Gabarito UERJ - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão
2020Matemática

(UERJ - 2020) Tem-se que o nmero a6a5a4a3a2a1 divisvel por 11, se o valor da expresso (a1- a2+ a3- a4 + a5-a6) tambm divisvel por 11. Por exemplo, 178409 divisvel por 11 porque: (9 - 0 + 4 - 8 + 7 - 1 = 11) divisvel por 11. Considera a senha de seis dgitos 3894xy, sendo x e y pertencentes ao conjunto {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}. Se essa senha forma um nmero divisvel por 99, o algarismo y igual a:

Questão
2020Inglês

(UERJ - 2020) THE POWER OF METAPHORS Imagine your city isnt as safe as it used to be. Robberies are on the rise, home invasions are increasing and murder rates have nearly doubled in the past three years. What should city officials do about it? Hire more cops to round up the thugs and lock them away in a growing network of prisons? Or design programs that promise more peace by addressing issues like a faltering economy and underperforming schools? Your answer and the reasoning behind it can hinge on the metaphor being used to describe the problem, according to new research by Stanford psychologists. Your thinking can even be swayed with just one word, they say. Psychology Assistant Professor Lera Boroditsky and doctoral candidate Paul Thibodeau were curious about how subtle cues and common figures of speech can frame approaches to difficult problems. Some estimates suggest that one out of every 25 words we encounter is a metaphor, said Thibodeau, the studys lead author. But 1we didnt know the extent to which these metaphors influence people. In five experiments, 2test subjects were asked to read short paragraphs about rising crime rates in the fictional city of Addison and answer questions about the city. The researchers gauged how people answered these questions in light of how crime was described as a beast or a virus. They found the test subjects proposed solutions differed a great deal depending on the metaphor they were exposed to. The results have shown that people will likely support an increase in police forces and jailing of offenders if crime is described as a beast preying on a community. But if people are told crime is a virus infecting a city, they are more inclined to treat the problem with social reform. According to Boroditsky: People like to think theyre objective. They want to believe theyre logical. But theyre really being swayed by metaphors. To get a sense of how much the metaphor really mattered, the researchers also examined what role political persuasions play in peoples approach to reducing crime. They suspected that Republicans would be more inclined to catch and incarcerate criminals than Democrats, who would prefer enacting social reforms. They found Republicans were about 10 percent more likely to suggest an enforcement-based solution. We cant talk about any complex situation like crime without using metaphors, said Boroditsky. 3Metaphors arent just used for flowery speech. They shape the conversation for things were trying to explain and figure out. And they have consequences for determining what we decide is the right approach to solving problems. While their research focused on attitudes about crime, their findings can be used to understand the implications of how a casual or calculated turn of phrase can influence debates and change minds. Adaptado de news.stanford.edu. Metaphors arent just used for flowery speech. They shape the conversation for things were trying to explain and figure out.(ref. 3) In order to clarify the meaning relation between the two sentences above, the following word can be inserted in the underlined one:

Questão
2020Espanhol

(UERJ - 2020/ adaptada) EL PODER DE LAS METFORAS Qu es una metfora? Cul es su cometido y valor? Cmo podemos servirnos de ella para prosperar y ampliar nuestra perspectiva? Intentaremos resolver stas y otras cuestiones al respecto, y procuraremos vislumbrar cmo las metforas, si se utilizan de manera efectiva, pueden configurar nuestras vidas y dirigir nuestros destinos hacia un nuevo nivel de comprensin. [...] Si nos sentimos mal acerca de algo, debemos echarles un vistazo rpido a las metforas que utilizamos para describir como nos sentimos o para referirnos al obstculo que se interpone en nuestro camino. A menudo, utilizamos metforas que intensifican nuestras sensaciones negativas. Cuando las personas experimentan dificultades, dicen con frecuencia cosas como: Siento como si todo el peso del mundo descansara sobre mis hombros. O bien: Parece como si delante de m hubiera un muro que no puedo atravesar. Estas metforas incapacitadoras pueden cambiarse en un instante, con la misma rapidez con las que fueron creadas. Las metforas no slo nos afectan como individuos, sino que tambin afectan a nuestra comunidad y al mundo. Las metforas que adoptamos culturalmente pueden configurar nuestras percepciones y acciones de manera definitoria. Nuestra crisis nacional ha generado metforas que nos convencen de ciertos patrones y comportamientos sociales a los ciudadanos, y estos actan en consecuencia corroborndolos. Adaptado de andrescuevascoach.com. A menudo, utilizamos metforas que intensifican nuestras sensaciones negativas. El trmino subrayado indica una idea de:

Questão
2020Biologia

(UERJ - 2020) A produo e a transmisso do impulso nervoso nos neurnios tm origem no mecanismo da bomba de sdio-potssio. Esse mecanismo responsvel pelo transporte de onsNa+para o meio extracelular eK+para o interior da clula, gerando o sinal eltrico. A ilustrao abaixo representa esse processo. O axnio de algumas clulas nervosas envolvido pela bainha de mielina, uma membrana plasmtica rica em lipdeos. Observe: A composio da bainha de mielina permite que ela desempenhe a seguinte funo:

Questão
2020Inglês

(UERJ - 2020) THE FLAT EARTH CRUISE: SERIOUSLY, PEOPLE? Organizers of an annual conference that brings together people who believe that our planet is not round are planning a cruise to the supposed edge of the Earth. Theyre looking for the ice wall that holds back the oceans. The journey will take place in 2020, the Flat Earth International Conference (FEIC) recently announced on its website. The goal? To test so-called flat-Earthers assertion that the Earth is a flattened disk surrounded at its edge by a towering wall of ice. Details about the event, including the dates, are forthcoming, according to the FEIC, which calls the cruise the biggest, boldest adventure yet. However, its worth noting that nautical maps and navigation technologies such as global positioning systems (GPS) work as they do because the Earth is a globe. Believers in a flat Earth argue that images showing a curved horizon are fake and that photos of a round Earth from space are part of a vast conspiracy perpetrated by NASA and other space agencies to hide Earths flatness. This likely began during the cold war, the Flat Earth Society (FES) says. The U.S.S.R. and U.S.A. were obsessed with beating each other into space to the point that each faked their accomplishments in an attempt to keep pace with the others supposed achievements. These and other flat-Earth assertions appear on the website of the FES, allegedly the worlds oldest official flat Earth organization, dating to the early 1800s. However, the ancient Greeks demonstrated that Earth was a sphere more than 2.000 years ago, and the gravity that keeps everything on the planet from flying off into space could exist only on a spherical world. But in diagrams shared on the FES website, the planet appears as a pancake-like disk with the North Pole smacked in the center and an edge surrounded on all sides by an ice wall that holds the oceans back. This ice wall thought by some flat-Earthers to be Antarctica is the destination of the promised FEIC cruise. Theres just one catch: navigational charts and systems that guide cruise ships and other vessels around the Earths oceans are all based on the principle of a round Earth, says Henk Keijer, a former cruise ship captain with 23 years of experience. GPS relies on a network of dozens of satellites orbiting thousands of miles above Earth; signals from the satellites beam down to the receiver inside of a GPS device, and at least three satellites are required to pinpoint a precise position because of Earths curvature, Keijer explained. Had the Earth been flat, a total of three satellites would have been enough to provide this information to everyone on Earth. He adds: But it is not enough, because the Earth is round. Whether or not, the FEIC cruise will rely on GPS or deploy an entirely new flat-Earth-based navigation system for finding the end of the world remains to be seen. Adaptado de livescience.com, 30/05/2017. Had the Earth been flat, a total of three satellites would have been enough to provide this information. In relation to the rest of the statement, the underlined fragment has the objective of:

Questão
2020Matemática

(UERJ - 2020) Admita que, em dezembro de 2014, uma filha tinha 20 anos e seu pai, 50. Em dezembro de 2024, a razo entre as idades da filha e do pai ser de:

Questão
2019Matemática

Seis times de futebol disputaram um torneio no qual cada time jogou apenas uma vez contra cada adversrio. A regra de pontuao consistia em marcar 0 ponto para o time perdedor, 3pontos para o time vencedor e, no caso de empate, 1 ponto para cada time. A tabela mostra a pontuao final do torneio. Times A B C D E F Pontos 9 6 4 2 6 13 O nmero de empates nesse torneio foi igual a:

Questão
2019Português

(UERJ 2019) Soneto de separao De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mos espalmadas fez-se o espanto. De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a ltima chama E da paixo fez-se o pressentimento E do momento imvel fez-se o drama. De repente, no mais que de repente Fez-se de triste o que se fez amante E de sozinho o que se fez contente. Fez-se do amigo prximo o distante Fez-se da vida uma aventura errante De repente, no mais que de repente. MORAES, Vincius de. Livro de Sonetos. So Paulo:Companhia das Letras, 2009 Uma srie de transformaes apresentada pelo verbofazeracompanhado da palavrase. Na cena construda no poema, essa estrutura lingustica produz o seguinte efeito:

Questão
2019Inglês

(UERJ - 2019) The effect of climate change on epidemic risk The potential impacts of climate change have returned to headlines in recent weeks as scientists, activists and policy makers try to understand the possible implications of a warming planet. While rising temperatures and sea levels are important to be considered, changing climate patterns can have vast implications for epidemic risk as well. Changes in global climate patterns have been widely1 discussed; however, rising temperatures also have implications for risk reduction and management, including impacts on infectious disease epidemics. With 2016 the hottest year ever recorded and 2017 following suit, we anticipate a continued growth in the distribution of disease agents, like mosquitoes and ticks. These can spread illnesses such as zika, yellow fever and dengue to areas where they previously could not be effectively2 transmitted. As predicted by climate scientists, increases in extreme weather events may also lead to increases in infectious disease outbreaks. Epidemics have previously been seen as a consequence of natural disasters, which can lead to displaced and crowded populations, the ideal situation for infection transmission. Severe rainfall or flooding is particularly3 effective at creating environments suitable for the transmission and propagation of infectious diseases, such as measles or cholera. Even without rising to the level of a natural catastrophe, significant variation in weather patterns can result in changes in human and animal interactions, increasing the potential for pathogens to move from animals into human populations. For example, unusually heavy rains may predispose regions to ebola outbreaks by creating more favorable environments for bats hosting the virus. Similarly4, food scarcity brought about by drought, political instability or animal disease may lead to more animal hunting, therefore raising the risk for ebola virus epidemic. It is important to take note of the impact of climate change on epidemic risk, but it is equally important to prepare for its impact on global health. The global health community has largely come to realize that public health preparedness is crucial to responding efficiently to infectious disease outbreaks. For this reason, our work is, then, centered around helping governments manage and quantify infectious disease risk. Besides, regardless of weather patterns, insights into epidemics and into mechanisms for ensuring adequate support are critical for managing this risk. Since the public health community agrees that the question is not if another outbreak will happen, but when, the steps we take in the coming years to prepare for and reduce the increasing frequency of outbreaks will determine the broader implications these diseases have on our world. contagionlive.com The global health community has largely come to realize that public health preparedness is crucial (ref. 5) Another word from the text that may replace the underlined one above without significant change in meaning is:

Questão
2019História

(Uerj 2019)No início da noite de 26 de janeiro de 1893, por ordem do prefeito do Distrito Federal, Cândido Barata Ribeiro, a polícia ocupou o mais célebre dos cortiços cariocas, conhecido como Cabeça de Porco, no centro da cidade. A estalagem, conjunto de casinhas onde viviam de 400 a 2000 pessoas, foi em seguida desocupada, sem que se desse aos moradores o tempo necessário para recolherem suas coisas. Em poucas horas, foi demolida. Não tardou para que a expressão cabeça de porco se impusesse como sinônimo de cortiço. Adaptado de projetomemoria.art.br. A ordem de desocupação e demolição do famoso cortiço em 1893, ironizada em capa de revista da época, representou mudanças na ação do então prefeito com relação aos problemas sociais da cidade do Rio de Janeiro. Um desses problemas sociais e o objetivo dessa demolição estão indicados, respectivamente, em:

Questão
2019História

(Uerj 2019) Tratado de Versalhes (1919) PARTE VII Sanções Artigo 227 As Potências aliadas ou associadas acusam publicamente a Guilherme II de Hohenzollern, ex-Imperador da Alemanha, por ofensa suprema contra a moral internacional e a autoridade sagrada dos Tratados. PARTE VIII Reparações Artigo 231 Os Governos aliados e associados declaram e a Alemanha reconhece que ela e seus aliados são responsáveis por haver causado todas as perdas e todos os prejuízos que sofreram os Governos aliados e associados e seus cidadãos, como consequência da guerra que foi imposta pela agressão da Alemanha e de seus aliados. (Adaptado de cervantesvirtual.com). O Tratado de Versalhes foi elaborado no contexto das negociações de paz após o fim da Primeira Guerra Mundial (1914-1918). A partir do texto, observa-se que no tratado foram instituídas cláusulas para o governo alemão com base no seguinte princípio:

Questão
2019Geografia

(Uerj 2019) A cidade dos sonhos do arquiteto Le Corbusier teve enorme impacto em nossas cidades. Ele procurou fazer do planejamento para automóveis um elemento essencial do seu projeto. Traçou grandes artérias de mão única para trânsito expresso. Reduziu o número de ruas porque os cruzamentos são inimigos do tráfego. Manteve os pedestres fora das ruas e dentro dos parques. Essa visão deu enorme impulso aos defensores do zoneamento urbano e dos conceitos de superquadra. Não importava quão vulgar ou acanhado fosse o projeto, quão árido ou inútil o espaço, quão monótona fosse a vista, a imitação de Le Corbusier gritava: Olhem o que eu fiz!. Adaptado de JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000. O texto expressa a crítica de Jane Jacobs a um modelo urbanístico importante ao longo do século XX. A escritora defendia a mistura de usos no espaço urbano de forma a valorizá-lo e a fortalecer o convívio. A cidade que apresenta o predomínio do padrão urbano criticado por Jane Jacobs é:

Questão
2019Física

(UERJ - 2019) Em um equipamento industrial, duas engrenagens, A e B, giram 100 vezes por segundo e 6000 vezes por minuto, respectivamente. O perodo da engrenagem A equivale ae o da engrenagem B, a. A razo igual a:

Questão
2019Física

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Três teses sobre o avanço da febre amarela Como a febre amarela rompeu os limites da Floresta Amazônica e alcançou o Sudeste, atingindo os grandes centros urbanos? A partir do ano passado, o número de casos da doença alcançou níveis sem precedentes nos últimos cinquenta anos. 1Desde o início de 2017, foram confirmados 779 casos, 262 deles resultando em mortes. Trata-se do maior surto da forma silvestre da doença já registrado no país. Outros 435 registros ainda estão sob investigação. Como tudo começou? Os navios portugueses vindos da África nos séculos XVII e XVIII não trouxeram ao Brasil somente escravos e mercadorias. 2Dois inimigos silenciosos vieram junto: o vírus da febre amarela e o mosquito Aedes aegypti. A consequência foi uma série de surtos de febre amarela urbana no Brasil, com milhares de mortos. Por volta de 1940, a febre amarela urbana foi erradicada. Mas o vírus migrou, pelo trânsito de pessoas infectadas, para zonas de floresta na região Amazônica. No início dos anos 2000, a febre amarela ressurgiu em áreas da Mata Atlântica. Três teses tentam explicar o fenômeno. Segundo o professor Aloísio Falqueto, da Universidade Federal do Espírito Santo, uma pessoa pegou o vírus na Amazônia e entrou na Mata Atlântica depois, possivelmente na altura de Montes Claros, em Minas Gerais, onde surgiram casos de macacos e pessoas infectadas. O vírus teria se espalhado porque os primatas da mata eram vulneráveis: como o vírus desaparece da região na década de 1940, não desenvolveram anticorpos. Logo os macacos passaram a ser mortos por seres humanos que temem contrair a doença. 3O massacre desses bichos, porém, é um tiro no pé, o que faz crescer a chance de contaminação de pessoas. Sem primatas para picar na copa das árvores, os mosquitos procuram sangue humano. De acordo com o pesquisador Ricardo Lourenço, do Instituto Oswaldo Cruz, os mosquitos transmissores da doença se deslocaram do Norte para o Sudeste, voando ao longo de rios e corredores de mata. Estima-se que um mosquito seja capaz de voar 3 km por dia. 4Tanto o homem quanto o macaco, quando picados, só carregam o vírus da febre amarela por cerca de três dias. Depois disso, o organismo produz anticorpos. Em cerca de dez dias, primatas e humanos ou morrem ou se curam, tornando-se imunes à doença. Para o infectologista Eduardo Massad, professor da Universidade de São Paulo, o rompimento da barragem da Samarco, em Mariana (MG), em 2015, teve papel relevante na disseminação acelerada da doença no Sudeste. A destruição do habitat natural de diferentes espécies teria reduzido significativamente os predadores naturais dos mosquitos. A tragédia ambiental ainda teria afetado o sistema imunológico dos macacos, tornando-os mais suscetíveis ao vírus. Por que é importante determinar a viagem do vírus? Basicamente, para orientar as campanhas de vacinação. Em 2014, Eduardo Massad elaborou um plano de imunização depois que 11 pessoas morreram vítimas de febre amarela em Botucatu (SP): Eu fiz cálculos matemáticos para determinar qual seria a proporção da população nas áreas não vacinadas que deveria ser imunizada, considerando os riscos de efeitos adversos da vacina. Infelizmente, a Secretaria de Saúde não adotou essa estratégia. Os casos acontecem exatamente nas áreas onde eu havia recomendado a vacinação. A Secretaria está correndo atrás do prejuízo. Desde julho de 2017, mais de 100 pessoas foram contaminadas em São Paulo e mais de 40 morreram. O Ministério da Saúde afirmou em nota que, desde 2016, os estados e municípios vêm sendo orientados para a necessidade de intensificar as medidas de prevenção. A orientação é que pessoas em áreas de risco se vacinem. NATHALIA PASSARINHO Adaptado de bbc.com, 06/02/2018. Estima-se que um mosquito seja capaz de voar 3,0 kmpor dia, como informa o texto. Nessas condições, a velocidade média do mosquito corresponde, em km/h, a:

Questão
2019Biologia

(Uerj 2019) Macromoléculas polares são capazes de atravessar a membrana plasmática celular, passando do meio externo para o meio interno da célula. Essa passagem é possibilitada pela presença do seguinte componente na membrana plasmática:

NOVIDADES
Kuadro