Questões de Filosofia - ENEM 2013

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
1-11 de 11
Questão 22
2013Filosofia

(ENEM - 2013) Para que no haja abuso, preciso organizar as coisas de maneira que o poder seja contido pelo poder. Tudo estaria perdido se o mesmo homem ou o mesmo corpo dos principais, ou dos nobres, ou do povo, exercesse esses trs poderes: o de fazer leis, o de executar as resolues pblicas e o de julgar os crimes ou as divergncias dos indivduos. Assim, criam-se os poderes Legislativo, Executivo e Judicirio, atuando de forma independente para a efetivao da liberdade, sendo que esta no existe se uma pessoa ou grupo exercer os referidos poderes concomitantemente. MONTESQUIEU, B. Do esprito das leis. So Paulo: Abril Cultural, 1979 (adaptado). A diviso e a independncia entre os poderes so condies necessrias para que possa haver liberdade em um Estado. Isso pode ocorrer apenas sob um modelo poltico em que haja

Questão
2013Filosofia

(Enem 2013) TEXTO I       Ela acorda tarde depois de ter ido ao teatro e à dança; ela lê romances, além de desperdiçar o tempo a olhar para a rua da sua janela ou da sua varanda; passa horas no toucador a arrumar o seu complicado penteado; um número igual de horas praticando piano e mais outra na sua aula de francês ou de dança. Comentário do Padre Lopes da Gama acerca dos costumes femininos [1839] apud SILVA, T. V. Z.Mulheres, cultura e literatura brasileira. Ipotesi — Revista dos Estudos Literários, Juiz de Fora, v. 2. n. 2, 1998. TEXTO II       As janelas e portas gradeadas com treliças não eram cadeias confessas, positivas; mas eram, pelo aspecto e pelo seu destino, grande gaiolas, onde os pais e maridos zelavam, sonegadas à sociedade, as filhas e as esposas. MACEDO, J.M. “Memória da Rua do Ouvidor [1878]”. Disponível em: www.dominiopublico.gov.br. Acesso em: 20 maio 2013 (adaptado). A representação social do feminino comum aos dois textos é o(a)

Questão
2013Filosofia

(Enem 2013) TEXTO I Há já de algum tempo eu me apercebi de que, desde meus primeiros anos, recebera muitas falsas opiniões como verdadeiras, e de que aquilo que depois eu fundei em princípios tão mal assegurados não podia ser senão mui duvidoso e incerto. Era necessário tentar seriamente, uma vez em minha vida, desfazer-me de todas as opiniões a que até então dera crédito, e começar tudo novamente a fim de estabelecer um saber firme e inabalável. DESCARTES, R. Meditações concernentes à Primeira Filosofia. São Paulo: Abril Cultural, 1973 (adaptado). TEXTO II É de caráter radical do que se procura que exige a radicalização do próprio processo de busca. Se todo o espaço for ocupado pela dúvida, qualquer certeza que aparecer a partir daí terá sido de alguma forma gerada pela própria dúvida, e não será seguramente nenhuma daquelas que foram anteriormente varridas por essa mesma dúvida. SILVA, F. L. Descartes: a metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna, 2001 (adaptado). A exposição e a análise do projeto cartesiano indicam que, para viabilizar a reconstrução radical do conhecimento, deve-se

Questão
2013HistóriaFilosofia

(ENEM - 2013) Tenho 44 anos e presenciei uma transformao impressionante na condio de homens e mulheres gays nos Estados Unidos. Quando nasci, relaes homossexuais eram ilegais em todos os Estados Unidos, menos Illinois. Gays e lsbicas no podiam trabalhar no governo federal. No havia nenhum poltico abertamente gay. Alguns homossexuais no assumidos ocupavam posies de poder, mas a tendncia era eles tornarem as coisas ainda piores para seus semelhantes. ROSS, A. Na mquina do tempo. poca, ed. 766, 28 jan. 2013. A dimenso poltica da transformao sugerida no texto teve como condio necessria a

Questão
2013HistóriaFilosofia

(ENEM - 2013) Nasce daqui uma questo: se vale mais ser amado que temido ou temido que amado. Responde-se que ambas as coisas seriam de desejar; mas porque difcil junt-las, muito mais seguro ser temido que amado, quando haja de faltar uma das duas. Porque dos homens se pode dizer, duma maneira geral, que so ingratos, volveis, simuladores, covardes e vidos de lucro, e enquanto lhes fazes bem so inteiramente teus, oferecem-te o sangue, os bens, a vida e os filhos, quando, como acima disse, o perigo est longe; mas quando ele chega, revoltam-se. MAQUIAVEL, N. O prncipe. Rio de Janeiro: Bertrand, 1991. A partir da anlise histrica do comportamento humano em suas relaes sociais e polticas, Maquiavel define o homem como um ser

Questão
2013Filosofia

(ENEM -2013) A felicidade portanto, a melhor, a mais nobre e a mais aprazvel coisa do mundo, e esses atributos no devem estar separados como na inscrio existente em Delfos das coisas, a mais nobre a mais justa, e a melhor a sade; porm a mais doce ter o que amamos. Todos estes atributos esto presentes nas mais excelentes atividades, e entre essas a melhor, ns a identificamos como felicidade. ARISTTELES. A Poltica. So Paulo: Cia. das Letras, 2010. Ao reconhecer na felicidade a reunio dos mais excelentes atributos, Aristteles a identifica como

Questão
2013Filosofia

(Enem 2013) A charge revela uma crítica aos meios de comunicação, em especial à internet, porque

Questão
2013Filosofia

(ENEM - 2013)Os produtos e seu consumo constituem a metadeclarada do empreendimento tecnolgico. Essa metafoi proposta pela primeira vez no incio da Modernidade,como expectativa de que o homem poderia dominar anatureza. No entanto, essa expectativa, convertida emprograma anunciado por pensadores como Descartes eBacon e impulsionado pelo Iluminismo, no surgiu deum prazer de poder, de um mero imperialismo humano,mas da aspirao de libertar o homem e de enriquecersua vida, fsica e culturalmente. Autores da filosofia moderna, notadamente Descartes eBacon, e o projeto iluminista concebem a cincia comouma forma de saber que almeja libertar o homem dasintempries da natureza. Nesse contexto, a investigaocientfica consiste em

Questão
2013Filosofia

(Enem 2013) Até hoje admitia-se que nosso conhecimento se devia regular pelos objetos; porém todas as tentativas para descobrir, mediante conceitos, algo que ampliasse nosso conhecimento, malogravam-se com esse pressuposto. Tentemos, pois, uma vez, experimentar se não se resolverão melhor as tarefas da metafísica, admitindo que os objetos se deveriam regular pelo nosso conhecimento.KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1994 (adaptado). O trecho em questão é uma referência ao que ficou conhecido como revolução copernicana na filosofia. Nele, confrontam-se duas posições filosóficas que

Questão
2013HistóriaFilosofia

(Enem 2013)       Na produção social que os homens realizam, eles entram em determinadas relações indispensáveis e independentes de sua vontade; tais relações de produção correspondem a um estágio definido de desenvolvimento das suas forças materiais de produção. A totalidade dessas relações constitui a estrutura econômica da sociedade — fundamento real, sobre o qual se erguem as superestruturas política e jurídica, e ao qual correspondem determinadas formas de consciência social. MARX, K. “Prefácio à Crítica da economia política.” In: MARX, K.; ENGELS, F. Textos 3. São Paulo: Edições Sociais, 1977 (adaptado). Para o autor, a relação entre economia e política estabelecida no sistema capitalista faz com que

Questão
2013Filosofia

(Enem 2013) A África também já serviu como ponto de partida para comédias bem vulgares, mas de muito sucesso, como Um príncipe em Nova York e Ace Ventura: um maluco na África; em ambas, a África parece um lugar cheio de tribos doidas e rituais de desenho animado. A animação O rei Leão, da Disney, o mais bem-sucedido filme americano ambientado na África, não chegava a contar com elenco de seres humanos. LEIBOWITZ, E. “Filmes de Hollywood sobre África ficam no clichê”. Disponível em: http://noticias.uol.com.br. Acesso em: 17 abr. 2010. A produção cinematográfica referida no texto contribui para a constituição de uma memória sobre a África e seus habitantes. Essa memória enfatiza e negligencia, respectivamente, os seguintes aspectos do continente africano:

1-11 de 11
NOVIDADES
Kuadro