Questões de Português - FUVEST 2006 | Gabarito e resoluções

1-15 de 30chevron right center
Questão 1
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Ele se aproximou e com voz cantante de nordestino que a emocionou, perguntou-lhe: ⎯ E se me desculpe, senhorinha, posso convidar a passear? ⎯ Sim, respondeu atabalhoadamente com pressa antes que ele mudasse de idia. ⎯ E, se me permite, qual mesmo a sua graa? ⎯ Macaba. ⎯ Maca ⎯ o qu? ⎯ Bea, foi ela obrigada a completar. ⎯ Me desculpe mas at parece doena, doena de pele. ⎯ Eu tambm acho esquisito mas minha me botou ele por promessa a Nossa Senhora da Boa Morte se eu vingasse, at um ano de idade eu no era chamada porque no tinha nome, eu preferia continuar a nunca ser chamada em vez de ter um nome que ningum tem mas parece que deu certo ⎯ parou um instante retomando o flego perdido e acrescentou desanimada e com pudor ⎯ pois como o senhor v eu vinguei... pois ... ⎯ Tambm no serto da Paraba promessa questo de grande dvida de honra. Eles no sabiam como se passeia. Andaram sob a chuva grossa e pararam diante da vitrine de uma loja de ferragem onde estavam expostos atrs do vidro canos, latas, parafusos grandes e pregos. E Macaba, com medo de que o silncio j significasse uma ruptura, disse ao recm-namorado: ⎯ Eu gosto tanto de parafuso e prego, e o senhor? Da segunda vez em que se encontraram caa uma chuva fininha que ensopava os ossos. Sem nem ao menos se darem as mos caminhavam na chuva que na cara de Macaba parecia lgrimas escorrendo. Clarice Lispector, A hora da estrela. Neste excerto, as falas de Olmpico e Macaba

Questão 1
2006Português

(FUVEST - 2006) Atribuir ao doente a culpa dos males que o afligem procedimento tradicional na histria da humanidade. A obesidade no foge regra. Na Idade Mdia, a sociedade considerava a hansenase um castigo de Deus para punir os mpios. No sculo 19, quando proliferaram os aglomerados urbanos e a tuberculose adquiriu caractersticas epidmicas, dizia-se que a enfermidade acometia pessoas enfraquecidas pela vida devassa que levavam. Com a epidemia de Aids, a mesma histria: apenas os promscuos adquiririam o HIV. Coube cincia demonstrar que so bactrias os agentes causadores de tuberculose e da hansenase, que a Aids transmitida por um vrus e que esses microorganismos so alheios s virtudes e fraquezas humanas: infectam crianas, mulheres ou homens, no para puni-los ou v-los sofrer, mas porque pretendem crescer e multiplicar-se como todos os seres vivos. Tanto se lhes d se o organismo que lhes oferece condies de sobrevivncia pertence vestal ou ao pecador contumaz. (...) Drauzio Varella, Folha de S. Paulo, 12/11/2005. a) Crie uma frase com a palavra obesidade que possa ser acrescentada ao final do 2 pargrafo sem quebra de coerncia. b) Fazendo as adaptaes necessrias e respeitando a equivalncia de sentido que a expresso Tanto se lhes d (...) tem no texto, proponha uma frase, substituindo o pronome lhes pelo seu referente.

Questão 2
2006Português

(FUVEST - 2006) Em um piano distante, algum estuda uma lio lenta, em notas graves. (...) Esses sons soltos, indecisos, teimosos e tristes, de uma lio elementar qualquer, tm uma grave monotonia. Deus sabe por que acordei hoje com tendncia a filosofia de bairro; mas agora me ocorre que a vida de muita gente parece um pouco essa lio de piano. Nunca chega a formar a linha de uma certa melodia. Comea a esboar, com os pontos soltos de alguns sons, a curva de uma frase musical; mas logo se detm, e volta, e se perde numa incoerncia montona. No tem ritmo nem cadncia sensveis. Rubem Braga, O homem rouco. a) O autor estabelece uma associao potica entre a vida de muita gente e uma lio de piano. Esclarea o sentido que ganha, no contexto dessa associao, a frase Nunca chega a formar a linha de uma certa melodia. b) Deus sabe por que acordei hoje com tendncia a filosofia de bairro. Reescreva a frase acima, substituindo a expresso sublinhada por outra de sentido equivalente.

Questão 2
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Ele se aproximou e com voz cantante de nordestino que a emocionou, perguntou-lhe: ⎯ E se me desculpe, senhorinha, posso convidar a passear? ⎯ Sim, respondeu atabalhoadamente com pressa antes que ele mudasse de idia. ⎯ E, se me permite, qual mesmo a sua graa? ⎯ Macaba. ⎯ Maca ⎯ o qu? ⎯ Bea, foi ela obrigada a completar. ⎯ Me desculpe mas at parece doena, doena de pele. ⎯ Eu tambm acho esquisito mas minha me botou ele por promessa a Nossa Senhora da Boa Morte se eu vingasse, at um ano de idade eu no era chamada porque no tinha nome, eu preferia continuar a nunca ser chamada em vez de ter um nome que ningum tem mas parece que deu certo ⎯ parou um instante retomando o flego perdido e acrescentou desanimada e com pudor ⎯ pois como o senhor v eu vinguei... pois ... ⎯ Tambm no serto da Paraba promessa questo de grande dvida de honra. Eles no sabiam como se passeia. Andaram sob a chuva grossa e pararam diante da vitrine de uma loja de ferragem onde estavam expostos atrs do vidro canos, latas, parafusos grandes e pregos. E Macaba, com medo de que o silncio j significasse uma ruptura, disse ao recm-namorado: ⎯ Eu gosto tanto de parafuso e prego, e o senhor? Da segunda vez em que se encontraram caa uma chuva fininha que ensopava os ossos. Sem nem ao menos se darem as mos caminhavam na chuva que na cara de Macaba parecia lgrimas escorrendo. Clarice Lispector, A hora da estrela. Ao dizer: (...) promessa questo de grande dvida de honra, Olmpico junta, em uma s afirmao, a obrigao religiosa e o dever de honra. A personagem de Sagarana que, em suas aes finais, opera uma juno semelhante

Questão 3
2006Português

(FUVEST - 2006) O Brasil j est beira do abismo. Mas ainda vai ser preciso um grande esforo de todo mundo pra colocarmos ele novamente l em cima. Millr Fernandes. a) Em seu sentido usual, a expresso sublinhada significa s vsperas de uma catstrofe. Tal significado se confirma no texto? Justifique sua resposta. b) Sem alterar o seu sentido, reescreva o texto em um nico perodo, iniciando com Embora o Brasil (...) e substituindo a forma pra por para que. Faa as demais transformaes que so necessrias para adequar o texto norma escrita padro.

Questão 3
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Ele se aproximou e com voz cantante de nordestino que a emocionou, perguntou-lhe: ⎯ E se me desculpe, senhorinha, posso convidar a passear? ⎯ Sim, respondeu atabalhoadamente com pressa antes que ele mudasse de idia. ⎯ E, se me permite, qual mesmo a sua graa? ⎯ Macaba. ⎯ Maca ⎯ o qu? ⎯ Bea, foi ela obrigada a completar. ⎯ Me desculpe mas at parece doena, doena de pele. ⎯ Eu tambm acho esquisito mas minha me botou ele por promessa a Nossa Senhora da Boa Morte se eu vingasse, at um ano de idade eu no era chamada porque no tinha nome, eu preferia continuar a nunca ser chamada em vez de ter um nome que ningum tem mas parece que deu certo ⎯ parou um instante retomando o flego perdido e acrescentou desanimada e com pudor ⎯ pois como o senhor v eu vinguei... pois ... ⎯ Tambm no serto da Paraba promessa questo de grande dvida de honra. Eles no sabiam como se passeia. Andaram sob a chuva grossa e pararam diante da vitrine de uma loja de ferragem onde estavam expostos atrs do vidro canos, latas, parafusos grandes e pregos. E Macaba, com medo de que o silncio j significasse uma ruptura, disse ao recm-namorado: ⎯ Eu gosto tanto de parafuso e prego, e o senhor? Da segunda vez em que se encontraram caa uma chuva fininha que ensopava os ossos. Sem nem ao menos se darem as mos caminhavam na chuva que na cara de Macaba parecia lgrimas escorrendo. Clarice Lispector, A hora da estrela. Considere as seguintes comparaes entre a cena do primeiro encontro de Macaba e Olmpico, figurada no excerto, e a clebre cena do primeiro encontro de Leonardo e Maria da Hortalia (Memrias de um sargento de milcias), a bordo do navio: I Na primeira cena, utiliza-se o dilogo verbal como meio privilegiado de representao, ao passo que, na segunda, a ausncia notria desse dilogo responde, em grande parte, pelo efeito expressivo do texto. II Em ambas as cenas, a representao da pobreza vem acompanhada de forte sentimento de culpa que perturba o narrador e o leva a questionar a validade da prpria literatura. III Ambas as cenas so construdas como pardias de modelos literrios consagrados: na primeira, parodiam-se as cenas amorosas do Romantismo; na segunda, so parodiadas as cenas idlicas dos romances do Realismo. Est correto apenas o que se afirma em

Questão 4
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Ele se aproximou e com voz cantante de nordestino que a emocionou, perguntou-lhe: ⎯ E se me desculpe, senhorinha, posso convidar a passear? ⎯ Sim, respondeu atabalhoadamente com pressa antes que ele mudasse de idia. ⎯ E, se me permite, qual mesmo a sua graa? ⎯ Macaba. ⎯ Maca ⎯ o qu? ⎯ Bea, foi ela obrigada a completar. ⎯ Me desculpe mas at parece doena, doena de pele. ⎯ Eu tambm acho esquisito mas minha me botou ele por promessa a Nossa Senhora da Boa Morte se eu vingasse, at um ano de idade eu no era chamada porque no tinha nome, eu preferia continuar a nunca ser chamada em vez de ter um nome que ningum tem mas parece que deu certo ⎯ parou um instante retomando o flego perdido e acrescentou desanimada e com pudor ⎯ pois como o senhor v eu vinguei... pois ... ⎯ Tambm no serto da Paraba promessa questo de grande dvida de honra. Eles no sabiam como se passeia. Andaram sob a chuva grossa e pararam diante da vitrine de uma loja de ferragem onde estavam expostos atrs do vidro canos, latas, parafusos grandes e pregos. E Macaba, com medo de que o silncio j significasse uma ruptura, disse ao recm-namorado: ⎯ Eu gosto tanto de parafuso e prego, e o senhor? Da segunda vez em que se encontraram caa uma chuva fininha que ensopava os ossos. Sem nem ao menos se darem as mos caminhavam na chuva que na cara de Macaba parecia lgrimas escorrendo. Clarice Lispector, A hora da estrela. No trecho mas minha me botou ele por promessa, o pronome pessoal foi empregado em registro coloquial. o que tambm se verifica em:

Questão 4
2006Português

(FUVEST - 2006) Crianas perguntam... Einstein responde! O professor da 5 srie de uma escola americana notou que seus alunos ficavam chocados ao aprender que os seres humanos so classificados no reino animal. Ento sugeriu que escrevessem para grandes cientistas e intelectuais e pedissem a opinio deles sobre isto. Albert Einstein respondeu: Queridas crianas. Ns no devemos perguntar O que um animal?, mas sim, Que coisa chamamos de animal? Bem, chamamos de animal quando essa coisa tem certas caractersticas: alimenta-se, descende de pais semelhantes a ela, cresce sozinha e morre quando seu tempo se esgotou. por isso que chamamos a minhoca, a galinha, o cachorro e o macaco de animais. E ns, humanos? Pensem nisto da maneira que eu propus anteriormente e ento decidam por vocs mesmas se uma coisa natural ns nos considerarmos animais. Cincia Hoje Crianas. a) Em sua resposta s crianas, Albert Einstein prope a substituio da pergunta O que um animal? por Que coisa chamamos de animal?. Explique por que essa substituio j revela uma atitude cientfica. b) Fazendo as adaptaes necessrias e conservando o seu sentido original, reconstrua o ltimo perodo do texto (... Pensem nisto da maneira que eu ... animais.), comeando com (...) Decidam por vocs mesmas ... animais.

Questão 5
2006Português

(FUVEST - 2006) (...) Num tempo Pgina infeliz da nossa histria Passagem desbotada na memria Das nossas novas geraes Dormia A nossa ptria me to distrada Sem perceber que era subtrada Em tenebrosas transaes (...). Vai passar, Chico Buarque e Francis Hime. a) correto afirmar que o verbo dormia tem uma conotao positiva, tendo em vista o contexto em que ele ocorre? Justifique sua resposta. b) Identifique, nos trs ltimos versos, um recurso expressivo sonoro e indique o efeito de sentido que ele produz. (No considere a rima distrada/subtrada.)

Questão 5
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Ele se aproximou e com voz cantante de nordestino que a emocionou, perguntou-lhe: ⎯ E se me desculpe, senhorinha, posso convidar a passear? ⎯ Sim, respondeu atabalhoadamente com pressa antes que ele mudasse de idia. ⎯ E, se me permite, qual mesmo a sua graa? ⎯ Macaba. ⎯ Maca ⎯ o qu? ⎯ Bea, foi ela obrigada a completar. ⎯ Me desculpe mas at parece doena, doena de pele. ⎯ Eu tambm acho esquisito mas minha me botou ele por promessa a Nossa Senhora da Boa Morte se eu vingasse, at um ano de idade eu no era chamada porque no tinha nome, eu preferia continuar a nunca ser chamada em vez de ter um nome que ningum tem mas parece que deu certo ⎯ parou um instante retomando o flego perdido e acrescentou desanimada e com pudor ⎯ pois como o senhor v eu vinguei... pois ... ⎯ Tambm no serto da Paraba promessa questo de grande dvida de honra. Eles no sabiam como se passeia. Andaram sob a chuva grossa e pararam diante da vitrine de uma loja de ferragem onde estavam expostos atrs do vidro canos, latas, parafusos grandes e pregos. E Macaba, com medo de que o silncio j significasse uma ruptura, disse ao recm-namorado: ⎯ Eu gosto tanto de parafuso e prego, e o senhor? Da segunda vez em que se encontraram caa uma chuva fininha que ensopava os ossos. Sem nem ao menos se darem as mos caminhavam na chuva que na cara de Macaba parecia lgrimas escorrendo. Clarice Lispector, A hora da estrela. No trecho que vai de Eu tambm acho esquisito a eu vinguei... pois ..., o autor se vale, para traduzir o estado emocional de Macaba, do seguinte recurso expressivo:

Questão 6
2006Português

(FUVEST - 2006) H certas expresses significativas: Contra fato no h argumento. Elas querem dizer que, diante da evidncia do real, no cabem as argumentaes em contrrio, o que em princpio parece estar certo. Mas, na verdade, significam tambm coisas como o que vale a fora ou idia no resolve. Assim, pregam o reconhecimento do fato consumado, a capitulao diante do que se imps no terreno prtico, negando o direito de discutir, de argumentar para mudar a realidade. E ento se tornam sinistras. Antonio Candido, Recortes. Entre as expresses significativas, a que se refere o autor do texto, podem-se incluir certos provrbios, como, por exemplo, Cada macaco no seu galho. Indique o sentido que esse provrbio assume, a) se for entendido como uma afirmao aceitvel, que em princpio parece estar certa. b) se for entendido como uma afirmao autoritria, que impe um fato consumado.

Questão 6
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE) Ele se aproximou e com voz cantante de nordestino que a emocionou, perguntou-lhe: ⎯ E se me desculpe, senhorinha, posso convidar a passear? ⎯ Sim, respondeu atabalhoadamente com pressa antes que ele mudasse de idia. ⎯ E, se me permite, qual mesmo a sua graa? ⎯ Macaba. ⎯ Maca ⎯ o qu? ⎯ Bea, foi ela obrigada a completar. ⎯ Me desculpe mas at parece doena, doena de pele. ⎯ Eu tambm acho esquisito mas minha me botou ele por promessa a Nossa Senhora da Boa Morte se eu vingasse, at um ano de idade eu no era chamada porque no tinha nome, eu preferia continuar a nunca ser chamada em vez de ter um nome que ningum tem mas parece que deu certo ⎯ parou um instante retomando o flego perdido e acrescentou desanimada e com pudor ⎯ pois como o senhor v eu vinguei... pois ... ⎯ Tambm no serto da Paraba promessa questo de grande dvida de honra. Eles no sabiam como se passeia. Andaram sob a chuva grossa e pararam diante da vitrine de uma loja de ferragem onde estavam expostos atrs do vidro canos, latas, parafusos grandes e pregos. E Macaba, com medo de que o silncio j significasse uma ruptura, disse ao recm-namorado: ⎯ Eu gosto tanto de parafuso e prego, e o senhor? Da segunda vez em que se encontraram caa uma chuva fininha que ensopava os ossos. Sem nem ao menos se darem as mos caminhavam na chuva que na cara de Macaba parecia lgrimas escorrendo. Clarice Lispector, A hora da estrela. No trecho Sem nem ao menos SE DAREM AS MOS caminhavam na chuva, o segmento destacado pode ser corretamente substitudo por: Sem que nem ao menos se

Questão 7
2006Português

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) o Kramer apaixonou-se por uma corista que se chamava Olga. por algum motivo nunca conseguiam encontrar-se. ele gritava passando pela casa de Olga, manhzinha (ela dormia): Olga, Olga, hoje estou de folga! mas nunca se viam e penso que ele sabia que se efetivamente se deitasse com ela o sonho terminaria. sbio Kramer. nunca mais o vi. h sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofres, trancados at o nosso fim. e por isso passveis de serem sonhados a vida inteira. (Hilda Hilst, Estar sendo. Ter sido.) OBSERVAES: O emprego sistemtico de minscula na abertura de perodo opo estilstica da autora. Corista = atriz/bailarina que figura em espetculo de teatro musicado. Na perspectiva do narrador, o Kramer considerado sbio porque, como um bom sonhador,

Questão 7
2006Português

(FUVEST - 2006) POEMA TIRADO DE UMA NOTCIA DE JORNAL Joo Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilnia num barraco sem nmero. Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Danou Depois se atirou na Lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. Manuel Bandeira, Libertinagem. a) Relacione o ttulo do poema corrente esttica da qual o texto participa. b) O poema adota o procedimento de relatar os acontecimentos sem coment-los ou interpret-los diretamente. Que atitude esse procedimento pede ao leitor? Explique brevemente.

Questão 8
2006Português

(FUVEST - 2006) a) Referindo-se a suas intenes ao escrever o livro Macunama, Mrio de Andrade afirmou: Um dos meus interesses foi desrespeitar lendariamente a geografia e a fauna e flora geogrficas. No livro, esse interesse alcanado? Justifique brevemente. b) Sobre a personagem Macunama, Mrio de Andrade afirmou: fcil de provar que estabeleci bem dentro de todo o livro que Macunama uma contradio de si mesmo. A afirmao sublinhada se justifica? Explique sucintamente.

1-15 de 30chevron right center