ENEM

ITA

IME

FUVEST

UNICAMP

UNESP

UNIFESP

UFPR

UFRGS

UNB

VestibularEdição do vestibular
Disciplina
Busca avançada
Ir para Ranking

[IME - 2020/2021 - 2ª fase] 

Publicada em 1902, a partir de um trabalho de correspondente de guerra encomendado pelo jornal "A Província de São Paulo" ao engenheiro militar Euclides da Cunha, oriundo da Escola Militar da Praia Vermelha (atualmente, Instituto Militar de Engenharia), a obra "Os Sertões" aborda os acontecimentos da chamada guerra de Canudos, que foi o confronto entre um movimento popular missiânico e o Exército Nacional, de 1896 a 1897, no interior do estado da Bahia. Uma leitura obrigatória para a compreensão da sociedade e da cultura brasileira, a obra reflete a descoberta pelo autor de um "Brasil profundo", desconhecido pela elite intelectual e política do litoral, e se tornou obra canônica de expressão dos problemas e temas da nacionalidade. Em tom erudito, "Os Sertões" se caracteriza pelo encontro do estilo com os conceitos científicos, que são estetizados e transfigurados, para estabelecer um novo plano de realidade humana, por meio de uma escrita tortuosa, gramaticalmente rebuscada, marcada pela rica adjetivação e reinvenção lexical. 

Texto 1 

Capítulo 3 - A GUERRA DAS CAATINGAS

1           Os doutores na arte de matar que hoje, na Europa, invadem escandalosamente a ciência,
perturbando-lhe o remanso com um retinir de esporas insolentes — e formulam leis para a guerra,
pondo em equação as batalhas, têm definido bem o papel das florestas como agente tático
precioso, de ofensiva ou defensiva. E ririam os sábios feldmarechais — guerreiros de cujas mãos
 caiu o franquisque heróico trocado pelo lápis calculista — se ouvissem a alguém que às caatingas
pobres cabe função mais definida e grave que às grandes matas virgens. Porque estas, malgrado
a sua importância para a defesa do território — orlando as fronteiras e quebrando o embate às
invasões, impedindo mobilizações rápidas e impossibilitando a translação das artilharias — se
tornam de algum modo neutras no curso das campanhas. Podem favorecer, indiferentemente,
10  aos dois beligerantes oferecendo a ambos a mesma penumbra às emboscadas, dificultando-lhes
por igual as manobras ou todos os desdobramentos em que a estratégia desencadeia os
exércitos. São uma variável nas fórmulas do problema tenebroso da guerra, capaz dos mais
opostos valores.
              Ao passo que as caatingas são um aliado incorruptível do sertanejo em revolta. Entram
15  também de certo modo na luta. Armam-se para o combate; agridem. Trançam-se, impenetráveis,
ante o forasteiro, mas abrem-se em trilhas multívias, para o matuto que ali nasceu e cresceu.
              E o jagunço faz-se o guerrilheiro-tugue, intangível...
              As caatingas não o escondem apenas, amparam-no.
              Ao avistá-las, no verão, uma coluna em marcha não se surpreende. Segue pelos caminhos
20  em torcicolos, aforradamente. E os soldados, devassando com as vistas o matagal sem folhas,
nem pensam no inimigo. Reagindo à canícula e com o desalinho natural às marchas,
prosseguem envoltos no vozear confuso das conversas travadas em toda a linha, virguladas de
tinidos de armas, cindidas de risos joviais mal sofreados.
               É que nada pode assustá-los. Certo, se os adversários imprudentes com eles se
25  afrontarem, serão varridos em momentos. Aqueles esgalhos far-se-ão em estilhas a um breve
choque de espadas e não é crível que os gravetos finos quebrem o arranco das manobras
prontas. E lá se vão, marchando, tranqüilamente heróicos...
               De repente, pelos seus flancos, estoura, perto, um tiro...
               A bala passa, rechinante, ou estende, morto, em terra, um homem. Sucedem-se, pausadas,
30  outras, passando sobre as tropas, em sibilos longos. Cem, duzentos olhos, mil olhos
perscrutadores, volvem-se, impacientes, em roda. Nada vêem.
                Há a primeira surpresa. Um fluxo de espanto corre de uma a outra ponta das fileiras.
                E os tiros continuam raros, mas insistentes e compassados, pela esquerda, pela direita,
pela frente agora, irrompendo de toda a banda.
35            Então estranha ansiedade invade os mais provados valentes, ante o antagonista que vê e
não é visto. Forma-se celeremente em atiradores uma companhia, mal destacada da massa de
batalhões constritos na vareda estreita. Distende-se pela orla da caatinga. Ouve-se uma voz de
comando; e um turbilhão de balas rola estrugidoramente dentro das galhadas...
                Mas constantes, longamente intervalados sempre, zunem os projéteis dos atiradores
40  invisíveis batendo em cheio nas fileiras.
                A situação rapidamente engravesce, exigindo resoluções enérgicas. Destacam-se outras
unidades combatentes, escalonando-se por toda a extensão do caminho, prontas à primeira voz;
— e o comandante resolve carregar contra o desconhecido. Carrega-se contra os duendes. A
força, de baionetas caladas, rompe, impetuosa, o matagal numa expansão irradiante de cargas.
45  Avança com rapidez. Os adversários parecem recuar apenas. Nesse momento surge o
antagonismo formidável da caatinga.
               As seções precipitam-se para os pontos onde estalam os estampidos e estacam ante uma
barreira flexível, mas impenetrável, de juremas. Enredam-se no cipoal que as agrilhoa, que Ihes
arrebata das mãos as armas, e não vingam transpô-lo. Contornam-no. Volvem aos lados. Vê-se
50  um como rastilho de queimada: uma linha de baionetas enfiando pelos gravetos secos. Lampeja
por momentos entre os raios do sol joeirados pelas árvores sem folhas; e parte-se, faiscando,
adiante, dispersa, batendo contra espessos renques de xiquexiques, unidos como quadrados
cheios, de falanges, intransponíveis, fervilhando espinhos...
             Circuitam-nos, estonteadamente, os soldados. Espalham-se, correm à toa, num labirinto
55  de galhos. Caem, presos pelos laços corredios dos quipás reptantes; ou estacam, pernas
imobilizadas por fortíssimos tentáculos. Debatem-se desesperadamente até deixarem em
pedaços as fardas, entre as garras felinas de acúleos recurvos das macambiras...
            Impotentes estadeiam, imprecando, o desapontamento e a raiva, agitando-se furiosos e
inúteis. Por fim a ordem dispersa do combate faz-se a dispersão do tumulto. Atiram a esmo, sem
60  pontaria, numa indisciplina de fogo que vitima os próprios companheiros. Seguem reforços. Os
mesmos transes reproduzem-se maiores, acrescidas a confusão e a desordem; —enquanto em
torno, circulando-os, rítmicos, fulminantes, seguros, terríveis, bem apontados, caem
inflexivelmente os projetis tio adversário.
            De repente cessam. Desaparece o inimigo que ninguém viu.
65        As seções voltam desfalcadas para a coluna, depois de inúteis pesquisas nas macegas. E
voltam como se saíssem de recontro braço a braço, com selvagens: vestes em tiras; armas
estrondadas ou perdidas; golpeados de gilvazes; claudicando, estropiados; mal reprimindo o
doer infernal das folhas urticantes; frechados de espinhos.... .
70        A luta é desigual. A força militar decai a um plano interior Batem-na o homem e a terra. E
quando o sertão estua nos bochornos dos estios longos não é difícil prever a quem cabe a vitória.
Enquanto o minotauro, impotente e possante, inerme com a sua envergadura de aço e grifos de
baionetas, sente a garganta exsicar-se-lhe de sede e, aos primeiros sintomas da fome, reflui à
retaguarda, fugindo ante o deserto ameaçador e estéril, aquela flora agressiva abre ao sertanejo
75  um seio carinhoso e amigo.
(...) 
             A natureza toda protege o sertanejo. Talha-o como Anteu, indomável. É um titã bronzeado
fazendo vacilar a marcha dos exércitos.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões (Campanha de Canudos). 2ª ed. São Paulo: Editora Ciranda Cultural, 2018. p. 181-186.

Considere as assertivas a seguir: 

I.  Na expressão "Reagindo à canícula e com o desalinho natural (...)" (Texto 1, linha 21), o emprego da crase se deve à presença da forma verbal "reagindo" e do artigo definido feminino que precede o substantivo. 

II.  Em "Espalham-se, correm à toa, num labirinto de galhos" (Texto 1, linhas 54 e 55), o acento grave está adequado, visto que exemplifica o emprego facultativo da crase. 

III.  Nos segmentos "Enredam-se no cipoal que as agrilhoa (...)" (Texto 1, linha 48) e "Atiram a esmo" (Texto 1, linha 59), os termos grifados são, respectivamente, pronome pessoal oblíquo e preposição. 

Está(ão) correta(s) a(s) assertiva(s): 

A

I, apenas. 

B

II, apenas.

C

III, apenas. 

D

I e II, apenas.

E

I e III, apenas.