Questões de História - FUVEST | Gabarito e resoluções

Questão 50
2013História

(FUVEST - 2013) Oh! Aquela alegria me deu nuseas. Sentia-me ao mesmo tempo satisfeito e descontente. E eu disse: tanto melhor e tanto pior. Eu entendia que o povo comum estava tomando a justia em suas mos. Aprovo essa justia, mas poderia no ser cruel? Castigos de todos os tipos, arrastamentos e esquartejamentos, tortura, a roda, o cavalete, a fogueira, verdugos proliferando por toda parte trouxeram tanto prejuzo aos nossos costumes! Nossos senhores colhero o que semearam. (Graco Babeuf, citado por R. Darnton. O beijo de Lamourette. Mdia, cultura e revoluo. So Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 31. Adaptado.) O texto parte de uma carta enviada por Graco Babeuf sua mulher, no incio da Revoluo Francesa de 1789. O autor

Questão 51
2013História

(FUVEST - 2013) A economia das possesses coloniais portuguesas na Amrica foi marcada por mercadorias que, uma vez exportadas para outras regies do mundo, podiam alcanar alto valor e garantir, aos envolvidos em seu comrcio, grandes lucros. Alm do acar, explorado desde meados do sculo XVI, e do ouro, extrado regularmente desde fins do XVII, merecem destaque, como elementos de exportao presentes nessa economia:

Questão 52
2013HistóriaFilosofia

(Fuvest 2013) Maldito, maldito criador! Por que eu vivo? Por que no extingui, naquele instante, a centelha de vida que voc to desumanamente me concedeu? No sei! O desespero ainda no se apoderara de mim. Meus sentimentos eram de raiva e vingana. Quando a noite caiu, deixei meu abrigo e vagueei pelos bosques. (...) Oh! Que noite miservel passei eu! Sentia um inferno devorar-me, e desejava despedaar as rvores, devastar e assolar tudo o que me cercava, para depois sentar-me e contemplar satisfeito a destruio. Declarei uma guerra sem quartel espcie humana e, acima de tudo, contra aquele que me havia criado e me lanara a esta insuportvel desgraa! (Mary Shelley. Frankenstein. 2 ed. Porto Alegre: LPM, 1985.) O trecho acima, extrado de uma obra literria publicada pela primeira vez em 1818, pode ser lido corretamente como uma

Questão 54
2013História

(FUVEST -2013) Fosse com militares ou civis, a frica esteve por vrios anos entregue a ditadores. Em alguns pases, vigorava uma espcie de semidemocracia, com uma oposio consentida e controlada, um regime que era, em ltima anlise, um governo autoritrio. A nica sada para os insatisfeitos e tambm para aqueles que tinham ambies de poder passou a sera luta armada. Alguns pases foram castigados por ferozes guerras civis, que, em certos casos, foram alongadas por interesses extracontinentais. Alberto da Costa e Silva. A frica explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2008, p. 139. Entre os exemplos do alongamento dos conflitos internos nos pases africanos em funo de interesses extracontinentais, a que se refere o texto, pode-se citar a participao

Questão 55
2013História

(FUVEST 2013) O que acontece quando a gente se v duplicado na televiso? (...) Aprendemos no s durante os anos de formao mas tambm na prtica a lidar com ns mesmos com esse eu duplo. E, mais tarde, (...) em 1974, ainda detido para averiguao na penitenciria de Colnia-Ossendorf, quando me foi atendida, sem problemas, a solicitao de um aparelho de televiso na cela, apenas durante o perodo da Copa do Mundo, os acontecimentos na tela me dividiram em vrios sentidos. No quando os poloneses jogaram uma partida fantstica sob uma chuva torrencial, no quando a partida contra a Austrlia foi vitoriosa e houve um empate contra o Chile, aconteceu quando a Alemanha jogou contra a Alemanha. Torcer para quem? Eu ou eu torci para quem? Para que lado vibrar? Qual Alemanha venceu? Gunter Grass. Meu sculo. Rio de Janeiro:Record, 2000, p. 237. Adaptado. O trecho acima, extrado de uma obra literria, alude a um acontecimento diretamente relacionado

Questão 56
2013História

(FUVEST - 2013) Quando a guerra mundial de 1914-1918 se iniciou, a cincia mdica tinha feito progressos to grandes que se esperava uma conflagrao sem a interferncia de grandes epidemias. Isso sucedeu na frente ocidental, mas leste o tifo precisou de apenas trs meses para aparecer e se estabelecer como o principal estrategista na regio (...). No momento em que a Segunda Guerra Mundial est acontecendo, em territrios em que o tifo endmico, o espectro de uma grande epidemia constitui ameaa constante. Enquanto estas linhas esto sendo escritas (primavera de 1942) j foram recebidas notificaes de surtos locais, e pequenos, mas a doena parece continuar sob controle e muito provavelmente permanecer assim por algum tempo. Henry E. Sigerist, Civilizao e doena.So Paulo: Hucitec, 2010, p. 130-132. O correto entendimento do texto acima permite afirmar que

Questão 83
2013PortuguêsHistória

(FUVEST 2013) Os momentos histricos em que se desenvolvem os enredos de Viagens na minha terra, Memrias de um sargento de milcias e Memrias pstumas de Brs Cubas (quanto a este ltimo, em particular no que se refere primeira juventude do narrador) so, todos, determinados de modo decisivo por um antecedente histrico comum menos ou mais imediato, conforme o caso. Trata-se da

Questão
2013História

(FUVEST - 2013) Durante os primeiros tempos de sua existncia, o PCB prosseguiu em seu processo de diferenciao ideolgica com o anarquismo, de onde provinha parte significativa de sua liderana e de sua militncia. Nesse curso, foi necessrio, no que se refere questo parlamentar, tambm proceder a uma homogeneizao de sua prpria militncia. Houve algumas tentativas de participao em eleies e de formulao de propostas a serem apresentadas sociedade que se revelaram infrutferas por questes conjunturais. A primeira vez em que isso ocorreu foi, em 1925, no municpio porturio paulista de Santos, onde os comunistas locais, apresentando-se pela legenda da Coligao Operria, tiveram um resultado pfio. No entanto, como todos os atos pioneiros, essa participao deixou uma importante herana: a presena na cena poltica brasileira dos trabalhadores e suas reivindicaes. Estas, em particular, expressavam um acmulo de anos de lutas do movimento operrio brasileiro. (Dainis Karepovs. A classe operria vai ao Parlamento. So Paulo: Alameda, 2006, p.169.) A partir do texto acima, pode-se afirmar corretamente que

Questão 1
2012História

(FUVEST - 2020)(2 FASE) No possvel pr em dvida por mais tempo, ao passar em revista o estado atual dos conhecimentos, ter havido realmente uma guerra de Troia histrica, em que uma coligao de Aqueus ou Micnios, sob um rei cuja suserania era conhecida pelos restantes, combateu o povo de Troia e os seus aliados. A magnitude e durao da luta podem ter sido exageradas pela tradio popular em tempos recentes, e os nmeros dos participantes avaliados muito por cima nos poemas picos. Muitos incidentes, tanto de importncia primria como secundria, foram sem dvida inventados e introduzidos na narrativa durante a sua viagem atravs dos sculos. Mas as provas so suficientes para demonstrar no s que a tradio da expedio contra Troia deve basear-se em fatos histricos, mas ainda que boa parte dos heris individuais mencionados nos poemas foi tirada de personagens reais. Carl W. Blegen. Troia e os troianos. Lisboa, Verbo, 1971. Adaptado. A partir do texto acima, a) identifique ao menos um poema pico inspirado na guerra de Troia e explique seu ttulo; b) explique uma diferena e uma semelhana entre poesia pica e histria para os gregos da Antiguidade.

Questão 2
2012História

Nos tempos de So Lus [Lus IX], as hordas que surgiam do leste provocaram terror e angstia no mundo cristo. O medo do estrangeiro oprimia novamente as populaes. No entanto, a Europa soubera digerir e integrar os saqueadores normandos. Essas invases tinham tornado menos claras as fronteiras entre o mundo pago e a cristandade e estimulado o crescimento econmico. A Europa, ento terra juvenil, em plena expanso, estendeu-se aos quatro pontos cardeais, alimentando-se, com voracidade, das culturas exteriores. Uma situao muito diferente da de hoje, em que o Velho Continente se entrincheira contra a misria do mundo para preservar suas riquezas. Georges Duby. Ano 1000 ano 2000. Na pista de nossos medos. So Paulo: Unesp, 1998, p. 50-51. Adaptado. a) Justifique a afirmao do autor de que essas invases tinham (...) estimulado o crescimento econmico da Europa crist. b) Cite um caso do atual entrincheiramento europeu e explique, em que sentido, a Europa quer preservar suas riquezas.

Questão 3
2012História

(FUVEST - 2012 - 2a FASE) A formao histrica do atual Estado do Rio Grande do Sul est intrinsecamente relacionada questo fronteiria existente entre os domnios das duas coroas Ibricas na Amrica meridional. Desde o sculo XVIII, esta regio foi cenrio de constantes disputas territoriais entre diferentes agentes sociais. Atritos que no estiveram restritos apenas s lutas travadas entre luso-brasileiros e hispano-americanos pelo domnio do Continente do Rio Grande. Eduardo Santos Neumann, A fronteira tripartida, Luiz Alberto Grij (e outros). Captulos de Histria do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004, p. 25. Adaptado. a) Caracterize a questo fronteiria, mencionada no texto acima. b) Quais so as principais diferenas e semelhanas entre a organizao socioeconmica do Rio Grande colonial e a de regies aucareiras, como Bahia e Pernambuco, na mesma poca?

Questão 3
2012PortuguêsHistória

(FUVEST - 2020)(2 FASE) Examine estas imagens, que reproduzem, em preto e branco, dois quadros da pintura brasileira. a) Identifique o movimento artstico a que elas pertencem e aponte uma caracterstica de sua proposta esttica. b) Cite e caracterize um evento brasileiro importante relacionado a esse movimento.

Questão 4
2012HistóriaGeografia

(FUVEST - 2020)(2 FASE) Considerando os dois grficos acima, a) defina e explique o significado geral de uma balana comercial favorvel ou desfavorvel para um determinado pas; b) compare os papis poltico-econmicos da Frana e da Inglaterra na competio internacional do sculo XVIII, bem como a importncia desses pases para as regies coloniais americanas da poca.

Questão 4
2012História

(FUVEST - 2020)(2 FASE) No parece fcil determinar a poca em que os habitantes da Amrica lusitana, dispersos pela distncia, pela dificuldade de comunicao, pela mtua ignorncia, pela diversidade, no raro, de interesses locais, comeam a sentir-se unidos por vnculos mais fortes do que todos os contrastes ou indiferenas que os separam, e a querer associar esse sentimento ao desejo de emancipao poltica. No Brasil, as duas aspiraes a da independncia e a da unidade no nascem juntas e, por longo tempo ainda, no caminham de mos dadas. Srgio Buarque de Holanda, A herana colonial sua desagregao. Histria geral da civilizao brasileira, tomo II, volume 1, 2 ed., So Paulo: DIFEL, 1965, p. 9. a) Explique qual a diferena entre as aspiraes de independncia e de unidade a que o autor se refere. b) Indique e caracterize ao menos um acontecimento histrico relacionado a cada uma das aspiraes mencionadas no item a).

Questão 5
2012História

(Fuvest 2012) Leia este texto, que se refere à dominação europeia sobre povos e terras africanas. Desde o século XVI, os portugueses e, trezentos anos mais tarde, os franceses, britânicos e alemães souberam usar os povos [africanos] mais fracos contra os mais fortes que desejavam submeter. Aliaram-se àqueles e somaram os seus grandes números aos contingentes, em geral pequenos, de militares europeus. Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2008, p. 98. a) Diferencie a presença europeia na África nos dois períodos aos quais o texto se refere. b) Indique uma decorrência, para o continente africano, dessa política colonial de estimular conflitos internos.