Questões de História - FUVEST | Gabarito e resoluções

Questão 3
2015História

(FUVEST - 2015 - 2a FASE) Leia os dois fragmentos abaixo I. necessrio, pois, aceitar como princpio e ponto de partida o fato de que existe uma hierarquia de raas e civilizaes, e que ns pertencemos a raa e civilizao superiores, reconhecendo ainda que a superioridade confere direitos, mas, em contrapartida, impe obrigaes estritas. A legitimao bsica da conquista de povos nativos a convico de nossa superioridade, no simplesmente nossa superioridade mecnica, econmica e militar, mas nossa superioridade moral. Nossa dignidade se baseia nessa qualidade, e ela funda nosso direito de dirigir o resto da humanidade. O poder material apenas um meio para esse fim. Declarao do francs Jules Harmand, em 1910. Apud: Edward Said. Cultura e imperialismo. So Paulo: Companhia das Letras, 1995. Adaptado. II. (...) apesar das suas diferenas, os ingleses e os franceses viam o Oriente como uma entidade geogrfica e cultural, poltica, demogrfica, sociolgica e histrica sobre cujos destinos eles acreditavam ter um direito tradicional. Para eles, o Oriente no era nenhuma descoberta repentina, mas uma rea ao leste da Europa cujo valor principal era definido uniformemente em termos de Europa, mais particularmente em termos que reivindicavam especificamente para a Europa para a cincia, a erudio, o entendimento e a administrao da Europa o crdito por ter transformado o Oriente naquilo que era. Edward Said. Orientalismo. So Paulo: Companhia das Letras, 1990. a) Identifique a principal ideia defendida no texto I e explique sua relao com a expanso imperialista europeia no final do sculo XIX. b) Relacione o texto I com o texto II, quanto concepo poltica neles presente.

Questão 4
2015História

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) Os cartazes acima circularam durante a Guerra Civil Espanhola (1936‐1939). a) Identifique, em cada um dos cartazes, um elemento que permita associ‐los, respectivamente, s principais foras polticas envolvidas nessa guerra. b) Caracterize as principais propostas das foras polticas representadas nos cartazes.

Questão 4
2015História

(FUVEST - 2015) Uma observao comparada dos regimes de trabalho adotados nas Amricas de colonizao ibrica permite afirmar corretamente que, entre os sculos XVI e XVIII,

Questão 5
2015História

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) A cidade do Rio de Janeiro abre o sculo XX defrontando‐se com perspectivas extremamente promissoras. Aproveitando‐se de seu papel privilegiado na intermediao dos recursos da economia cafeeira e de sua condio de centro poltico do pas, a sociedade carioca via acumularem‐se no seu interior vastos recursos enraizados principalmente no comrcio e nas finanas, mas derivando j para as aplicaes industriais. A mudana da natureza das atividades econmicas do Rio foi de monta, portanto, a transform‐lo no maior centro cosmopolita da nao, em ntimo contato com a produo e o comrcio europeus e americanos, absorvendo‐os e irradiando‐os para todo o pas. Muito cedo, no entanto, ficou evidente o anacronismo da velha estrutura urbana do Rio de Janeiro diante das demandas dos novos tempos. Nicolau Sevcenko. Literatura como misso. Tenses sociais e criao cultural na Primeira Repblica. So Paulo: Brasiliense, 1983. Adaptado. a) Cite dois exemplos que justifiquem o mencionado anacronismo da velha estrutura urbana do Rio de Janeiro. b) Cite duas importantes mudanas socioeconmicas pelas quais a cidade do Rio de Janeiro passou no princpio do sculo XX.

Questão 5
2015História

(FUVEST - 2015)Examine a seguinte imagem, que foi inspirada pela situao da ndia de 1946. A leitura correta da imagem permite concluir que ela constitui uma crtica

Questão 6
2015História

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) Em 25 de abril de 1984, a Cmara dos Deputados do Brasil rejeitou a Emenda Constitucional que propunha o restabelecimento das eleies diretas para a presidncia da Repblica. Durante quase nove meses, situao e oposio realizaram articulaes polticas, visando escolha do novo presidente. Em 15 de janeiro de 1985, Tancredo Neves foi eleito presidente do Brasil por um Colgio Eleitoral. a) Explique em que consistia esse Colgio Eleitoral e como ele era composto. b) Identifique e caracterize a articulao poltica vitoriosa na eleio presidencial de 1985.

Questão 6
2015História

(FUVEST - 2015) Se o acar do Brasil o tem dado a conhecer a todos os reinos e provncias da Europa, o tabaco o tem feito muito afamado em todas as quatro partes do mundo, em as quais hoje tanto se deseja e com tantas diligncias e por qualquer via se procura. H pouco mais de cem anos que esta folha se comeou a plantar e beneficiar na Bahia [...] e, desta sorte, uma folha antes desprezada e quase desconhecida tem dado e d atualmente grandes cabedais aos moradores do Brasil e incrveis emolumentos aos Errios dos prncipes. (Andr Joo Antonil. Cultura e opulncia do Brasil por suas drogas e minas. So Paulo: EDUSP, 2007. Adaptado.) O texto acima, escrito por um padre italiano em 1711, revela que

Questão 7
2015HistóriaPortuguês

(FUVEST 2015) Considerando-se o intervalo entre o contexto em que transcorre o enredo da obra Memórias de um sargento demilícias, de Manuel Antônio de Almeida, e a época de sua publicação, é correto afirmar que a esse período corresponde o processo de

Questão 8
2015História

(FUVEST - 2015) A colonizao, apesar de toda violncia e disrupo, no excluiu processos de reconstruo e recriao cultural conduzidos pelos povos indgenas. um erro comum crer que a histria da conquista representa, para os ndios, uma sucesso linear de perdas em vidas, terras e distintividade cultural. A cultura xinguana que aparecer para a nao brasileira nos anos 1940 como smbolo de uma tradio esttica, original e intocada , ao inverso, o resultado de uma histria de contatos e mudanas, que tem incio no sculo X d.C. e continua at hoje. (Carlos Fausto. Os ndios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.) Com base no trecho acima, correto afirmar que

Questão 9
2015História

(FUVEST 2015) O Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) foi criado em 1984, inserido em um contexto de

Questão 10
2015História

(FUVEST -2015) Observe a tabela: Leslie Bethell (ed.), The Cambridge History of Latin America, vol. IV. Adaptado. Os dados apresentados na tabela se explicam, dentre outros fatores,

Questão 14
2015História

(Fuvest 2015) Com base nos nmeros apresentados na tabela acima, identifique e explique o fator determinante para o aumento populacional registrado entre a) 1700 e 1770; b) 1920 e 1970.

Questão 28
2015PortuguêsHistória

(FUVEST - 2015 - 1 FASE) Tornando da malograda espera do tigre,1alcanou o capanga um casal de velhinhos,2que seguiam diante dele o mesmo caminho, e conversavam acerca de seus negcios particulares. Das poucas palavras que apanhara, percebeu Jo Fera3que destinavam eles uns cinquenta mil-ris, tudo quanto possuam, compra de mantimentos, a fim de fazer um moquiro*, com que pretendiam abrir uma boa roa. - Mas chegar, homem? perguntou a velha. - H de se espichar bem, mulher! Uma voz os interrompeu: - Por este preo dou eu conta da roa! - Ah! nh Jo! Conheciam os velhinhos o capanga, a quem tinham por homem de palavra, e de fazer o que prometia. Aceitaram sem mais hesitao; e foram mostrar o lugar que estava destinado para o roado. Acompanhou-os Jo Fera; porm,4mal seus olhos descobriram entre os utenslios a enxada, a qual ele esquecera um momento no af de ganhar a soma precisa, que sem mais deu costas ao par de velhinhos e foi-se deixando-os embasbacados. ALENCAR, Jos de.Til. * moquiro = mutiro (mobilizao coletiva para auxlio mtuo, de carter gratuito). Considerada no contexto histrico-social figurado no romance Til, a brusca reao de Jo Fera, narrada no final do excerto, explica-se

Questão 1
2014História

(FUVEST - 2014 - 2aFASE) Vivemos numa forma de governo que no se baseia nas instituies de nossos vizinhos; ao contrrio, servimos de modelo a alguns, ao invs de imitar outros. [...] Nela, enquanto no tocante s leis todos so iguais para a soluo de suas divergncias privadas, quando se trata de escolher (se preciso distinguir em algum setor), no o fato de pertencer a uma classe, mas o mrito, que d acesso aos postos mais honrosos; inversamente, a pobreza no razo para que algum, sendo capaz de prestar servios cidade, seja impedido de faz‐lo pela obscuridade de sua condio. Conduzimo‐nos liberalmente em nossa vida pblica, e no observamos com uma curiosidade suspicaz [desconfiada] a vida privada de nossos concidados, pois no nos ressentimos com nosso vizinho se ele age como lhe apraz, nem o olhamos com ares de reprovao que, embora incuos, lhe causariam desgosto. Ao mesmo tempo que evitamos ofender os outros em nosso convvio privado, em nossa vida pblica nos afastamos da ilegalidade principalmente por causa de um temor reverente, pois somos submissos s autoridades e s leis, especialmente quelas promulgadas para socorrer os oprimidos e s que, embora no escritas, trazem aos agressores uma desonra visvel a todos. Orao fnebre de Pricles, 430 a.C., in Tucdides. Histria da Guerra do Peloponeso. Braslia: Editora UnB, 2001, p. 109. Adaptado a) Com base nas informaes contidas no texto, identifique o sistema poltico nele descrito e indique suas principais caractersticas. b) Identifique a cidade que foi a principal adversria de Atenas na Guerra do Peloponeso e diferencie os sistemas polticos vigentes em cada uma delas.

Questão 2
2014História

(FUVEST 2014 - 2 fase) O problema agrrio era portanto o fundamental no ano de 1789, e fcil compreender por que a primeira escola sistematizada de economia do continente, os fisiocratas franceses, tomara como verdade o fato de que a terra, e o aluguel da terra, era a nica fonte de renda lquida. E o ponto crucial do problema agrrio era a relao entre os que cultivavam a terra e os que a possuam, os que produziam sua riqueza e os que a acumulavam. Eric Hobsbawm. A era das revolues. 1789‐1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982, p. 29. a) Caracterize o momento social e econmico por que a Frana passava no perodo a que se refere o texto. b) Quais so as principais diferenas entre as propostas fisiocratas e as prticas mercantilistas anteriores a elas?