ENEM

ITA

IME

FUVEST

UNICAMP

UNESP

UNIFESP

UFPR

UFRGS

UNB

VestibularEdição do vestibular
Disciplina
Busca avançada
Ir para Ranking

 (Uff 2012)

 

TEXTO I

A Rede Veia Luiz Queiroga e Cel. Ludugero

Eu tava com a Felomena

Ela quis se refrescar

O calor tava malvado

Ninguém podia aguentar

Ela disse meu Lundru

Nós vamos se balançar

A rede veia comeu foi fogo

Foi com nois dois pra lá e pra cá

Começou a fazer vento com nois dois a palestrar

Filomena ficou beba de tanto se balançar

Eu vi o punho da rede começar a se quebrar

A rede veia comeu foi fogo

Só com nois dois pra lá e pra cá

A rede tava rasgada e eu tive a impressão

Que com tanto balançado nois terminava no chão

Mas Felomena me disse, meu bem vem mais pra cá

A rede veia comeu foi fogo

Foi com nois dois pra lá e pra cá

Disponível em http://www.luizluagonzaga.mus.br/index.php? option=com_content&task=view&id=&&&Itemid= 103 Acessado em: 02 ago 2011.


TEXTO II

Pescaria Dorival Caymmi

Ô canoeiro, bota a rede, bota a rede no mar ô canoeiro, bota a rede no mar.

Cerca o peixe, bate o remo, puxa a corda, colhe a rede, ô canoeiro, puxa a rede do mar.

Vai ter presente pra Chiquinha ter presente pra laiá, canoeiro, puxa a rede do mar.

Cerca o peixe, bate o remo, puxa a corda, colhe a rede, ô canoeiro, puxa a rede do mar.

Louvado seja Deus, ó meu pai.

Disponível em: http://www.miltonnascimento.com.br/#/obra. Acessado em: 02 ago 2011.


TEXTO III

A Rede Lenine e Lula Queiroga

Nenhum aquário é maior do que o mar

Mas o mar espelhado em seus olhos

Maior me causa o efeito

De concha no ouvido

Barulho de mar

Pipoco de onda

Ribombo de espuma e sal

Nenhuma taça me mata a sede Mas o sarrabulho me embriaga Mergulho na onda vaga E eu caio na rede, Não tem quem não caia E eu caio na rede, Não tem quem não caia

Às vezes eu penso que sai dos teus olhos o feixe De raios que controla a onda cerebral do peixe

Nenhuma rede é maior do que o mar Nem quando ultrapassa o tamanho da Terra Nem quando ela acerta, Nem quando ela erra Nem quando ela envolve todo o Planeta

Explode e devolve pro seu olhar O tanto de tudo que eu tô pra te dar Se a rede é maior do que o meu amor Não tem quem me prove Se a rede é maior do que o meu amor Não tem quem me prove

Disponível em: http://www.lenine.com.br/faixa/a-rede-1 Acessado em: 02 ago 2011.


TEXTO IV

Nina Chico Buarque

Nina diz que tem a pele cor de neve

E dois olhos negros como o breu Nina diz que, embora nova

Por amores já chorou

Que nem viúva Mas acabou, esqueceu

Nina adora viajar, mas não se atreve

Num país distante como o meu

Nina diz que fez meu mapa

E no céu o meu destino rapta

O seu

Nina diz que se quiser eu posso ver na tela

A cidade, o bairro, a chaminé da casa dela

Posso imaginar por dentro a casa

A roupa que ela usa, as mechas, a tiara

Posso até adivinhar a cara que ela faz

Quando me escreve

Nina anseia por me conhecer em breve

Me levar para a noite de Moscou

Sempre que esta valsa toca

Fecho os olhos, bebo alguma vodca

E vou

Disponível em: http://www.chicobuarque.com.br/construcao/mestre.asp?pg=nina_2011.htm

 

Uma língua varia em função de aspectos sociais, localização geográfica e uso de diferentes registros, ligados às situações de comunicação.

Marque a alternativa que analisa corretamente a ocorrência de variação linguística nos textos

A

a) O verso “Nós vamos se balançar” (Texto 1, linha 6) apresenta um exemplo da modalidade culta da língua, revelada no emprego dos pronomes

B

b) No verso “A rede veia comeu foi fogo” (Texto 1, linha 7), a grafia da palavra sublinhada procura reproduzir pronúncia comum em algumas regiões do Brasil (veia por velha), que exemplifica uma variação fonética.    c

C

) Em: “E eu caio na rede / Não tem quem não caia” (Texto III, linhas 11 – 12), o emprego do verbo ter é marca do registro culto da língua, utilizado preferencialmente na modalidade escrita.    d

D

d) Em: “Vai ter presente pra Chiquinha” (Texto II, linha 12), o nome “Chiquinha” exemplifica o uso do registro informal, utilizado, sobretudo, em documentos oficiais e sermões religiosos

E

e) No verso: “Posso até adivinhar a cara que ela faz” (Texto IV, linha 16) a palavra cara exemplifica uma variação de registro linguístico predominante em situações formais