Kuadro
Entrar
VestibularEdição do vestibular
filosofia medievalSanto Agostinho

(ENEM - 2019)

De fato, não é porque o homem pode usar a vontade livre para pecar que se deve supor que Deus a concedeu para isso. Há, portanto, uma razão pela qual Deus deu ao homem esta característica, pois sem ela não poderia viver e agir corretamente. Pode-se compreender, então, que ela foi concedida ao homem para esse fim, considerando-se que se um homem a usa para pecar, recairão sobre ele as punições divinas. Ora, isso seria injusto se a vontade livre tivesse sido dada ao homem não apenas para agir corretamente, mas também para pecar. Na verdade, porque deveria ser punido aquele que usasse sua vontade para o fim para o qual ela lhe foi dada?

AGOSTINHO. O livre-arbítrio. ln: MARCONDES, D. Textos básicos de ética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

 

Nesse texto, o filósofo cristão Agostinho de Hipona sustenta que a punição divina tem como fundamento o(a)

A

desvio da postura celibatária.

B

insuficiência da autonomia moral.

C

afastamento das ações de desapego.

D

distanciamento das práticas de sacrifício.

E

violação dos preceitos do Velho Testamento.