Gabarito ENEM - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 117
2009Português

(Enem 2009) Cano do vento e da minha vida O vento varria as folhas, O vento varria os frutos, O vento varria as flores... E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De frutos, de flores, de folhas. [...] O vento varria os sonhos E varria as amizades... O vento varria as mulheres... E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De afetos e de mulheres. O vento varria os meses E varria os teus sorrisos... O vento varria tudo! E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De tudo. BANDEIRA, M. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Jos Aguilar, 1967. Na estruturao do texto, destaca-se

Questão 118
2009Português

(Enem 2009) Cano do vento e da minha vida O vento varria as folhas, O vento varria os frutos, O vento varria as flores... E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De frutos, de flores, de folhas. [...] O vento varria os sonhos E varria as amizades... O vento varria as mulheres... E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De afetos e de mulheres. O vento varria os meses E varria os teus sorrisos... O vento varria tudo! E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De tudo. BANDEIRA, M.Poesia completa e prosa.Rio de Janeiro: Jos Aguilar, 1967. Predomina no texto a funo da linguagem

Questão 119
2009Português

(ENEM- 2009) Texto I O professor deve ser um guia seguro, muito senhor de sualngua; se outra for a orientao, vamos cair na lngua brasileira, refgio nefasto e confisso nojenta de ignorncia do idioma ptrio, recurso vergonhoso de homens de cultura falsa e de falso patriotismo. Como havemos de querer que respeitem a nossa nacionalidade se somos os primeiros a descuidar daquilo que exprime e representa o idioma ptrio? ALMEIDA, N. M. Gramtica metdica da lngua portuguesa. Prefcio. So Paulo: Saraiva, 1999 (adaptado). Texto II Alguns leitores podero achar que a linguagem desta Gramtica se afasta do padro estrito usual neste tipo de livro. Assim, o autor escrevetenho que reformular, e notenho de reformular;pode-se colocar dois constituintes, e nopodem-se colocar dois constituintes; e assim por diante. Isso foi feito de caso pensado, com a preocupao de aproximar a linguagem da gramtica do padro atual brasileiro presente nos textos tcnicos e jornalsticos de nossa poca. REIS, N. Nota do editor. PERINI, M. A. Gramtica descritiva do portugus. So Paulo: tica, 1996. Confrontando-se as opinies defendidas nos dois textos, conclui-se que:

Questão 120
2009Português

(Enem 2009) Se os tubares fossem homens Se os tubares fossem homens, eles seriam mais gentis com os peixes pequenos? Certamente, se os tubares fossem homens, fariam construir resistentes gaiolas no mar para os peixes pequenos, com todo o tipo de alimento, tanto animal como vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre gua fresca e adotariam todas as providncias sanitrias. Naturalmente haveria tambm escolas nas gaiolas. Nas aulas, os peixinhos aprenderiam como nadar para a goela dos tubares. Eles aprenderiam, por exemplo, a usar a geografia para localizar os grandes tubares deitados preguiosamente por a. A aula principal seria, naturalmente, a formao moral dos peixinhos. A eles seria ensinado que o ato mais grandioso e mais sublime o sacrifcio alegre de um peixinho e que todos deveriam acreditar nos tubares, sobretudo quando estes dissessem que cuidavam de sua felicidade futura. Os peixinhos saberiam que este futuro s estaria garantido se aprendessem a obedincia. Cada peixinho que na guerra matasse alguns peixinhos inimigos seria condecorado com uma pequena Ordem das Algas e receberia o ttulo de heri. BRECHT, B. Histrias do Sr. Keuner. So Paulo: Ed. 34, 2006 (adaptado). Como produo humana, a literatura veicula valores que nem sempre esto representados diretamente no texto, mas so transfigurados pela linguagem literria e podem at entrar em contradio com as convenes sociais e revelar o quanto a sociedade perverteu os valores humanos que ela prpria criou. o que ocorre na narrativa do dramaturgo alemo Bertolt Brecht mostrada. Por meio da hiptese apresentada, o autor

Questão 121
2009Português

(Enem 2009) No decnio de 1870, Franklin Tvora defendeu a tese de que no Brasil havia duas literaturas independentes dentro da mesma lngua: uma do Norte e outra do Sul, regies segundo ele muito diferentes por formao histrica, composio tnica, costumes, modismos lingusticos etc. Por isso, deu aos romances regionais que publicou o ttulo geral de Literatura do Norte. Em nossos dias, um escritor gacho, Viana Moog, procurou mostrar com bastante engenho que no Brasil h, em verdade, literaturas setoriais diversas, refletindo as caractersticas locais. CANDIDO, A. A nova narrativa. A educao pela noite e outros ensaios. So Paulo: tica, 2003. Com relao valorizao, no romance regionalista brasileiro, do homem e da paisagem de determinadas regies nacionais, sabe-se que

Questão 122
2009Português

(Enem 2009) Quando eu falo com vocs, procuro usar o cdigo de vocs. A figura do ndio no Brasil de hoje no pode ser aquela de 500 anos atrs, do passado, que representa aquele primeiro contato. Da mesma forma que o Brasil de hoje no o Brasil de ontem, tem 160 milhes de pessoas com diferentes sobrenomes. Vieram para c asiticos, europeus, africanos, e todo mundo quer ser brasileiro. A importante pergunta que ns fazemos : qual o pedao de ndio que vocs tm? O seu cabelo? So seus olhos? Ou o nome da sua rua? O nome da sua praa? Enfim, vocs devem ter um pedao de ndio dentro de vocs. Para ns, o importante que vocs olhem para a gente como seres humanos, como pessoas que nem precisam de paternalismos, nem precisam ser tratadas com privilgios. Ns no queremos tomar o Brasil de vocs, ns queremos compartilhar esse Brasil com vocs. TERENA, M. Debate. MORIN, E. Saberes globais e saberes locais. Rio de Janeiro: Garamond, 2000 (adaptado). Na situao de comunicao da qual o texto foi retirado, a norma padro da lngua portuguesa empregada com a finalidade de

Questão 123
2009Português

(Enem 2009) Quando eu falo com vocs, procuro usar o cdigo de vocs. A figura do ndio no Brasil de hoje no pode ser aquela de 500 anos atrs, do passado, que representa aquele primeiro contato. Da mesma forma que o Brasil de hoje no o Brasil de ontem, tem 160 milhes de pessoas com diferentes sobrenomes. Vieram para c asiticos, europeus, africanos, e todo mundo quer ser brasileiro. A importante pergunta que ns fazemos : qual o pedao de ndio que vocs tm? O seu cabelo? So seus olhos? Ou o nome da sua rua? O nome da sua praa? Enfim, vocs devem ter um pedao de ndio dentro de vocs. Para ns, o importante que vocs olhem para a gente como seres humanos, como pessoas que nem precisam de paternalismos, nem precisam ser tratadas com privilgios. Ns no queremos tomar o Brasil de vocs, ns queremos compartilhar esse Brasil com vocs. TERENA, M. Debate. MORIN, E.Saberes globais e saberes locais.Rio de Janeiro: Garamond, 2000 (adaptado). Os procedimentos argumentativos utilizados no texto permitem inferir que o ouvinte/leitor, no qual o emissor foca o seu discurso, pertence

Questão 124
2009Português

(Enem 2009) Oximoro, ou paradoxismo, uma figura de retrica em que se combinam palavras de sentido oposto que parecem excluir-se mutuamente, mas que, no contexto, reforam a expresso. Dicionrio Eletrnico Houaiss da Lngua Portuguesa. Considerando a definio apresentada, o fragmento potico da obra Cantares, de Hilda Hilst, publicada em 2004, em que pode ser encontrada a referida figura de retrica :

Questão 125
2009Português

(Enem 2009) Na parte superior do anncio, h um comentrio escrito mo que aborda a questo das atividades lingusticas e sua relao com as modalidades oral e escrita da lngua. Esse comentrio deixa evidente uma posio crtica quanto a usos que se fazem da linguagem, enfatizando ser necessrio

Questão 126
2009Português

(ENEM 2009) O texto exemplifica um gnero textual hbrido entre carta e publicidade oficial. Em seu contedo, possvel perceber aspectos relacionados a gneros digitais. Considerando-se a funo social das informaes geradas nos sistemas de comunicao e informao presentes no texto, infere-se que

Questão 127
2009Português

(Enem 2009) Diante dos recursos argumentativos utilizados, depreendese que o texto apresentado

Questão 128
2009Português

(Enem 2009) A partida Acordei pela madrugada. A princpio com tranquilidade, e logo com obstinao, quis novamente dormir. Intil, o sono esgotara-se. Com precauo, acendi um fsforo: passava das trs. Restava-me, portanto, menos de duas horas, pois o trem chegaria s cinco. Veio-me ento o desejo de no passar mais nem uma hora naquela casa. Partir, sem dizer nada, deixar quanto antes minhas cadeias de disciplina e de amor. Com receio de fazer barulho, dirigi-me cozinha, lavei o rosto, os dentes, penteei-me e, voltando ao meu quarto, vesti-me. Calcei os sapatos, sentei-me um instante beira da cama. Minha av continuava dormindo. Deveria fugir ou falar com ela? Ora, algumas palavras... Que me custava acord-la, dizer-lhe adeus? LINS, Osman. A partida. Melhores contos. Seleo e prefcio de Sandra Nitrini. So Paulo: Global, 2003. No texto, o personagem-narrador, na iminncia da partida, descreve a sua hesitao em separar-se da av. Esse sentimento contraditrio fica claramente expresso no trecho:

Questão 129
2009Português

(Enem 2009) Serafim da Silva Neto defendia a tese da unidade da lngua portuguesa no Brasil, entrevendo que no Brasil as delimitaes dialetais espaciais no eram to marcadas como as isoglossas1 da Romnia Antiga. Mas Paul Teyssier, na sua Histria da Lngua Portuguesa, reconhece que na diversidade socioletal essa pretensa unidade se desfaz. Diz Teyssier: A realidade, porm, que as divises dialetais‟ no Brasil so menos geogrficas que socioculturais. As diferenas na maneira de falar so maiores, num determinado lugar, entre um homem culto e o vizinho analfabeto que entre dois brasileiros do mesmo nvel cultural originrios de duas regies distantes uma da outra. SILVA, R. V. M. O portugus brasileiro e o portugus europeu contemporneo: alguns aspectos da diferena. Disponvel em: www.uniroma.it. Acesso em: 23 jun. 2008. 1isoglossa linha imaginria que, em um mapa, une os pontos de ocorrncia de traos e fenmenos lingusticos idnticos. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionrio Aurlio da lngua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. De acordo com as informaes presentes no texto, os pontos de vista de Serafim da Silva Neto e de Paul Teyssier convergem em relao

Questão 130
2009Português

(Enem 2009) Nestes ltimos anos, a situao mudou bastante e o Brasil, normalizado, j no nos parece to mtico, no bem e no mal. Houve um mtuo reconhecimento entre os dois pases de expresso portuguesa de um lado e do outro do Atlntico: o Brasil descobriu Portugal e Portugal, em um retorno das caravelas, voltou a descobrir o Brasil e a ser, por seu lado, colonizado por expresses lingusticas, as telenovelas, os romances, a poesia, a comida e as formas de tratamento brasileiros. O mesmo, embora em nvel superficial, dele excludo o plano da lngua, aconteceu com a Europa, que, depois da dispora dos anos 70, depois da insero na cultura da bossa-nova e da msica popular brasileira, da problemtica ecolgica centrada na Amaznia, ou da problemtica social emergente do fenmeno dos meninos de rua, e at do libi ocultista dos romances de Paulo Coelho, continua todos os dias a descobrir, no bem e no mal, o novo Brasil. Se, no fim do sculo XIX, Slvio Romero definia a literatura brasileira como manifestao de um pas mestio, ser fcil para ns defini-la como expresso de um pas polifnico: em que j no determinante o eixo Rio-So Paulo, mas que, em cada regio, desenvolve originalmente a sua unitria e particular tradio cultural. esse, para ns, no incio do sculo XXI, o novo estilo brasileiro. STEGAGNO-PICCHIO, L. Histria da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2004 (adaptado). No texto, a autora mostra como o Brasil, ao longo de sua histria, foi, aos poucos, construindo uma identidade cultural e literria relativamente autnoma frente identidade europeia, em geral, e portuguesa em particular. Sua anlise pressupe, de modo especial, o papel do patrimnio literrio e lingustico, que favoreceu o surgimento daquilo que ela chama de estilo brasileiro. Diante desse pressuposto, e levando em considerao o texto e as diferentes etapas de consolidao da cultura brasileira, constata-se que

Questão 131
2009Português

(Enem 2009) Confidncia do Itabirano Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. Noventa por cento de ferro nas caladas. Oitenta por cento de ferro nas almas. E esse alheamento do que na vida porosidade e [comunicao. A vontade de amar, que me paralisa o trabalho, vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e [sem horizontes. E o hbito de sofrer, que tanto me diverte, doce herana itabirana. De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereo: esta pedra de ferro, futuro ao do Brasil, este So Benedito do velho santeiro Alfredo Duval; este couro de anta, estendido no sof da sala de visitas; este orgulho, esta cabea baixa... Tive ouro, tive gado, tive fazendas. Hoje sou funcionrio pblico. Itabira apenas uma fotografia na parede. Mas como di! ANDRADE, C. D. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003. Carlos Drummond de Andrade um dos expoentes do movimento modernista brasileiro. Com seus poemas, penetrou fundo na alma do Brasil e trabalhou poeticamente as inquietudes e os dilemas humanos. Sua poesia feita de uma relao tensa entre o universal e o particular, como se percebe claramente na construo do poema Confidncia do Itabirano. Tendo em vista os procedimentos de construo do texto literrio e as concepes artsticas modernistas, conclui-se que o poema acima

NOVIDADES
Kuadro