Kuadro
Entrar
VestibularEdição do vestibular

(ENEM 2012) Nossa cultura lipofóbica muito contribui para a distorção da imagem corporal, gerando gordos que se veem magros e magros que se veem gordos, numa quase unanimidade de que todos se sentem ou se veem “distorcidos”.

Engordamos quando somos gulosos. É pecado da gula que controla a relação do homem com a balança. Todo obeso declarou, um dia, guerra à balança. Para emagrecer é preciso fazer as pazes com a dita cuja, visando adequar-se às necessidades para as quais ela aponta.

FREIRE, D. S. Obesidade não pode ser pré-requisito. Disponível em: http//gnt.globo.com. Acesso em: 3 abr. 2012 (adaptado).

O texto apresenta um discurso de disciplinarização dos corpos, que tem como consequência

A

a ampliação dos tratamentos médicos alternativos, reduzindo os gastos com remédios.

B

 

a democratização do padrão de beleza, tornando-o acessível pelo esforço individual.

C

o controle do consumo, impulsionando uma crise econômica na indústria de alimentos.

D

a culpabilização individual, associando obesidade à fraqueza de caráter.

E

o aumento da longevidade, resultando no crescimento populacional.