Questões e gabarito - IME 2008

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
31-45 de 83
Questão
2008Inglês

(IME 2008 - Adaptada) Leia a passagem a seguir e resolva o espaçamento 2. If you happened to ___(1)____down London’s Regent Street this ___(2)____ Christmas, you may have noticed, just above the festooned storefronts and package-laden shoppers, a series of clusters of glowing translucent globes. If you’d taken a ____(3)____ look, you would have realized that the globes were pulsating with color, the light emitting diodes (LEDs) within varying their hue and intensity according to the number of ___(4)_____, the wind speed, and the amount of sunlight. And if you’d looked really close, you would have discovered the quad-core Xeon computers running customized software that took inputs from people-monitoring video cameras and environmental sensors to precisely ____(5)____ the display.  Escolha a alternativa que completa corretamente a lacuna correspondente, tornando o texto coeso e coerente.

Questão
2008Física

(IME 2008) Um feixe de elétrons passa por um equipamento composto por duas placas paralelas, com uma abertura na direção do feixe, e penetra em uma região onde existe um campo magnético constante. Entre as placas existe uma d.d.p. igual a V e o campo magnético é perpendicular ao plano da figura. Considere as seguintes afirmativas: I. O vetor quantidade de movimento varia em toda a trajetória. II. Tanto o trabalho da força elétrica quanto o da força magnética fazem a energia cinética variar. III. A energia potencial diminui quando os elétrons passam na região entre as placas. IV. O vetor força elétrica na região entre as placas e o vetor força magnética na região onde existe o campo magnético são constantes. As afirmativas corretas são apenas:

Questão
2008Inglês

(IME 2008 - Adaptada) Leia o texto e resolva as questões que o seguem.  E-NOSES Adapted from IEEE Spectrum, 03.08  Several hundred years ago, village doctors in rural China diagnosed diabetes by the characteristically sweet smell of a patient's breath. Today hospitals use a battery of blood tests and laboratory analyses to make that same diagnosis, but doctors may soon be sniffing their patients' breath again. This time the doctors will have electronic noses small and cheap enough to carry in their pockets.  This e-nose will be the culmination of decades of work at countless laboratories, where researchers have sought to create a tiny, cheap, automatic sniffer that would let wine bottles monitor the aging of their contents, allow meat packages to flag spoilage, and enable mailboxes to check for bombs. Imagine barroom coasters that double as Breathalyzers, bumper stickers that monitor car emissions. Until now, it's been just so much sci-fi.  E-nose technology has quietly advanced during the past two decades. Commercial models equipped with sensor arrays came to market in the mid-1990s, and today they're used to distinguish wines, analyze food flavors, and sort lumber. Benchtop systems are also used in the pharmaceutical, food,   cosmetics, and packaging industries, while smaller, portable units are used to monitor air quality.  But these noses cost in the range of US $5000 to 100,000. A coming convergence between e-nose technology and advances in printed electronics will finally bring the price down – way down. Within a decade we'll see e-noses that cost tens of dollars and appear in smart packaging for high-end items like pharmaceuticals or as part of intelligent or interactive appliances—picture a refrigerator that knows when milk has gone bad. Prices could easily drop to under a dollar by 2020. The secret? Conducting polymers. Developers of both electronic noses and printed electronics are exploiting these materials, which can be sensitive to the chemicals that make up odors and are also capable of producing electrical signals. E-nose developers are concentrating on honing the sensing properties of conducting polymers, while the printed-electronics people are investigating ways of using these materials to fabricate ultralow-cost electronics. Combining the fruits of these two separate efforts will finally bring e-noses into our supermarkets, homes, and daily life.  Qual é o significado do seguinte fragmento retirado do texto ‘E-nose”: “Imagine barroom coasters that double as Breathalyzers…”? 

Questão
2008Física

(IME 2008) Um corpo está a 40 cm de distância de uma lente cuja distância focal é –10 cm. A imagem deste corpo é 

Questão
2008Matemática

(IME 2008) Os raios dos círculos circunscritos aos triângulos ABD e ACD de um losango ABCD são, respectivamente,  e 25. A área do losango ABCD é 

Questão
2008Inglês

(IME 2008 - Adaptada) Leia o texto e resolva as questões que o seguem.  E-NOSES Adapted from IEEE Spectrum, 03.08  Several hundred years ago, village doctors in rural China diagnosed diabetes by the characteristically sweet smell of a patient's breath. Today hospitals use a battery of blood tests and laboratory analyses to make that same diagnosis, but doctors may soon be sniffing their patients' breath again. This time the doctors will have electronic noses small and cheap enough to carry in their pockets.  This e-nose will be the culmination of decades of work at countless laboratories, where researchers have sought to create a tiny, cheap, automatic sniffer that would let wine bottles monitor the aging of their contents, allow meat packages to flag spoilage, and enable mailboxes to check for bombs. Imagine barroom coasters that double as Breathalyzers, bumper stickers that monitor car emissions. Until now, it's been just so much sci-fi.  E-nose technology has quietly advanced during the past two decades. Commercial models equipped with sensor arrays came to market in the mid-1990s, and today they're used to distinguish wines, analyze food flavors, and sort lumber. Benchtop systems are also used in the pharmaceutical, food,   cosmetics, and packaging industries, while smaller, portable units are used to monitor air quality.  But these noses cost in the range of US $5000 to 100,000. A coming convergence between e-nose technology and advances in printed electronics will finally bring the price down – way down. Within a decade we'll see e-noses that cost tens of dollars and appear in smart packaging for high-end items like pharmaceuticals or as part of intelligent or interactive appliances—picture a refrigerator that knows when milk has gone bad. Prices could easily drop to under a dollar by 2020. The secret? Conducting polymers. Developers of both electronic noses and printed electronics are exploiting these materials, which can be sensitive to the chemicals that make up odors and are also capable of producing electrical signals. E-nose developers are concentrating on honing the sensing properties of conducting polymers, while the printed-electronics people are investigating ways of using these materials to fabricate ultralow-cost electronics. Combining the fruits of these two separate efforts will finally bring e-noses into our supermarkets, homes, and daily life.  Escolha a palavra ou expressão que apresenta um significado DIFERENTE do significado da palavra sublinhada em: “This e-nose will be the culmination of decades of work at countless laboratories…”

Questão
2008Matemática

(IME 2008) Seja o sistema de equações lineares dadas por :    O valor de   é:

Questão
2008Inglês

(IME 2008 - Adaptada) Leia o texto e resolva as questões que o seguem.  E-NOSES Adapted from IEEE Spectrum, 03.08  Several hundred years ago, village doctors in rural China diagnosed diabetes by the characteristically sweet smell of a patient's breath. Today hospitals use a battery of blood tests and laboratory analyses to make that same diagnosis, but doctors may soon be sniffing their patients' breath again. This time the doctors will have electronic noses small and cheap enough to carry in their pockets.  This e-nose will be the culmination of decades of work at countless laboratories, where researchers have sought to create a tiny, cheap, automatic sniffer that would let wine bottles monitor the aging of their contents, allow meat packages to flag spoilage, and enable mailboxes to check for bombs. Imagine barroom coasters that double as Breathalyzers, bumper stickers that monitor car emissions. Until now, it's been just so much sci-fi.  E-nose technology has quietly advanced during the past two decades. Commercial models equipped with sensor arrays came to market in the mid-1990s, and today they're used to distinguish wines, analyze food flavors, and sort lumber. Benchtop systems are also used in the pharmaceutical, food,   cosmetics, and packaging industries, while smaller, portable units are used to monitor air quality.  But these noses cost in the range of US $5000 to 100,000. A coming convergence between e-nose technology and advances in printed electronics will finally bring the price down – way down. Within a decade we'll see e-noses that cost tens of dollars and appear in smart packaging for high-end items like pharmaceuticals or as part of intelligent or interactive appliances—picture a refrigerator that knows when milk has gone bad. Prices could easily drop to under a dollar by 2020. The secret? Conducting polymers. Developers of both electronic noses and printed electronics are exploiting these materials, which can be sensitive to the chemicals that make up odors and are also capable of producing electrical signals. E-nose developers are concentrating on honing the sensing properties of conducting polymers, while the printed-electronics people are investigating ways of using these materials to fabricate ultralow-cost electronics. Combining the fruits of these two separate efforts will finally bring e-noses into our supermarkets, homes, and daily life.  A) The innovative material   B) Personified inanimate objects C) Past-inspired sci-fi D) Already in the market E) Allying technologies promise the product accessible in ten years  Atribua o título apropriado para o primeiro parágrafo 

Questão
2008Inglês

(IME 2008 - Adaptada) Leia a passagem seguinte e marque a alternativa correta de acordo com a pergunta que segue o texto. Fisheries may be an ancient economic activity, but nowadays they are at the forefront of globalization. For instance, when it comes to the trade itself: a blue hake caught off the coast of New Zealand by a Japanese vessel may be processed in China before being flown to a market in London or Paris.  Saying that ‘fisheries are at the forefront of globalization’ means that… 

Questão
2008Química

(IME 2008) O osso humano é constituído por uma fase mineral e uma fase orgânica, sendo a primeira correspondente a cerca de 70% da massa óssea do ser humano. Dentre os minerais conhecidos, a hidroxiapatita, , é o mineral de estrutura cristalina e estequiometria mais próxima à dos nanocristais constituintes da fase mineral dos tecidos ósseos. Considere que os átomos de cálcio estão na fase mineral dos tecidos ósseos e que o esqueleto de um indivíduo corresponde a um terço do seu peso. O número de átomos de cálcio em uma pessoa de 60 kg é  (Dados: massas atômicas Ca = 40 u.m.a.; P = 31 u.m.a.; O = 16 u.m.a.; H = 1 u.m.a.; Número de Avogadro = ) 

Questão
2008Física

(IME 2008)  Uma viga de 8,0 m de comprimento, apoiada nas extremidades, tem peso de 40 kN. Sobre ela, desloca-se um carro de 20 kN de peso, cujos 2 eixos de roda distam entre si 2,0 m. No instante em que a reação vertical em um apoio é 27,5 kN, um dos eixos do carro dista, em metros, do outro apoio

Questão
2008Português

(IME 2008) Texto I Imigração Japonesa no Brasil A abolição da escravatura no Brasil em 1888 dá novo impulso à vinda de imigrantes europeus, cujo início se deu com os alemães em 1824. Em 1895 é assinado o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão. Com 781 japoneses a bordo, o navio Kasato-maru aporta em Santos. De lá eles são 5 transportados para a hospedaria dos imigrantes, em São Paulo. Na cafeicultura, a imigração começa com péssimos resultados. Um ano após a chegada ao Brasil, dos 781 imigrantes, apenas 191 permaneceram nos locais de trabalho. A maioria estava em São Paulo, Santos e Argentina. Apesar disso, a imigração continua com a chegada da segunda leva de imigrantes em 1910. 10 Em 1952 é assinado o Tratado de Paz entre o Brasil e o Japão. Nova leva de imigrantes chega ao Brasil para trabalhar nas fazendas administradas pelos japoneses. Grupo de jovens que imigra através da Cooperativa de Cotia recebe o nome de Cotia Seinen. O primeiro grupo chega em 1955. O crescimento industrial no Japão e o período que foi chamado de milagre 15 econômico brasileiro dão origem a grandes investimentos japoneses no Brasil. Os nisseis acabam sendo uma ponte entre os novos japoneses e os brasileiros. As famílias agrícolas estabelecidas no Brasil passaram a procurar novas oportunidades e buscavam novos espaços para seus filhos. O grande esforço familiar para o estudo de seus filhos faz com que grande número de nisseis ocupe vagas nas melhores 20 universidades do país. Mais tarde, com o rápido crescimento econômico no Japão, as indústrias japonesas foram obrigadas a contratar mão-de-obra estrangeira para os trabalhos mais pesados ou repetitivos. Disso, resultou o movimento dekassegui por volta de 1985, que foi aumentando, no Brasil, à medida que os planos econômicos fracassavam. Parte da 25 família, cujos ascendentes eram japoneses, deixava o Brasil como dekassegui, enquanto a outra permanecia para prosseguir os estudos ou administrar os negócios. Isso ocasionou problemas sociais, tanto por parte daqueles que não se adaptaram à nova realidade, como daqueles que foram abandonados pelos seus entes e até perderam contato. 30 Com o passar dos anos, surgiram muitas empresas especializadas em agenciar os dekasseguis, como também firmas comerciais no Japão que visaram especificamente o público brasileiro. Em algumas cidades japonesas formaram-se verdadeiras colônias de brasileiros. Disponível em: www.culturajaponesa.com.br ( texto adaptado). Acesso em: 29 ago 2008. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Texto II Rio: uma cidade plural já em 1808 As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. SANDRA MOREYRA Jornal O Globo- 28/11/2007 (adaptado) Uma cidade que era um grande porto, com gente de todas as colônias e feitorias portuguesas da África e da Ásia. O Rio era uma cidade quase oriental em 1808. As mulheres se sentavam no chão, com as pernas cruzadas. À mesa, os homens usavam a mesma faca que traziam presa à cintura, para se defender de um 5 inimigo, para descascar frutas ou partir a carne. Nas ruas o dinheiro corria no maior entreposto de escravos da colônia. Corriam também dejetos nas ruas e valas. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. Não só pelo tipo físico bem diferente, como pelas roupas, era possível saber quem vinha do Congo, de Angola ou do Mali; quem era muçulmano, 10 quem vinha da nobreza africana. Nesta cidade, que já era plural, mas que não tinha infra-estrutura, onde havia assaltos e comércio ilegal nas ruas, chegou um aviso em janeiro de 1808. A corte estava em pleno mar, escapara de Napoleão e estava a caminho do Brasil. O vice-rei começou a fazer os preparativos e saiu desalojando os maiores 15 comerciantes locais de suas casas, para cedê-las aos novos moradores. Eram pintadas nas portas das casas requisitadas para a Corte as iniciais PR, de Príncipe Regente, que viraram prédio roubado ou ponha-se na rua. Era o jeito que herdamos do sangue lusitano de rir de nossas próprias mazelas. Quando as naus com a família real chegaram por aqui, em março de 1808, já 20 haviam passado pela Bahia e permanecido por um mês em Salvador. Aqui a festa foi imensa e o relato mais divertido e detalhado é o do Padre Luis Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. O padre que vivia no Brasil era um admirador incondicional da monarquia, dos ritos da corte, da etiqueta. Quando descobre que a Corte está chegando, fica assanhadíssimo porque vai ver de perto 25 Sua Alteza Real D. João Nosso Senhor, como chamava o regente. É ele quem conta que a chegada dos Bragança por aqui foi acompanhada de luzes, fogos de artifício, badalar de sinos, aplausos e cânticos. Perereca diz que parecia que o sol não havia se posto, tamanha a quantidade de tochas e velas que iluminavam as casas, o largo do Paço e as ruas do centro. 30 O Rio tinha 46 ruas naquela época. D João se dirigiu à Sé provisoriamente instalada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, porque a Igreja do Carmo, a Sé oficial, estava em obras. Houve uma determinação de que os homens pretos e também os mestiços não deveriam comparecer à cerimônia, na Igreja deles, porque o Príncipe poderia ficar assustado com a quantidade de negros na cidade. Eles se 35 esconderam numa esquina e quando o cortejo chegou à Igreja, entraram batucando e cantando e todos se misturaram. Assim era o Rio. Assim era o Brasil. _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Observe as frases abaixo. I. Negros escravos ou libertos eram dois terços da população e se vestiam ainda de acordo com sua nação de origem. (Texto II, linhas 7 e 8) II. ponha-se na rua (Texto II, linha 17) III. O imigrante realmente foi-se embora do Brasil. Indique o item que expressa as funções da partícula se nas frases I, II e III, respectivamente.

Questão
2008Matemática

(IME 2008)O par ordenado (x,y), com x e y inteiros positivos, satisfaz a equação .O valor de x + y é

Questão
2008Português

(IME 2008)Leia o fragmento do texto intitulado Que país é este, publicado na Revista Veja Edição Especial 1808, de março de 2008. Que lugar é este aonde acabamos de chegar, devem ter pensado os milhares de portugueses que desembarcaram no Rio de Janeiro na tarde ensolarada de 8 de março de 1808, desde já uma data histórica. Para começar, é um país, mesmo que em formação e ainda chamado de colônia esclarecimento importante, visto que, com a chegada da família real, deram de falar que vivemos aqui numa massa amorfa e desconjuntada, como se não tivéssemos nos dado conta até agora de quem somos. Nem Nova Lusitânia nem América Portuguesa, como ainda querem alguns, o nome desta nação em formação é Brasil, e ponto final. Habitado por 3 milhões de pessoas atenção, brasileiros, não brasilianos, como preferem alguns , é um lugar de proporções tão vastas que custa à mente européia, e às locais também, imaginar até onde chegam suas fronteiras e à lógica aceitar que continuará na posição subalterna de hoje. A transferência do governo português para cá acelera, inevitavelmente, a dinâmica em direção a um futuro independente. As primeiras medidas tomadas por dom João, o príncipe regente e futuro rei ou simplesmente João, para manter os padrões de informalidade daqui , foram positivas. A abertura ao comércio, decretada durante a escala da família real na Bahia, é apenas o primeiro e incipiente passo para que o Brasil encontre seu lugar na ordem econômica internacional. Outras deficiências escandalosas deverão ser supridas em breve é inacreditável, por exemplo, que aqui não exista ensino superior nem se possam publicar livros. Espera-se que a criação de um aparato de estado à altura da nova posição do Brasil como reino alternativo redunde em eficiência e progresso, não em excesso de cargos públicos e outras mordomias, tão caras dos dois lados do Atlântico. Sem que haja prejuízo quanto ao significado do texto, podemos trocar as palavras destacadas, respectivamente, por:

Questão
2008Física

(IME 2008) Um planeta de massa m e raio r gravita ao redor de uma estrela de massa M em uma órbita circular de raio R e período T. Um pêndulo simples de comprimento L apresenta, sobre a superfície do planeta, um período de oscilação t. Dado que a constante de gravitação universal é G e que a aceleração da gravidade, na superfície do planeta, é g, as massas da estrela e do planeta são, respectivamente:  

31-45 de 83
NOVIDADES
Kuadro