no momento da inscrição.

Número de telefone e endereço de e-mail válido também são pedidos para o candidato. Ambos são utilizados como meios de comunicação entre a organização do ENEM e o candidato.

No endereço de e-mail são enviadas informações como o comprovante de inscrição; já o número de telefone é usado para enviar mensagem de texto (SMS) para o candidato com atualizações sobre o exame.

Além dos documentos e informações pessoais, é necessário que o candidato apresente dados sobre sua escolaridade e informações familiares.

Taxa de inscrição, pagamento e isenção

Para fazer a inscrição no ENEM é necessário efetuar o pagamento da taxa de inscrição. O valor varia ao longo dos anos e em 2018 foi estabelecido como R$82,00. A taxa é relativa aos gastos com a produção da prova (elaboração, impressão e aplicação).

O pagamento da taxa pode ser feito em Agências Bancárias, Casas Lotéricas e Agências dos Correios. O prazo para pagar geralmente é até alguns dias após o término do período de inscrições.

Isenção da taxa: quem tem direito e como fazer?

Para conseguir a isenção da taxa é necessário preencher alguns pré-requisitos.

Para estudantes do terceiro ano do ensino médio de escolas públicas a isenção é automática. Para obtê-la é necessário apenas informar no momento da inscrição a escola onde o candidato estudou.

Os estudantes atendidos pela lei 12.799/2013 podem pedir a isenção da taxa, comprovando a situação com documentos. A lei inclui estudantes de escolas públicas ou bolsistas integrais de escolas particulares com renda familiar de até 1,5 salário mínimo por pessoa.

Os inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) também podem solicitar a isenção. É necessário ter renda familiar de 0,5 (meio) salário mínimo por pessoa ou renda familiar total de até três salários mínimos.

Para pedir a isenção é necessário responder questões relativos à situação socioeconômica do candidato.

Há um período específico para pedir a isenção da taxa, que é antes do período de inscrição.

Caso a isenção seja negada é possível recorrer da decisão.

Estudos e preparação

Para mandar bem no ENEM é necessário estudar bastante e se preparar bem! Separamos aqui algumas dicas que podem te ajudar nesse período:

  1. Tenha um cronograma de estudos

Para conseguir estudar com qualidade e estabelecer objetivos atingíveis é importante que você estabeleça um cronograma de estudos e, claro, siga o que está proposto nele.

Para montar seu cronograma, é importante seguir estes passos:

  • Definir seu horário e sua rotina
  • Estabelecer prioridades
  • Determinar alguns objetivos

Assim a jornada até o vestibular fica mais tranquila e eficaz.

2. Faça exercícios específicos

Você provavelmente já sabe que fazer exercícios de provas anteriores é o melhor esquema para estudar para o ENEM, mas resolvemos frisar esse ponto porque ele é parte crucial do seu aprendizado.

O formato das questões das provas do ENEM é considerado um padrão. Assim, se você já tiver bastante intimidade com a forma que o conteúdo cai na prova, as chances de acertar serão muito maiores.

Baixe o Guia de Redação para Vestibulares.

Procure o máximo de resoluções comentadas que conseguir. É bem mais fácil entender o que está sendo cobrado do aluno quando existe alguém explicando a questão.

3. Dê atenção aos temas recorrentes

Existe uma constância nos conteúdos que são cobrados no ENEM, por isso lembre-se que saber determinados assuntos na ponta da língua já garante a você alguns pontos extras.

Algumas das matérias que se repetem são:

  • Interpretação e compreensão de texto em Linguagens, Códigos e suas Tecnologias;
  • Geometria em Matemática e suas Tecnologias;
  • Atualidades em Ciências Humanas e suas Tecnologias (mantenha-se sempre informado durante o ano de sua prova);
  • Mecânica em Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

 

4. Faça um catálogo de resumos

Pode parecer besteira, mas organizar catálogos de pequenos resumos por matéria e assunto pode ser de grande ajuda no final do ano, principalmente na época de revisão.

Abuse das cores, post its, marcadores e o que mais te ajudar a fixar o conteúdo!

5. Treine para o dia do Enem

Sabemos que os dias de prova são longos e cansativos, então é essencial que você se prepare para ter resistência desde o início.

Você vai precisar resolver uma quantidade grande de questões em pouco tempo, por isso uma ótima dica é que faça simulados cronometrando seu desempenho desde o primeiro mês de estudos.

Dessa forma você será capaz de enxergar os pontos que precisam ser melhorados e ainda terá tempo de aperfeiçoá-los.

Correção TRI: como funciona?

A TRI (Teoria de Resposta ao Item) é o método de correção usado pelo ENEM para fazer o cálculo da pontuação do candidato em cada questão.

A correção TRI define a pontuação de cada questão a partir do seu nível de dificuldade. Dessa forma as questões mais fáceis tem uma pontuação menor em relação às medianas e difíceis, fazendo com que a pontuação final não seja proporcional ao número de acertos, mas sim variando de acordo com o nível de dificuldade das questões acertadas.

O método TRI utiliza três parâmetros para avaliar o candidato:

  • Parâmetro de Discriminação: No qual é avaliado se o candidato domina o assunto abordado na questão.
  • Parâmetro de Dificuldade: As questões são divididas em fáceis, médias e difíceis, avaliando o nível de conhecimento do candidato.
  • Parâmetro de Acerto Casual: Nesse parâmetro é possível avaliar um possível “chute”, dessa forma a pontuação dada para o acerto ao acaso é menor em comparação aos acertos por conhecimento.

Correção da redação

O método de correção da redação ENEM segue o modelo tradicional de correção, com notas de 0 a 1000.

Existem cinco competências que existem para nortear a correção da redação ENEM:

  • competência 1 — ter o domínio da norma culta da língua portuguesa (saber diferenciar oralidade de escrita formal);
  • competência 2 — compreender a proposta da redação e aplicar conceitos de outras áreas do conhecimento para desenvolver o tema (sempre de acordo com o formato dissertativo-argumentativo);
  • competência 3 — selecionar, relacionar e organizar seus argumentos defendendo um ponto de vista (capacidade de compreensão e interpretação do tema);
  • competência 4 — demonstrar conhecimento dos mecanismos de uma boa argumentação (lógica de ideias);
  • competência 5 — elaborar uma proposta de solução para o problema apresentado.

 

Cada uma dessas competências vale 200 pontos, mas as notas que o aluno pode alcançar são padronizadas. São seis níveis diferentes: 0, 40, 80,  120, 160 ou 200.

A correção é feita por um corretor e, em seguida, recorrigida por outro examinador. Ambos obedecem os mesmo critérios e o segundo corretor não tem acesso às notas dadas pelo primeiro.

Se não houver diferença entre as notas, a nota final é equivalente à média aritmética das duas notas. Caso haja diferença (maior que 100 pontos no total) entre as notas, a redação é corrigida por um terceiro corretor.

Esse processo é semelhante à correção de redação de outras instituições, como o ITA.

Baixe o Guia de Redação para Vestibulares.

Gabarito e notas

O gabarito do ENEM costuma ser divulgado poucos dias após a aplicação da prova. Com ele o candidato pode conferir quantas questões acertou no exame, mesmo que isso não permita saber a nota ao certo (por conta da correção TRI).

As notas gerais saem algumas semanas depois do exame, geralmente no mês de janeiro do ano seguinte.

ENEM e SiSU

O Sistema Único de Seleção (SiSU) é o sistema informatizado do MEC (Ministério da Educação) que gerencia as vagas ofertadas pelas instituições participantes aos alunos que fizeram o ENEM no ano anterior.

Participantes do ENEM podem participar das duas edições seguintes do SiSU. Portanto, se você vai prestar o ENEM 2018, você participará do SiSU 2019 e do SiSU 2019.2 (no meio do ano de 2019).

O SiSU possui uma etapa de inscrição, na qual o candidato deve escolher uma ou duas opções de cursos e universidade entre as ofertadas. A escolha dos cursos deve ser feita em ordem de preferência. É também durante a inscrição que o candidato seleciona se vai concorrer às vagas pela ampla concorrência ou pelas vagas reservadas (Lei de Cotas).

Enquanto o período de inscrições estiver aberto é permitida a alteração de cursos. Quando fechadas as inscrições serão considerados os últimos cursos e universidades selecionados.

Depois de encerradas as inscrições, o sistema seleciona automaticamente os candidatos mais bem classificados em cada curso, de acordo com as notas no ENEM. Lembrando que podem haver ponderações como pesos atribuídos às notas, ou bônus, dependendo da instituição à qual se está concorrendo.

As vagas são preenchidas por candidatos classificados dentro do número ofertado pelo SiSU em cada um dos cursos. Caso a nota desse candidato possibilite a classificação nas duas opções selecionadas previamente, ele será classificado exclusivamente em sua primeira opção. Portanto é preciso ficar atento na hora de escolher os cursos que se quer concorrer.

A chamada para matrícula acontece apenas uma vez. Os candidatos selecionados terão um prazo para efetuar a matrícula e ocupar sua vaga.

Depois de ter preenchido todas as vagas pela chamada regular do processo seletivo, o SiSU disponibiliza às instituições uma lista de espera que é utilizada para preenchimento das vagas não ocupadas.

Para participar da lista de espera, os candidatos devem acessar a sua página do SiSU e manifestar o interesse. E podem participar todos os alunos  não selecionados em nenhuma de suas opções. Mas também aqueles que foram selecionados na sua segunda opção, tendo ou não se matriculado.

ENEM e ProUNI

O Programa Universidade para Todos (ProUni) permite o ingresso em faculdades privadas por meio de bolsas e a seleção é feita de acordo com os limites de renda. Entenda a divisão:

  • Bolsa integral – renda familiar de até 1 salário mínimo e meio por pessoa;
  • Bolsa parcial – renda familiar de até 3 salários mínimos por pessoa.

Além da renda, o programa tem mais uma exigência para os candidatos. O interessado em prestar o processo seletivo para ambas modalidades de bolsa precisa preencher um dos requisitos:

  • Ter feito todo o ensino médio em escola pública;
  • Ter feito parte ou todo o ensino médio em escola privada com bolsa integral;
  • Ser uma pessoa com deficiência física;
  • Ser professor da rede pública de ensino básico, concorrendo a vagas em cursos de licenciatura, normal superior ou pedagogia.

 

Ainda é necessário que ter prestado o ENEM no ano diretamente anterior ao programa em que concorre. Nesse exame você deve ter obtido a nota mínima para conseguir concorrer às bolsas, isto é, pelo menos 450 em cada uma das provas de múltipla escolha e não ter zerado a redação.

O ProUni ocorre duas vezes ao ano: no início, para o vestibular de verão; e no meio, para o de inverno.

ENEM e FIES

Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um fundo de apoio financeiro a estudantes para o ingresso em instituições privadas de ensino superior.

Para os candidatos selecionados, o Governo Federal arca com os custos da graduação até seu final.

Diferentemente de programas de bolsa de estudos, como o Prouni, no Fies, após a conclusão do curso, é necessário que o beneficiado do programa devolva o valor ao governo em parcelas mensais.

Durante a graduação, o estudante paga apenas o valor estabelecido no contrato como encargo operacional e o custo do seguro de vida. O seguro é exigido para a contratação do financiamento.

Para ser um beneficiado do Fies, é necessário atender a alguns critérios, que são:

  • Ter média aritmética das notas obtidas nas provas do Enem igual ou superior a quatrocentos e cinquenta (450) pontos e não ter zerado na redação;
  • Para a primeira modalidade, é necessário que o estudante possua renda mensal bruta familiar per capita de até três salários mínimos;
  • Para a segunda modalidade do Fies, deve ter renda bruta familiar per capita de até cinco salários mínimos.

A inscrição deve ser feita pelo site do Fies.

Modalidade I: estudantes de todo o Brasil com renda familiar de até três (3) salários mínimos.

Modalidade II: alunos do Norte, Nordeste e Centro-Oeste com renda familiar per capita mensal de até cinco (5) salários mínimos.

Modalidade III: estudantes de todo o país com renda familiar per capita de até 5 salários mínimos.

ENEM e Portugal

Desde 2014 é permitido que candidatos que prestaram o ENEM usem sua nota no exame para estudar em universidades em Portugal. Atualmente são 29 instituições portuguesas que classificam brasileiros através do exame.

As inscrição, geralmente denominadas “candidaturas”, são oferecidas em três prazos e são aceitas exclusivamente pela internet nos sites das universidades.

As notas obtidas do ENEM são a base do processo. Cada universidade define outras especificações, como notas mínimas e pesos para cada área, em suas seleções. Em Portugal, a escala costuma variar de 0 a 200 pontos, o que equivale à classificação do ENEM (0 a 1000 pontos) dividida por cinco.

Prepare-se para o ENEM com os cursos do Kuadro!

Conheça os Cursos do Kuadro e garanta sua vaga na universidade que deseja!

Curso Extensivo (ENEM e públicas)

Curso Medicina

O que você achou?