Kuadro
Entrar

ENEM

ITA

IME

FUVEST

UNICAMP

UNESP

UNIFESP

UFPR

UFRGS

UNB

VestibularEdição do vestibular

(IFPE 2019) 

FRIDA KAHLO: A MÃE DA SELFIE  

A pesquisadora Cátia Inês Schuh, que elaborou a tese: "A prospecção pós-moderna da comunicação visual no imaginário de Frida Kahlo, sobre a apropriação da imagem da pintora mexicana pela indústria cultural e do consumo", disse, em entrevista, que Frida é a mãe da selfie, já que grande parte de seu trabalho é composta por autorretratos. Frida Kahlo já se expunha nas redes sociais antes de isso ser modinha e, provavelmente, seria uma famosa blogueira de moda nos dias de hoje, já que desenhava e customizava suas roupas e sapatos.

Sua individualidade e sua sexualidade estão constantemente presentes em suas representações. Frida tinha como um tema central de sua obra a potência do corpo. O simples fato de seu corpo existir era uma resistência a tantas intervenções decorrentes dos acidentes que sofreu e das cirurgias que fez.

Em 17 de setembro de 1925, aos 18 anos, Frida sofreu um grave acidente de trânsito: o ônibus em que estava bateu num bonde. Em seu diário, ela afirmou que o ônibus foi esmagado e o corrimão a transpassou como a espada transpassa o touro. Inúmeras fraturas, um mês no hospital. Ela saiu do hospital para um longo período de imobilização, em que não havia como continuar os estudos e, a partir daí, começou a emergir sua criação.

Única aprendizagem possível: a de si mesma, captada pelo pequeno espelho das dimensões de um retrato. Único material humano: o seu, pois não podia ir ao encontro dos outros, mas sempre cercada pela expressão que os grandes retratistas alemães e italianos davam à figura humana.

Desse confronto com a própria identidade, nasceram as problemáticas que tocaram a própria essência da arte: a ilusão, o desdobramento, a relação com a morte. Bem mais que uma autobiografia, seus autorretratos se revelam como "imagens do interior" de uma mulher que se lançou em uma busca tanto existencial quanto estética, de um ser em processo de vir a ser, de uma consciência que nasce.

BLOGFEM. Frida Kahlo: imagem, corpo e feminismo. Disponível em: < Acesso em: 03 out. 2018

Com relação às estratégias argumentativas utilizadas na construção do texto, analise as afirmativas abaixo.

I. Logo no primeiro período do texto, utilizou-se o argumento de autoridade a partir de estudos e opiniões de uma pesquisadora.

II. No último período do primeiro parágrafo, identifica-se uma relação de causa e efeito, seguindo o raciocínio lógico de que Frida poderia ser uma blogueira de moda nos dias atuais porque desenhava e customizava suas roupas e sapatos.

III. No segundo parágrafo, também foi utilizado o argumento de autoridade, mas, dessa vez, as opiniões da própria Frida foram citadas.

IV. O terceiro parágrafo apresenta um argumento por exemplificação a partir de uma sequência que narra como se deu o início da produção artística de Frida.

V. No quinto parágrafo, encontramos na afirmação "Bem mais que uma autobiografia, seus autorretratos se revelam como 'imagens do interior' de uma mulher" um contra-argumento para rebater a ideia de que a obra de Frida Kahlo é intimista e subjetiva.

Estão CORRETAS, apenas, as afirmativas

A

III, IV e V.

B

I, II e V.

C

II, III e IV.

D

I, II e IV.

E

I, III e V.