Kuadro
Entrar
VestibularEdição do vestibular

(Ufpe/2012)  Observe as imagens, leia os textos e responda às questões que se seguem:

 

 

Quando Monteiro Lobato escreveu o famoso ensaio “Paranoia ou Mistificação?”, publicado n’O Estado de S. Paulo (20/12/1917) sobre a pintura expressionista de Anita Malfatti, expressou a comoção causada no público da época diante do ineditismo das propostas estéticas modernistas. Dizia o autor:

 

Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem as coisas e em consequência fazem arte pura, guardados os eternos ritmos da vida, e adotados, para a concretização das emoções estéticas, os processos clássicos dos grandes mestres. A outra espécie é formada dos que veem anormalmente a natureza e a interpretam à luz das teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. São produtos do cansaço e do sadismo de todos os períodos de decadência; são frutos de fim de estação, bichados ao nascedouro. Estrelas cadentes, brilham um instante, as mais das vezes com a luz do escândalo, e somem-se logo nas trevas do esquecimento. Embora se deem como novos, como precursores de uma arte a vir, nada é mais velho do que a arte anormal ou teratológica: nasceu como a paranoia e a mistificação.

(     ) Devido às suas posições radicais no âmbito das artes plásticas, Monteiro Lobato foi considerado pelos modernistas de 1922 um intelectual tradicionalista e arcaico.  

(     ) A obra infantil de Monteiro Lobato é um bom exemplo de seu arcaísmo, fortalecendo valores sociais tradicionalistas, sobretudo na família, e evitando a mistura da cultura erudita com a popular na literatura.  

(     ) A arte vanguardista do início do século XX provou ser mais do que a escandalosa expressão dos “furúnculos da cultura excessiva”, e superou as expectativas de Monteiro Lobato para essas obras como meras manifestações “anormais ou teratológicas” destinadas ao esquecimento.  

(     ) O pós-modernismo no século XXI levou adiante o impulso desconstrucionista da arte e dos textos canônicos, como provam publicações recentes que associam obras clássicas à cultura de massa, a exemplo de Orgulho e preconceito e zumbis, de “Jane Austen e S-G. Smith”.  

(     ) Ler, entender e refletir sobre as produções literárias contemporâneas mobilizam o conhecimento não só do mundo atual mas também do seu passado histórico.