Questões e gabarito - AFA 2018

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
1-15 de 67
Questão 1
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) (Epcar (Afa) 2018) Assinale a alternativa em que o aspecto gramatical analisado est correto.

Questão 1
2018Português

(AFA 2018) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO: MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) 1A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) 2O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. 3No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (4Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. 5Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. 6No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde 7grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; 8no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; 9no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. 10Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. 11O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever como celulares, tablets e redes sociais se tornariam bem mais que a TV o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p. 67. Distopia = Pensamento, filosofia ou processo discursivo caracterizado pelo totalitarismo, autoritarismo e opressivo controle da sociedade, representando a anttese de utopia. (BECHARA, E. Dicionrio da lngua portuguesa. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, Assinale a alternativa em que a anlise dos termos presentes no excerto abaixo est de acordo com o que prescreve a Gramtica Normativa da Lngua Portuguesa. A distopia de Orwell, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (ref. 1)

Questão 2
2018Português

(AFA 2018) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO: REDES SOCIAIS E COLABORAO EXTREMA: O FIM DO SENSO CRTICO? Eugnio Mira Conectados. Essa palavra nunca fez tanto sentido quanto agora. 1Quando se discutia no passado sobre como os homens agiriam com o advento da aldeia global (...) no se imaginava o quanto esse processo seria rpido e devastador. (...) quando McLuhan apresentou o termo, em 1968, 2ele sequer imaginaria que no seria a televiso a grande responsvel pela interligao mundial absoluta, e sim a internet, que na poca no passava de um projeto militar do governo dos Estados Unidos. 3A internet mudou definitivamente a maneira como nos comunicamos e percebemos o mundo. Graas a ela temos acesso a toda informao do mundo distncia de apenas um toque de boto. 4E quando comearam a se popularizar as redes sociais, 5um admirvel mundo novo abriu-se ante nossos olhos. Uma ferramenta colaborativa extrema, que possibilitaria o contato imediato com outras pessoas atravs de suas afinidades, fossem elas polticas, religiosas ou mesmo geogrficas. Projetos colaborativos, revolues instantneas... 6Tudo seria maior e melhor quando as pessoas se alinhassem na rbita de seus ideais. 7O tempo passou, e essa revoluo no se instaurou. Basta observar as figuras que surgem nos sites de humor e outros assemelhados. Conhecidos como memes (termo cunhado pelo pesquisador Richard Dawkins, que representaria para nossa memria o mesmo que os genes representam para o corpo, ou seja, uma parcela mnima de informao), 8essas figuras surgiram com a inteno de demonstrar, de maneira icnica, algum sentimento ou sensao. 9Ao fazer isso, a tendncia de ter uma reao diversa daquelas expressas pelas tirinhas cada vez menor. Tudo fica branco e preto. 10Ou se aceita a situao, ou revolta-se. Sem chance para o debate ou questionamento. (...) A situao ainda mais grave quando um dos poucos entes criativos restantes na internet produz algum comentrio curto, espirituoso ou reflexivo, a respeito de alguma situao atual ou recente... Em minutos pipocam cpias da frase por todo lugar. 11Copia-se sem o menor bom senso, sem crditos. Pensar e refletir, e depois falar, so coisas do passado. O importante agora 12copiar e colar, e depois partilhar. 13As redes sociais desfraldaram um mundo completamente novo, e o uso que o homem far dessas ferramentas o que dir o nosso futuro cultural. 14Se enveredarmos pela partilha de ideias, gestando-as em nossas mentes e depois as passando a outros, ser uma estufa mundial a produzir avanos incrveis em todos os campos de conhecimento. Se, no entanto, as redes sociais se transformarem em uma rede neural de apoio preguia de pensar, a humanidade estar fadada ao processo antinatural de regresso. O advento das redes sociais trouxe para perto das pessoas comuns os amigos distantes, os dolos e as ideias consumistas mais arraigados, mas aparentemente est levando para longe algo muito mais humano e essencial na vida em sociedade: o senso crtico. Ser uma troca justa? http://obviousmag.org/archives/2011/09/redes_sociais_e_colaboracao_extrema_O_fim_do_senso_critico-.htm. Adaptado. Acesso em: 21 fev 2017. Observe o emprego da conjuno e nos enunciados abaixo, considerando o contexto de onde foram recortados, e as respectivas anlises. I. Ele sequer imaginaria que no seria a televiso a grande responsvel pela interligao mundial absoluta, e sim a internet... (ref. 2) A conjuno aditiva. II. O tempo passou, e essa revoluo no se instaurou. (ref. 7) A relao estabelecida de adversidade. III. A internet mudou definitivamente a maneira como nos comunicamos e percebemos o mundo. (ref. 3) A conjuno estabelece uma relao de finalidade. IV. ...copiar e colar, e depois partilhar. (ref. 12) A repetio da conjuno visa enfatizar o automatismo das aes. Esto corretas as anlises apresentadas apenas nos itens

Questão 26
2018Matemática

(AFA 2018) Considere a funo real, x -1. Se, ento igual a

Questão
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) Do ponto de vista da composio, s NO correto afirmar que o texto se vale de

Questão
2018Português

(AFA 2018) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO: REDES SOCIAIS E COLABORAO EXTREMA: O FIM DO SENSO CRTICO? Eugnio Mira Conectados. Essa palavra nunca fez tanto sentido quanto agora. 1Quando se discutia no passado sobre como os homens agiriam com o advento da aldeia global (...) no se imaginava o quanto esse processo seria rpido e devastador. (...) quando McLuhan apresentou o termo, em 1968, 2ele sequer imaginaria que no seria a televiso a grande responsvel pela interligao mundial absoluta, e sim a internet, que na poca no passava de um projeto militar do governo dos Estados Unidos. 3A internet mudou definitivamente a maneira como nos comunicamos e percebemos o mundo. Graas a ela temos acesso a toda informao do mundo distncia de apenas um toque de boto. 4E quando comearam a se popularizar as redes sociais, 5um admirvel mundo novo abriu-se ante nossos olhos. Uma ferramenta colaborativa extrema, que possibilitaria o contato imediato com outras pessoas atravs de suas afinidades, fossem elas polticas, religiosas ou mesmo geogrficas. Projetos colaborativos, revolues instantneas... 6Tudo seria maior e melhor quando as pessoas se alinhassem na rbita de seus ideais. 7O tempo passou, e essa revoluo no se instaurou. Basta observar as figuras que surgem nos sites de humor e outros assemelhados. Conhecidos como memes (termo cunhado pelo pesquisador Richard Dawkins, que representaria para nossa memria o mesmo que os genes representam para o corpo, ou seja, uma parcela mnima de informao), 8essas figuras surgiram com a inteno de demonstrar, de maneira icnica, algum sentimento ou sensao. 9Ao fazer isso, a tendncia de ter uma reao diversa daquelas expressas pelas tirinhas cada vez menor. Tudo fica branco e preto. 10Ou se aceita a situao, ou revolta-se. Sem chance para o debate ou questionamento. (...) A situao ainda mais grave quando um dos poucos entes criativos restantes na internet produz algum comentrio curto, espirituoso ou reflexivo, a respeito de alguma situao atual ou recente... Em minutos pipocam cpias da frase por todo lugar. 11Copia-se sem o menor bom senso, sem crditos. Pensar e refletir, e depois falar, so coisas do passado. O importante agora 12copiar e colar, e depois partilhar. 13As redes sociais desfraldaram um mundo completamente novo, e o uso que o homem far dessas ferramentas o que dir o nosso futuro cultural. 14Se enveredarmos pela partilha de ideias, gestando-as em nossas mentes e depois as passando a outros, ser uma estufa mundial a produzir avanos incrveis em todos os campos de conhecimento. Se, no entanto, as redes sociais se transformarem em uma rede neural de apoio preguia de pensar, a humanidade estar fadada ao processo antinatural de regresso. O advento das redes sociais trouxe para perto das pessoas comuns os amigos distantes, os dolos e as ideias consumistas mais arraigados, mas aparentemente est levando para longe algo muito mais humano e essencial na vida em sociedade: o senso crtico. Ser uma troca justa? http://obviousmag.org/archives/2011/09/redes_sociais_e_colaboracao_extrema_O_fim_do_senso_critico-.htm. Adaptado. Acesso em: 21 fev 2017. Assinale a alternativa que apresenta uma afirmativa correta em relao ao texto.

Questão
2018Português

(AFA 2018) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO: REDES SOCIAIS E COLABORAO EXTREMA: O FIM DO SENSO CRTICO? Eugnio Mira Conectados. Essa palavra nunca fez tanto sentido quanto agora. 1Quando se discutia no passado sobre como os homens agiriam com o advento da aldeia global (...) no se imaginava o quanto esse processo seria rpido e devastador. (...) quando McLuhan apresentou o termo, em 1968, 2ele sequer imaginaria que no seria a televiso a grande responsvel pela interligao mundial absoluta, e sim a internet, que na poca no passava de um projeto militar do governo dos Estados Unidos. 3A internet mudou definitivamente a maneira como nos comunicamos e percebemos o mundo. Graas a ela temos acesso a toda informao do mundo distncia de apenas um toque de boto. 4E quando comearam a se popularizar as redes sociais, 5um admirvel mundo novo abriu-se ante nossos olhos. Uma ferramenta colaborativa extrema, que possibilitaria o contato imediato com outras pessoas atravs de suas afinidades, fossem elas polticas, religiosas ou mesmo geogrficas. Projetos colaborativos, revolues instantneas... 6Tudo seria maior e melhor quando as pessoas se alinhassem na rbita de seus ideais. 7O tempo passou, e essa revoluo no se instaurou. Basta observar as figuras que surgem nos sites de humor e outros assemelhados. Conhecidos como memes (termo cunhado pelo pesquisador Richard Dawkins, que representaria para nossa memria o mesmo que os genes representam para o corpo, ou seja, uma parcela mnima de informao), 8essas figuras surgiram com a inteno de demonstrar, de maneira icnica, algum sentimento ou sensao. 9Ao fazer isso, a tendncia de ter uma reao diversa daquelas expressas pelas tirinhas cada vez menor. Tudo fica branco e preto. 10Ou se aceita a situao, ou revolta-se. Sem chance para o debate ou questionamento. (...) A situao ainda mais grave quando um dos poucos entes criativos restantes na internet produz algum comentrio curto, espirituoso ou reflexivo, a respeito de alguma situao atual ou recente... Em minutos pipocam cpias da frase por todo lugar. 11Copia-se sem o menor bom senso, sem crditos. Pensar e refletir, e depois falar, so coisas do passado. O importante agora 12copiar e colar, e depois partilhar. 13As redes sociais desfraldaram um mundo completamente novo, e o uso que o homem far dessas ferramentas o que dir o nosso futuro cultural. 14Se enveredarmos pela partilha de ideias, gestando-as em nossas mentes e depois as passando a outros, ser uma estufa mundial a produzir avanos incrveis em todos os campos de conhecimento. Se, no entanto, as redes sociais se transformarem em uma rede neural de apoio preguia de pensar, a humanidade estar fadada ao processo antinatural de regresso. O advento das redes sociais trouxe para perto das pessoas comuns os amigos distantes, os dolos e as ideias consumistas mais arraigados, mas aparentemente est levando para longe algo muito mais humano e essencial na vida em sociedade: o senso crtico. Ser uma troca justa? http://obviousmag.org/archives/2011/09/redes_sociais_e_colaboracao_extrema_O_fim_do_senso_critico-.htm. Adaptado. Acesso em: 21 fev 2017. Assinale a alternativa em que a reescrita do excerto NO mantm a correo morfossinttica.

Questão
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) Leia as afirmaes feitas acerca do texto e julgue-as como VERDADEIRAS (V) ou FALSAS (F). ( ) As obras citadas, 1984, Admirvel mundo novo e Nos divertindo at morrer se assemelham por serem obras que tratam de teoria da comunicao. ( ) H dois meios de controle ou de runa social: a dor ou o prazer. ( ) A censura tirana necessria porque o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. ( ) A televiso incapaz de manter com a verdade a mesma relao reflexiva e racional da palavra impressa. ( ) Tal qual a TV, os celulares, tabletes e redes se prestam a funcionar como o soma: garantir o bemestar social. ( ) Na obra de Huxley, as pessoas no pensavam, mas riam, mesmo no sabendo de qu. Assinale a alternativa que contm a sequncia correta.

Questão
2018Português

(AFA 2018) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO: REDES SOCIAIS E COLABORAO EXTREMA: O FIM DO SENSO CRTICO? Eugnio Mira Conectados. Essa palavra nunca fez tanto sentido quanto agora. 1Quando se discutia no passado sobre como os homens agiriam com o advento da aldeia global (...) no se imaginava o quanto esse processo seria rpido e devastador. (...) quando McLuhan apresentou o termo, em 1968, 2ele sequer imaginaria que no seria a televiso a grande responsvel pela interligao mundial absoluta, e sim a internet, que na poca no passava de um projeto militar do governo dos Estados Unidos. 3A internet mudou definitivamente a maneira como nos comunicamos e percebemos o mundo. Graas a ela temos acesso a toda informao do mundo distncia de apenas um toque de boto. 4E quando comearam a se popularizar as redes sociais, 5um admirvel mundo novo abriu-se ante nossos olhos. Uma ferramenta colaborativa extrema, que possibilitaria o contato imediato com outras pessoas atravs de suas afinidades, fossem elas polticas, religiosas ou mesmo geogrficas. Projetos colaborativos, revolues instantneas... 6Tudo seria maior e melhor quando as pessoas se alinhassem na rbita de seus ideais. 7O tempo passou, e essa revoluo no se instaurou. Basta observar as figuras que surgem nos sites de humor e outros assemelhados. Conhecidos como memes (termo cunhado pelo pesquisador Richard Dawkins, que representaria para nossa memria o mesmo que os genes representam para o corpo, ou seja, uma parcela mnima de informao), 8essas figuras surgiram com a inteno de demonstrar, de maneira icnica, algum sentimento ou sensao. 9Ao fazer isso, a tendncia de ter uma reao diversa daquelas expressas pelas tirinhas cada vez menor. Tudo fica branco e preto. 10Ou se aceita a situao, ou revolta-se. Sem chance para o debate ou questionamento. (...) A situao ainda mais grave quando um dos poucos entes criativos restantes na internet produz algum comentrio curto, espirituoso ou reflexivo, a respeito de alguma situao atual ou recente... Em minutos pipocam cpias da frase por todo lugar. 11Copia-se sem o menor bom senso, sem crditos. Pensar e refletir, e depois falar, so coisas do passado. O importante agora 12copiar e colar, e depois partilhar. 13As redes sociais desfraldaram um mundo completamente novo, e o uso que o homem far dessas ferramentas o que dir o nosso futuro cultural. 14Se enveredarmos pela partilha de ideias, gestando-as em nossas mentes e depois as passando a outros, ser uma estufa mundial a produzir avanos incrveis em todos os campos de conhecimento. Se, no entanto, as redes sociais se transformarem em uma rede neural de apoio preguia de pensar, a humanidade estar fadada ao processo antinatural de regresso. O advento das redes sociais trouxe para perto das pessoas comuns os amigos distantes, os dolos e as ideias consumistas mais arraigados, mas aparentemente est levando para longe algo muito mais humano e essencial na vida em sociedade: o senso crtico. Ser uma troca justa? http://obviousmag.org/archives/2011/09/redes_sociais_e_colaboracao_extrema_O_fim_do_senso_critico-.htm. Adaptado. Acesso em: 21 fev 2017. Assinale a alternativa em que a mudana de lugar do vocbulo em destaque NO provoca modificao no sentido da frase.

Questão
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) Assinale a alternativa que apresenta o principal objetivo comunicativo do emissor do texto.

Questão
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) Assinale a opo cuja figura de linguagem NO tem como elemento central um verbo.

Questão
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) Sobre o texto correto afirmar que

Questão
2018Inglês

(AFA 2018) FOOD SHORTAGE CAUSES, EFFECTS AND SOLUTIONS Food shortage is a serious problem facing the world and is prevalent in sub-Saharan Africa. The scarcity of food is caused by economic, environmental and social factors such as crop failure, overpopulation and poor government policies are the main cause of food scarcity in most countries. Environmental factors determine the kind of crops to be produced in a given place, economic factors determine the buying and production capacity and socio-political factors determine distribution of food to the masses. Food shortage has far reaching long and short term negative impacts which include starvation, malnutrition, increased mortality and political unrest1. There is need to collectively address the issue of food insecurity using both emergency and long term measures. Causes of food shortages There are a number of social factors causing food shortages. The rate of population increase is higher than increase in food production. The world is consuming more than it is producing, leading to decline in food stock and storage level and increased food prices due to soaring2 demand. Increased population has led to clearing of agricultural land for human settlement reducing agricultural production (Kamdor, 2007). Overcrowding of population in a given place results in urbanization of previously rich agricultural fields. Destruction of forests for human settlement, particularly tropical rain forest has led to climatic changes, such as prolonged droughts and desertification. Population increase means more pollution as people use more fuel in cars, industry, domestic cooking. The resultant effect is increased air and water pollution which affect the climate and food production. Environmental factors have greatly contributed to food shortage. Climatic change has reduced agricultural production. The change in climate is majorly caused by human activities and to some small extent natural activities. Increased combustion of fossil fuels due to increasing population through power plant, motor transport and mining of coal and oil emits green house gases which have continued to affect world climate. Deforestation of tropical forest due to human pressure has changed climatic patterns and rainfall seasons, and led to desertification which cannot support a crop production. Land degradation due to increased human activities has impacted negatively on agricultural production (Kamdor, 2007). Natural disasters such as floods, tropical storms and prolonged droughts are on the increase and have devastating impacts on food security particularly in developing countries. There are several economic factors that contribute to food shortage. Economic factors affect the ability of farmers to engage in agricultural production. Poverty situation in developing nations have reduced their capacity to produce food, as most farmers cannot afford seed and fertilizers. They use poor farming methods that cannot yield3 enough, even substantial use. Investments in agricultural research and developing are very low in developing nations. Recent global financial crisis have led to increase in food prices and reduced investments in agriculture by individuals and governments in developed nations resulting in reduced food production. Effects of food shortage There are a number of short term effects of food shortage. The impact on children, mothers and elderly are very evident as seen in malnutrition and hunger related deaths. Children succumb to hunger within shortperiod as they cannot stand long period of starvation and they die even before the arrival of emergency assistance. There are also long term effects of food shortage. These include increase in the price of food as a result demand and supply forces. Increasing cost of food production due to the increase in fuel prices coupled with persistent drought in grain producing regions has contributed to the increase in the price of food in the world. Increase in oil price led to increase in the price of fertilizers, transportation of food and also industrial agriculture. Increasing food prices culminated in political instability and social unrest in several nations across the globe in 2007, in countries of Mexico, Cameroon, Brazil, Burkina Faso, Pakistan, Egypt and Bangladesh among other nations (Kamdor, 2007). Solution to problem of food shortage There are some solutions to the problem of food shortage. There is need to reduce production of carbon emissions and pollution to reduce the resultant climatic change through concerted and individual efforts. There is need to invest in clean energy such as solar, nuclear, and geothermal power in homes and industries, because they dont have adverse effects on the environment (Kamdor, 2007). Rich nations should help poor nations to develop and use clean and renewable energy in order to stabilize green house emissions into the atmosphere (Watson, nd). Government need to work in consultation with climatic bodies, World Bank and the UN to engage in projects aimed at promoting green environment. Conclusion Causes of food shortage are well known and can be solved if appropriate measures to solve the problem are taken and effectively implemented. Environmental causes of food shortages are changes in climatic and pollution due to human activities such overgrazing4 and deforestation which can be controlled through legislation. (Adapted from http://www.paypervids.com/food-shortage-causes- effects-solutions/Acesso em:14 fev 2017) Glossary: 1. unrest disagreement or fighting between different groups of people 2. soaring something that increases rapidly above the usual level 3. yield to supply or produce something such as profit or an amount or food 4. overgrazing excessive use of land where animals feed on grass Mark the option which best shows the meaning of the highlighted expression in deforestation of tropical forest due to human pressure (line 42)

Questão
2018Português

(AFA 2018) MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO Hlio Gurovitz Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell, saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) A distopia de Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereo certo em seu tempo: o stalinismo. (...) O mundo da ps-verdade, dos fatos alternativos e da anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra distopia, publicada em 1932: Admirvel mundo novo, de Aldous Huxley. No se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela primeira vez em 1985, num livreto do terico da comunicao americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (Nos divertindo at morrer), relembrado por seu filho Andrew em artigo recente no The Guardian. Na viso de Huxley, no necessrio nenhum Grande Irmo para despojar a populao de autonomia, maturidade ou histria, escreveu Postman. Ela acabaria amando sua opresso, adorando as tecnologias que destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que proibiriam os livros. Huxley temia que no haveria motivo para proibir um livro, pois no haveria ningum que quisesse l-los. Orwell temia aqueles que nos privariam de informao. Huxley, aqueles que nos dariam tanta que seramos reduzidos passividade e ao egosmo. Orwell temia que a verdade fosse escondida de ns. Huxley, que fosse afogada num mar de irrelevncia. No futuro pintado por Huxley, (...) no h mes, pais ou casamentos. O sexo livre. A diverso est disponvel na forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. Restaram na Terra dez reas civilizadas e uns poucos territrios selvagens, onde grupos nativos ainda preservam costumes e tradies primitivos, como famlia ou religio. O mundo agora estvel, diz um lder civilizado. As pessoas so felizes, tm o que desejam e nunca desejam o que no podem ter. Sentem-se bem, esto em segurana; nunca adoecem; no tm medo da morte; vivem na ditosa ignorncia da paixo e da velhice; no se acham sobrecarregadas de pais e mes; no tm esposas, nem filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoes violentas; so condicionadas de tal modo que praticamente no podem deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa andar mal, h o soma. Para chegar estabilidade absoluta, foi necessrio abrir mo da arte e da cincia. A felicidade universal mantm as engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza so incapazes de faz-lo, diz o lder. Cada vez que as massas tomavam o poder pblico, era a felicidade, mais que a verdade e a beleza, o que importava. A verdade considerada uma ameaa; a cincia e a arte, perigos pblicos. Mas no necessrio esforo totalitrio para control-las. Todos aceitam de bom grado, fazem qualquer sacrifcio em troca de uma vida sossegada e de sua dose diria de soma. No foi muito bom para a verdade, sem dvida. Mas foi excelente para a felicidade. No universo de Orwell, a populao controlada pela dor. No de Huxley, pelo prazer. Orwell temia que nossa runa seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos, escreve Postman. S precisa haver censura, diz ele, se os tiranos acreditam que o pblico sabe a diferena entre discurso srio e entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a televiso, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e superficial, incapaz de manter com a verdade a relao reflexiva e racional da palavra impressa. O computador s engatinhava, e Postman mal poderia prever comocelulares, tablets e redes sociais se tornariam  bem mais que a TV  o soma contemporneo. Mas suas palavras foram prescientes: O que afligia a populao em Admirvel mundo novo no que estivessem rindo em vez de pensar, mas que no sabiam do que estavam rindo, nem tinham parado de pensar. (Adaptado, Revista poca n 973 13 de fevereiro de 2017, p.67) Tendo como base o que prescreve a norma culta padro da Lngua Portuguesa, assinale a alternativa cuja anlise est correta.

Questão
2018Português

(AFA 2018) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO: REDES SOCIAIS E COLABORAO EXTREMA: O FIM DO SENSO CRTICO? Eugnio Mira Conectados. Essa palavra nunca fez tanto sentido quanto agora. 1Quando se discutia no passado sobre como os homens agiriam com o advento da aldeia global (...) no se imaginava o quanto esse processo seria rpido e devastador. (...) quando McLuhan apresentou o termo, em 1968, 2ele sequer imaginaria que no seria a televiso a grande responsvel pela interligao mundial absoluta, e sim a internet, que na poca no passava de um projeto militar do governo dos Estados Unidos. 3A internet mudou definitivamente a maneira como nos comunicamos e percebemos o mundo. Graas a ela temos acesso a toda informao do mundo distncia de apenas um toque de boto. 4E quando comearam a se popularizar as redes sociais, 5um admirvel mundo novo abriu-se ante nossos olhos. Uma ferramenta colaborativa extrema, que possibilitaria o contato imediato com outras pessoas atravs de suas afinidades, fossem elas polticas, religiosas ou mesmo geogrficas. Projetos colaborativos, revolues instantneas... 6Tudo seria maior e melhor quando as pessoas se alinhassem na rbita de seus ideais. 7O tempo passou, e essa revoluo no se instaurou. Basta observar as figuras que surgem nos sites de humor e outros assemelhados. Conhecidos como memes (termo cunhado pelo pesquisador Richard Dawkins, que representaria para nossa memria o mesmo que os genes representam para o corpo, ou seja, uma parcela mnima de informao), 8essas figuras surgiram com a inteno de demonstrar, de maneira icnica, algum sentimento ou sensao. 9Ao fazer isso, a tendncia de ter uma reao diversa daquelas expressas pelas tirinhas cada vez menor. Tudo fica branco e preto. 10Ou se aceita a situao, ou revolta-se. Sem chance para o debate ou questionamento. (...) A situao ainda mais grave quando um dos poucos entes criativos restantes na internet produz algum comentrio curto, espirituoso ou reflexivo, a respeito de alguma situao atual ou recente... Em minutos pipocam cpias da frase por todo lugar. 11Copia-se sem o menor bom senso, sem crditos. Pensar e refletir, e depois falar, so coisas do passado. O importante agora 12copiar e colar, e depois partilhar. 13As redes sociais desfraldaram um mundo completamente novo, e o uso que o homem far dessas ferramentas o que dir o nosso futuro cultural. 14Se enveredarmos pela partilha de ideias, gestando-as em nossas mentes e depois as passando a outros, ser uma estufa mundial a produzir avanos incrveis em todos os campos de conhecimento. Se, no entanto, as redes sociais se transformarem em uma rede neural de apoio preguia de pensar, a humanidade estar fadada ao processo antinatural de regresso. O advento das redes sociais trouxe para perto das pessoas comuns os amigos distantes, os dolos e as ideias consumistas mais arraigados, mas aparentemente est levando para longe algo muito mais humano e essencial na vida em sociedade: o senso crtico. Ser uma troca justa? http://obviousmag.org/archives/2011/09/redes_sociais_e_colaboracao_extrema_O_fim_do_senso_critico-.htm. Adaptado. Acesso em: 21 fev 2017. Assinale a alternativa em que a substituio do vocbulo sublinhado pelo que est entre parnteses NO altera o sentido da frase.

1-15 de 67
NOVIDADES
Kuadro