Questões e gabarito - ENEM 2009

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
1-15 de 183
Questão 23
2009Biologia

(ENEM- 2009)Cerca de 1% do lixo urbano constitudo por resduos slidos contendo elementos txicos. Entre esses elementos esto metais pesados como o cdmio, o chumbo e o mercrio, componentes de pilhas e baterias, que so perigosos sade humana e ao meio ambiente. Quando descartadas em lixos comuns, pilhas e baterias vo para aterros sanitrios ou lixes a cu aberto, e o vazamento de seus componentes contamina o solo, os rios e o lenol fretico, atingindo a flora e a fauna. Por serem bioacumulativos e no biodegradveis, esses metais chegam de forma acumulada aos seres humanos, por meio da cadeia alimentar. A legislao vigente (Resoluo CONAMA no 257/1999) regulamenta o destino de pilhas e baterias aps seu esgotamento energtico e determina aos fabricantes e/ou importadores a quantidade mxima permitida desses metais em cada tipo de pilha/bateria, porm o problema ainda persiste. Uma medida que poderia contribuir para acabar definitivamente com o problema da poluio ambiental por metais pesados relatado no texto seria

Questão 25
2009Biologia

(ENEM-2009)Os planos de controle e erradicao de doenas em animais envolvem aes de profilaxia e dependem em grande medida da correta utilizao e interpretao de testes diagnsticos. O quadro mostra um exemplo hipottico de aplicao de um teste diagnstico.Considerando que, no teste diagnstico, a sensibilidade a probabilidade de um animal infectado ser classificado como positivo e a especificidade a probabilidade de um animal no infectado ter resultado negativo, a interpretao do quadro permite inferir que

Questão 34
2009Biologia

(ENEM-2009) O lixo orgnico de casa constitudo de restos de verduras, frutas, legumes, cascas de ovo, aparas de grama, entre outros , se for depositado nos lixes, pode contribuir para o aparecimento de animais e de odores indesejveis. Entretanto, sua reciclagem gera um excelente adubo orgnico, que pode ser usado no cultivo de hortalias, frutferas e plantas ornamentais. A produo do adubo ou composto orgnico se d por meio da compostagem, um processo simples que requer alguns cuidados especiais. O material que acumulado diariamente em recipientes prprios deve ser revirado com auxlio de ferramentas adequadas, semanalmente, de forma a homogeneiz-lo. preciso tambm umedec-lo periodicamente. O material de restos de capina pode ser intercalado entre uma camada e outra de lixo da cozinha. Por meio desse mtodo, o adubo orgnico estar pronto em aproximadamente dois a trs meses. Como usar o lixo orgnico em casa? Cincia Hoje, v. 42, jun. 2008 (adaptado). Suponha que uma pessoa, desejosa de fazer seu prprio adubo orgnico, tenha seguido o procedimento descrito no texto, exceto no que se refere ao umedecimento peridico do composto. Nessa situao,

Questão 91
2009Português

(Enem 2009) Analise as seguintes avaliaes de possveis resultados de um teste na Internet. Depreende-se, a partir desse conjunto de informaes, que o teste que deu origem a esses resultados, alm de estabelecer um perfil para o usurio de sites de relacionamento, apresenta preocupao com hbitos e prope mudanas de comportamento direcionadas

Questão 92
2009Português

(Enem2009) Gerente Boa tarde. Em que eu posso ajud-lo? Cliente Estou interessado em financiamento para compra de veculo. Gerente Ns dispomos de vrias modalidades de crdito. O senhor nosso cliente? Cliente Sou Jlio Csar Fontoura, tambm sou funcionrio do banco. Gerente Julinho, voc, cara? Aqui a Helena! C t em Braslia? Pensei que voc inda tivesse na agncia de Uberlndia! Passa aqui pra gente conversar com calma. BORTONI-RICARDO, S. M.Educao em lngua materna.So Paulo: Parbola, 2004 (adaptado). Na representao escrita da conversa telefnica entre a gerente do banco e o cliente, observa-se que a maneira de falar da gerente foi alterada de repente devido

Questão 93
2009Português

(Enem 2009) Os melhores crticos da cultura brasileira trataramna sempre no plural, isto , enfatizando a coexistncia no Brasil de diversas culturas. Arthur Ramos distingue as culturas no europeias (indgenas, negras) das europeias (portuguesa, italiana, alem etc.), e Darcy Ribeiro fala de diversos Brasis: crioulo, caboclo, sertanejo, caipira e de Brasis sulinos, a cada um deles correspondendo uma cultura especfica. MORAIS, F. O Brasil na viso do artista: o pas e sua cultura. So Paulo: Sudameris, 2003. Considerando a hiptese de Darcy Ribeiro de que h vrios Brasis, a opo em que a obra mostrada representa a arte brasileira de origem negro-africana :

Questão 94
2009Português

(Enem 2009) No programa do bal Parade, apresentado em 18 de maio de 1917, foi empregada publicamente, pela primeira vez, a palavra sur-realisme. Pablo Picasso desenhou o cenrio e a indumentria, cujo efeito foi to surpreendente que se sobreps coreografia. A msica de Erik Satie era uma mistura de jazz, msica popular e sons reais tais como tiros de pistola, combinados com as imagens do bal de Charlie Chaplin, caubis e viles, mgica chinesa e Ragtime. Os tempos no eram propcios para receber a nova mensagem cnica demasiado provocativa devido ao repicar da mquina de escrever, aos zumbidos de sirene e dnamo e aos rumores de aeroplano previstos por Cocteau para a partitura de Satie. J a ao coreogrfica confirmava a tendncia marcadamente teatral da gestualidade cnica, dada pela justaposio, colagem de aes isoladas seguindo um estmulo musical. SILVA, S. M. O surrealismo e a dana. GUINSBURG, J.; LEIRNER (org.). O surrealismo. So Paulo: Perspectiva, 2008 (adaptado). As manifestaes corporais na histria das artes da cena muitas vezes demonstram as condies cotidianas de um determinado grupo social, como se pode observar na descrio acima do bal Parade, o qual reflete

Questão 95
2009Português

(Enem 2009) A msica pode ser definida como a combinao de sons ao longo do tempo. Cada produto final oriundo da infinidade de combinaes possveis ser diferente, dependendo da escolha das notas, de suas duraes, dos instrumentos utilizados, do estilo de msica, da nacionalidade do compositor e do perodo em que as obras foram compostas. Figura 1 - http://images.quebarato.com.br/photos/big/2/D/15A12D_2.jpg. Figura 2 - http://ourinhos.prefeituramunicipal.net/dados/fotos/2009/07/07/normal. Figura 3 - http://www.edmontonculturalcapital.com/gallery/edjazzfestival/JazzQuartet.jpg. Figura 4 - http://www.filmica.com/jacintaescudos/archivos/Led-Zeppelin.jpg. Das figuras que apresentam grupos musicais em ao, pode-se concluir que o(os) grupo(s) mostrado(s) na(s)figura(s)

Questão 96
2009Português

(Enem 2009) Para o Mano Caetano O que fazer do ouro de tolo Quando um doce bardo brada a toda brida, Em velas pandas, suas esquisitas rimas? Geografia de verdades, Guanabaras postias Saudades banguelas, tropicais preguias? A boca cheia de dentes De um implacvel sorriso Morre a cada instante Que devora a voz do morto, e com isso, Ressuscita vampira, sem o menor aviso [...] E eu soy lobo-bolo? lobo-bolo Tipo pra rimar com ouro de tolo? Oh, Narciso Peixe Ornamental! Tease me, tease me outra vez 1 Ou em banto baiano Ou em portugus de Portugal De Natal [...] 1 Tease me (caoe de mim, importune-me). LOBO. Disponvel em: http://vagalume.uol.com.br.Acesso em: 14 ago. 2009 (adaptado). Na letra da cano apresentada, o compositor Lobo explora vrios recursos da lngua portuguesa, a fim de conseguir efeitos estticos ou de sentido. Nessa letra, o autor explora o extrato sonoro do idioma e o uso de termos coloquiais na seguinte passagem:

Questão 97
2009Português

(Enem 2009) O texto tem o objetivo de solucionar um problema social,

Questão 98
2009Português

(Enem 2009) Os principais recursos utilizados para envolvimento e adeso do leitor campanha institucional incluem

Questão 99
2009Português

(Enem 2009) Crcere das almas Ah! Toda a alma num crcere anda presa, Soluando nas trevas, entre as grades Do calabouo olhando imensidades, Mares, estrelas, tardes, natureza. Tudo se veste de uma igual grandeza Quando a alma entre grilhes as liberdades Sonha e, sonhando, as imortalidades Rasga no etreo o Espao da Pureza. almas presas, mudas e fechadas Nas prises colossais e abandonadas, Da Dor no calabouo, atroz, funreo! Nesses silncios solitrios, graves, que chaveiro do Cu possui as chaves para abrir-vos as portas do Mistrio?! CRUZ E SOUSA, J. Poesia completa. Florianpolis: Fundao Catarinense de Cultura / Fundao Banco do Brasil, 1993. Os elementos formais e temticos relacionados ao contexto cultural do Simbolismo encontrados no poema Crcere das almas, de Cruz e Sousa, so

Questão 102
2009Português

(Enem 2009) Tendo em vista a segunda fala do personagem entrevistado, constata-se que

Questão 103
2009Português

(Enem 2009) Sade, no modelo atual de qualidade de vida, o resultado das condies de alimentao, habitao, educao, renda, trabalho, transporte, lazer, servios mdicos e acesso atividade fsica regular. Quanto ao acesso atividade fsica, um dos elementos essenciais a aptido fsica, entendida como a capacidade de a pessoa utilizar seu corpo incluindo msculos, esqueleto, corao, enfim, todas as partes , de forma eficiente em suas atividades cotidianas; logo, quando se avalia a sade de uma pessoa, a aptido fsica deve ser levada em conta. A partir desse contexto, considera-se que uma pessoa tem boa aptido fsica quando

Questão 104
2009Português

(ENEM- 2009) Diferentemente do texto escrito, que em geral compele os leitores a lerem numa onda linear da esquerda para a direita e de cima para baixo, na pgina impressa hipertextos encorajam os leitores a moverem-se de um bloco de texto a outro, rapidamente e no sequencialmente. Considerando que o hipertexto oferece uma multiplicidade de caminhos a seguir, podendo ainda o leitor incorporar seus caminhos e suas decises como novos caminhos, inserindo informaes novas, o leitor-navegador passa a ter um papel mais ativo e uma oportunidade diferente da de um leitor de texto impresso. Dificilmente dois leitores de hipertextos faro os mesmos caminhos e tomaro as mesmas decises. MARCUSCHI, L. A. Cognio, linguagem e prticas interacionais. Rio: Lucerna, 2007. No que diz respeito relao entre o hipertexto e o conhecimento por ele produzido, o texto apresentado deixa claro que o hipertexto muda a noo tradicional de autoria, porque:

NOVIDADES
Kuadro