ENEM

ITA

IME

FUVEST

UNICAMP

UNESP

UNIFESP

UFPR

UFRGS

UNB

VestibularEdição do vestibular
Disciplina
Busca avançada
Ir para Ranking

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) impossvel colocar em sri

Português | Interpretação de texto | figuras de linguagem | figuras de pensamento | paradoxo
Português | Literatura | modernismo no Brasil | autores da 2a fase modernista na poesia | Carlos Drummond de Andrade
FUVEST 2006FUVEST PortuguêsTurma ENEM Kuadro

(FUVEST - 2006 - 1 FASE )

É impossível colocar em série exata os fatos da infância porque há aqueles que já acontecem permanentes, que vêm para ficar e doer, que nunca mais são esquecidos, que são sempre trazidos tempo afora, como se fossem dagora. É a carga. Há os outros, miúdos fatos, incolores e quase sem som − que mal se deram, a memória os atira nos abismos do esquecimento. Mesmo próximos eles viram logo passado remoto. Surgem às vezes, na lembrança, como se fossem uma incongruência. Só aparentemente sem razão, porque não há associação de idéias que seja ilógica. O que assim parece, em verdade, liga-se e harmoniza-se no subconsciente pelas raízes subterrâneas − raízes lógicas! − de que emergem os pequenos caules isolados − aparentemente ilógicos! só aparentemente! − às vezes chegados à memória vindos do esquecimento, que é outra função ativa dessa mesma memória.

Pedro Nava, Baú de ossos.

 

O que Pedro Nava afirma no final do texto ajuda a compreender o título do livro Esquecer para lembrar, de Carlos Drummond de Andrade, título que contém

A

um paradoxo apenas aparente, já que designa uma das operações próprias da memória.

B

uma contradição insuperável, justificada apenas pelo valor poético que alcança.

C

uma explicação para a dificuldade de se organizar de modo sistemático os fatos lembrados.

D

uma fina ironia, pois a antítese entre os dois verbos dá a entender o inverso do que nele se afirma.

E

uma metáfora, já que o tempo do esquecimento e o tempo da lembrança não podem ser simultâneos.