Já é nosso aluno? Acesse a plataforma!

Questões de português - IME 2008

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ De acordo com o TEXTO 1, “dekassegui” significa:  A

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Observe o TEXTO 1 e o que se considera sobre ele.  I. Possui caráter informativo, mantendo a objetividade. II. O emprego dos tempos verbais contribui para valorizar o aspecto descritivo do texto. III. Apresenta freqüentes expressões que indicam mudança temporal. IV. Aponta o fluxo imigratório entre Brasil e Japão em ambos os sentidos. V. Faz referência a dificuldades enfrentadas pelos japoneses em sua terra natal.  As alternativas corretas são apenas: 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ “Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”."  A palavra que sublinhada no período acima tem a mesma função em:   

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ “A imigração na cafeicultura começa com péssimos resultados”. (Texto 1, linha 6)  Imigração- Estabelecimento de indivíduos em país estranho  Emigração- Saída voluntária da pátria, para se estabelecer em outro país.  São parônimos os vocábulos de pronuncia e grafia semelhantes, mas que possuem significados diferentes.  O item em que o vocábulo parônimo destacado está de acordo com o significado apresentado entre parênteses é:  

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Que informação NÃO está clara nos textos apresentados? 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ O item que está de acordo com a norma culta é:   

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Foram retiradas todas as vírgulas do trecho apresentado abaixo. Leia-o com a finalidade de pontuá-lo corretamente.  A chegada dos japoneses ( 1 ) é um bom mote para falar dos outros imigrantes ( 2 ) que deram cara nova ao país. Primeiro foram os portugueses ( 3 ) que chegaram a partir do século 16. Por volta de 1850 ( 4 ) alemães fundaram comunidades no Rio de Janeiro ( 5 ) no Rio Grande do Sul ( 6 ) em Santa Catarina ( 7 ) e no Espírito Santo. Os italianos ( 8 ) aportaram aqui em 1870 ( 9 ) ocupando o Sul e o Sudeste. Em 1888 (10) com a abolição da escravatura (11) e a maior oferta de empregos na lavoura cafeeira (12) a imigração deu um salto: o Brasil recebeu (13) nada menos (14) que 1 milhão de estrangeiros (15) antes da virada do século.  Os números que devem ser substituídos por vírgulas são: 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Observe as frases abaixo.  I. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. (Texto II, linhas 7 e 8) II. “ponha-se na rua” (Texto II, linha 17) III. O imigrante realmente foi-se embora do Brasil.  Indique o item que expressa as funções da partícula se nas frases I, II e III, respectivamente. 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _______________________________________________________________________________________________________________________________________ Observe os trechos abaixo.  I. Apesar disso, a imigração continua com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. (Texto 1, linhas 8 - 9) II. Parte da família deixava o país como “dekassegui”, enquanto a outra permanecia para prosseguir os estudos ou os negócios da família. (Texto 1, linhas 24 - 25) III. Nesta cidade, que já era plural,... (Texto 2, linha 10 ) IV. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia na Igreja,... (Texto 2, linhas 31 - 32 )  Indique o item que esclarece a intenção de cada trecho destacado nas frases I, II, III e IV, respectivamente. 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________  Observe as orações abaixo.  I. Nos jogos olímpicos, os competidores brasileiros derrotaram a seleção russa e a japonesa. II. Este fato já aconteceu bastantes vezes na história dos jogos olímpicos. III. Mesmo com tantos desacertos, ainda haverão possibilidades para a vitória. IV. Os atletas são tais qual o técnico. V. Mais de um atleta têm conseguido superar os recordes mundiais.  Dentre as orações observadas, as que podem ser consideradas CORRETAS segundo à sua concordância são apenas:   

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Observe o fragmento retirado do TEXTO 2.  “As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.”  Que expressão pode substituir o vocábulo sublinhado sem alterar o significado? 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Marque a assertiva INCORRETA. 

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Sobre o texto “Rio: uma cidade plural já em 1808”, podemos afirmar que é uma:  

Questão
2008Português

(IME 2008) Leia o fragmento do texto intitulado “Que país é este”, publicado na Revista Veja “Edição Especial – 1808”, de março de 2008.    Que lugar é este aonde acabamos de chegar, devem ter pensado os milhares de portugueses que desembarcaram no Rio de Janeiro na tarde ensolarada de 8 de março de 1808, desde já uma data histórica. Para começar, é um país, mesmo que em formação e ainda chamado de colônia – esclarecimento importante, visto que, com a chegada da família real, deram de falar que vivemos aqui numa massa amorfa e desconjuntada, como se não tivéssemos nos dado conta até agora de quem somos. Nem Nova Lusitânia nem América Portuguesa, como ainda querem alguns, o nome desta nação em formação é Brasil, e ponto final. Habitado por 3 milhões de pessoas – atenção, brasileiros, não brasilianos, como preferem alguns –, é um lugar de proporções tão vastas que custa à mente européia, e às locais também, imaginar até onde chegam suas fronteiras e à lógica aceitar que continuará na posição subalterna de hoje. A transferência do governo português para cá acelera, inevitavelmente, a dinâmica em direção a um futuro independente. As primeiras medidas tomadas por dom João, o príncipe regente e futuro rei – ou simplesmente João, para manter os padrões de informalidade daqui –, foram positivas. A abertura ao comércio, decretada durante a escala da família real na Bahia, é apenas o primeiro e incipiente passo para que o Brasil encontre seu lugar na ordem econômica internacional. Outras deficiências escandalosas deverão ser supridas em breve – é inacreditável, por exemplo, que aqui não exista ensino superior nem se possam publicar livros. Espera-se que a criação de um aparato de estado à altura da nova posição do Brasil como reino alternativo redunde em eficiência e progresso, não em excesso de cargos públicos e outras mordomias, tão caras dos dois lados do Atlântico. Sem que haja prejuízo quanto ao significado do texto, podemos trocar as palavras destacadas, respectivamente, por:       

Questão
2008Português

(IME 2008)  Texto I  Imigração Japonesa no Brasil            A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes           europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de           Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão.           Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5       transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo.           Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a           chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho.           A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua           com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10    Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de          imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses.          Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia           Seinen. O primeiro grupo chega em 1955.          O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de “milagre 15     econômico brasileiro” dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis           acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros.           As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas           oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para           o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20     universidades do país.          Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas          foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou          repetitivos. Disso, resultou o movimento “dekassegui” por volta de 1985, que foi          aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25    família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como “dekassegui”, enquanto          a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso          ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova         realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam         contato. 30   Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os        “dekasseguis”, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o         público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de         brasileiros.   Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008.  _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Texto II    Rio: uma cidade plural já em 1808  As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o  dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia.  SANDRA MOREYRA  Jornal O Globo- 28/11/2007  (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5             inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10           quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15           comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais “PR”, de Príncipe Regente, que viraram “prédio roubado” ou “ponha-se na rua”. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas.   Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20           haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador.   Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25           “Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor”, como chamava o regente.   É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro.   30           O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé – provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35          esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e               cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ De acordo com a norma culta da nossa língua, que período pode ser considerado correto?