Gabarito ENEM - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 123
2016Português

(ENEM 2016) A principal razo pela qual se infere que o espetculo retratado na fotografia uma manifestao do teatro de rua o fato de

Questão 124
2016Português

(ENEM 2016) O humor e a lngua H algum tempo, venho estudando as piadas, com nfase em sua constituio lingustica. Por isso, embora a afirmao a seguir possa parecer surpreendente, creio que posso garantir que se trata de uma verdade quase banal: as piadas fornecem simultaneamente um dos melhores retratos dos valores e problemas de uma sociedade, por um lado, e uma coleo de fatos e dados impressionantes para quem quer saber o que e como funciona uma lngua, por outro. Se se quiser descobrir os problemas com os quais uma sociedade se debate, uma coleo de piadas fornecer excelente pista: sexualidade, etnia/raa e outras diferenas, instituies (igreja, escola, casamento, poltica), morte, tudo isso est sempre presente nas piadas que circulam anonimamente e que so ouvidas e contadas por todo mundo em todo o mundo. Os antroplogos ainda no prestaram a devida ateno a esse material, que poderia substituir com vantagem muitas entrevistas e pesquisas participantes. Saberemos mais a quantas andam o machismo e o racismo, por exemplo, se pesquisarmos uma coleo de piadas do que qualquer outro corpus. POSSENTI, S. Cincia Hoje, n. 176, out. 2001 (adaptado). A piada um gnero textual que figura entre os mais recorrentes na cultura brasileira, sobretudo na tradio oral. Nessa reflexo, a piada enfatizada por

Questão 125
2016Português

(Enem 2016) O filme Menina de ouro conta a histria de Maggie Fitzgerald, uma garonete de 31 anos que vive sozinha em condies humildes e sonha em se tornar uma boxeadora profissional treinada por Frankie Dunn. Em uma cena, assim que o treinador atravessa a porta do corredor onde ela se encontra, Maggie o aborda e, a caminho da sada, pergunta a ele se est interessado em trein-la. Frankie responde: Eu no treino garotas. Aps essa fala, ele vira as costas e vai embora. Aqui, percebemos, em Frankie, um comportamento ancorado na representao de que boxe esporte de homem e, em Maggie, a superao da concepo de que os ringues so tradicionalmente masculinos. Historicamente construda, a feminilidade dominante atribui a submisso, a fragilidade e a passividade a uma natureza feminina. Numa concepo hegemnica dos gneros, feminilidades e masculinidades encontram-se em extremidades opostas. No entanto, algumas mulheres, indiferentes s convenes sociais, sentem-se seduzidas e desafiadas a aderirem prtica das modalidades consideradas masculinas. o que observamos em Maggie, que se mostra determinada e insiste em seu objetivo de ser treinada por Frankie. FERNANDES. V; MOURO. L. Menina de ouro e a representao de feminilidades plurais. Movimento, n. 4, out-dez. 2014 (adaptado). A insero da personagem Maggie na prtica corporal do boxe indica a possibilidade da construo de uma feminilidade marcada pela:

Questão 126
2016Português

(Enem 2016) Entrevista com Terezinha Guilhermina Terezinha Guilhermina uma das atletas mais premiadas da histria paraolmpica do Brasil e um dos principais nomes do atletismo mundial. Est no Guinness Book de 2013/2014 como a cega mais rpida do mundo. Observatrio: Quais os desafios voc teve que superar para se consagrar como atleta profissional? Terezinha Guilhermina: Considero a ausncia de recursos financeiros, nos trs primeiros anos da minha carreira, como meu principal desafio. A falta de um atleta-guia, para me auxiliar nos treinamentos, me obrigava a treinar sozinha e, por no enxergar bem, acabava sofrendo alguns acidentes como trombadas e quedas. Observatrio: Como est a preparao para os Jogos Paraolmpicos de 2016? Terezinha Guilhermina: Estou trabalhando intensamente, com vistas a chegar l bem melhor do que estive em Londres. E, por isso, posso me dedicar a treinos dirios, trabalhos preventivos de leses e acompanhamento psicolgico e nutricional da melhor qualidade. Revista do Observatrio Brasil de igualdade de Gnero, n. 6, dez. 2014 (adaptado). O texto permite relacionar uma prtica corporal com uma viso ampliada de sade. O fator que possibilita identificar essa perspectiva o(a) a:

Questão 127
2016Português

(Enem 2016) possvel considerar as modalidades esportivas coletivas dentro de uma mesma lgica, pois possuem uma estrutura comum: seis princpios operacionais divididos em dois grupos, o ataque e a defesa. Os trs princpios operacionais de ataque so: conservao individual e coletiva da bola, progresso da equipe com a posse da bola em direo ao alvo adversrio e finalizao da jogada, visando a obteno de ponto. Os trs princpios operacionais da defesa so: recuperao da bola, impedimento do avano da equipe contrria com a posse da bola e proteo do alvo para impedir a finalizao da equipe adversria. DAOLIO, J. Jogos esportivos coletivos: dos princpios operacionais aos gestos tcnicos modelo pendular a partir das ideias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Cincia eMovimento, out. 2002 (adaptado). Considerando os princpios expostos no texto, o drible no handebol caracteriza o princpio de

Questão 128
2016Português

(Enem 2016) Bons dias! 14 de junho de 1889 Ó doce, ó longa, ó inexprimível melancolia dos jornais velhos! Conhece-se um homem diante de um deles. Pessoa que não sentir alguma coisa ao ler folhas de meio século, bem pode crer que não terá nunca uma das mais profundas sensações da vida, igual ou quase igual à que dá a vista das ruínas de uma civilização. Não é a saudade piegas, mas a recomposição do extinto, a revivescência do passado. ASSIS. M. Bons dias! (Crônicas 1885-1839). Campinas Editora da Unicamp, São Paulo: Hucitec, 1590. O jornal impresso é parte integrante do que hoje se compreende por tecnologias de informação e comunicação. Nesse texto, o jornal é reconhecido como

Questão 129
2016Português

(ENEM 2016) TEXTO I TEXTO II Tenho um rosto lacerado por rugas secas e profundas, sulcos na pele. No um rosto desfeito, como acontece com pessoas de traos delicados, o contorno o mesmo mas a matria foi destruda. Tenho um rosto destrudo. DURAS, M. O amante. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. Na imagem e no texto do romance de Marguerite Duras, os dois autorretratos apontam para o modo de representao da subjetividade moderna. Na pintura e na literatura modernas, o rosto humano deforma-se, destri-se ou fragmenta-se em razo

Questão 130
2016Português

(Enem 2016) Lições de motim DONA COTINHA É claro! Só gosta de solidão quem nasceu pra ser solitário. Só o solitário gosta de solidão. Quem vive só e não gosta da solidão não é um solitário, é só um desacompanhado. (A reflexão escorrega lá pro fundo da alma.) Solidão é vocação, besta de quem pensa que é sina. Por isso, tem de ser valorizada. E não é qualquer um que pode ser solitário, não. Ah, mas não é mesmo! É preciso ter competência pra isso. (De súbito, pedagógica, volta-se para o homem.) É como poesia, sabe, moço? Tem de ser recitada em voz alta, que é pra gente sentir o gosto. (FAZ UMA PAUSA.) Você gosta de poesia? (O HOMEM TORNA A SE DEBATER. A VELHA INTERROMPE O DISCURSO E VOLTA A LHE DAR AS COSTAS, COMO SEMPRE, IMPASSÍVEL. O HOMEM, MAIS UMA VEZ, CANSADO, DESISTE.) Bem, como eu ia dizendo, pra viver bem com a solidão temos de ser proprietários dela e não inquilinos, me entende? Quem é inquilino da solidão não passa de um abandonado. É isso aí. ZORZETFI, H. Lições de motim. Goiânia: Kelps. 2010 (adaptado). Nesse trecho, o que caracteriza Lições de motim como texto teatral?

Questão 131
2016Português

(Enem 2016) A obra de Tlio Piva poderia ser objeto de estudo nos bancos escolares, ao lado de Noel, Ataulfo e Lupicnio. Se o criador optou por permanecer em sua querncia Santiago, e depois Porto Alegre, a obra alou voos mais altos, com passagens na Rssia, Estados Unidos e Venezuela. Tem que ter mulata, seu samba maior, coisa de craque. Um retrato feito de ritmo e poesia, uma ode ao gnero que amou desde sempre. E o paradoxo: misto de gacho e italiano, nascido na fronteira com a Argentina, falando de samba, morro e mulata, com categoria. E que categoria! Uma batida de violo que fez histria. O tango transmudado em samba. RAMIREZ, H.; PIVA, R. (Org.). Tlio Piva: pra ser samba brasileiro. Porto Alegre: Programa Petrobras Cultural. 2005 (adaptado). O texto um trecho da crtica musical sobre a obra de Tlio Piva. Para enfatizar a qualidade do artista, usou-se como recurso argumentativo o(a):

Questão 132
2016Português

(ENEM 2016) L.J.C. 5 tiros? . Brincando de pegador? . O PM pensou que... Hoje? Cedinho. COELHO, M. In: FREIRE, M. (Org.). Os cem menores contos brasileiros do sculo. So Paulo: Ateli Editorial, 2004. Os sinais de pontuao so elementos com importantes funes para a progresso temtica. Nesse miniconto, as reticncias foram utilizadas para indicar

Questão 133
2016Português

(Enem 2016) O nome do inseto pirilampo (vaga-lume) tem uma interessante certido de nascimento. De repente, no fim do sculo XVII, os poetas de Lisboa repararam que no podiam cantar o inseto luminoso, apesar de ele ser um manancial de metforas, pois possua um nome indecoroso que no podia ser usado em papis srios: caga-lume. Foi ento que o dicionarista Raphael Bluteau inventou a nova palavra, pirilampo, a partir do grego pyr, significando fogo, e lampas, candeia. FERREIRA, M. B. Caminhos do portugus: exposio comemorativa do Ano Europeu das Lnguas. Portugal: Biblioteca Nacional, 2001 (adaptado). O texto descreve a mudana ocorrida na nomeao do inseto, por questes de tabu lingustico. Esse tabu diz respeito

Questão 134
2016Português

(ENEM 2016) Primeira lio Os gneros de poesia so: lrico, satrico, didtico, pico, ligeiro. O gnero lrico compreende o lirismo. Lirismo a traduo de um sentimento subjetivo, sincero e pessoal. a linguagem do corao, do amor. O lirismo assim denominado porque em outros tempos os versos sentimentais eram declamados ao som da lira. O lirismo pode ser: a) Elegaco, quando trata de assuntos tristes, quase sempre a morte. b) Buclico, quando versa sobre assuntos campestres. c) Ertico, quando versa sobre o amor. O lirismo elegaco compreende a elegia, a nnia, a endecha, o epitfio e o epicdio. Elegia uma poesia que trata de assuntos tristes. Nnia uma poesia em homenagem a uma pessoa morta. Era declamada junto fogueira onde o cadver era incinerado. Endecha uma poesia que revela as dores do corao. Epitfio um pequeno verso gravado em pedras tumulares. Epicdio uma poesia onde o poeta relata a vida de uma pessoa morta. CESAR, A. C. Potica. So Paulo: Companhia das Letras, 2013. No poema de Ana Cristina Cesar, a relao entre as definies apresentadas e o processo de construo do texto indica que o(a)

Questão 135
2016Português

(ENEM 2016) Voc pode no acreditar Voc pode no acreditar: mas houve um tempo em que os leiteiros deixavam as garrafinhas de leite do lado de fora das casas, seja ao p da porta, seja na janela. A gente ia de uniforme azul e branco para o grupo, de manhzinha, passava pelas casas e no ocorria que algum pudesse roubar aquilo. Voc pode no acreditar: mas houve um tempo em que os padeiros deixavam o po na soleira da porta ou na janela que dava para a rua. A gente passava e via aquilo como uma coisa normal. Voc pode no acreditar: mas houve um tempo em que voc saa noite para namorar e voltava andando pelas ruas da cidade, caminhando displicentemente, sentindo cheiro de jasmim e de alecrim, sem olhar para trs, sem temer as sombras. Voc pode no acreditar: houve um tempo em que as pessoas se visitavam airosamente.Chegavam no meio da tarde ou noite, contavam casos, tomavam caf, falavam da sade, tricotavam sobre a vida alheia e voltavam de bonde s suas casas. Voc pode no acreditar: mas houve um tempo em que o namorado primeiro ficava andando com a moa numa rua perto da casa dela, depois passava a namorar no porto, depois tinha ingresso na sala da famlia. Era sinal de que j estava praticamente noivo e seguro. Houve um tempo em que havia tempo. Houve um tempo. SANTANNA, A. R. Estado de Minas, 5 maio 2013 (fragmento). Nessa crnica, a repetio do trecho Voc pode no acreditar: mas houve um tempo em que... configura-se como uma estratgia argumentativa que visa

Questão 138
2016Matemática

(ENEM 2016)A fim de acompanhar o crescimento de crianas, foram criadas pela Organizao Mundial da Sade (OMS) tabelas de altura, tambm adotadas pelo Ministrio da Sade do Brasil. Alm de informar os dados referentes ao ndice de crescimento, a tabela traz grficos com curvas, apresentando padres de crescimento estipulados pela OMS. O grfico apresenta o crescimento de meninas cuja anlise se d pelo ponto de interseco entreo comprimento, em centmetro, e a idade, em ms completo e ano, da criana. Disponvel em: www.aprocura.com.br. Acesso em: 22 out. 2015 (adaptado). Uma menina aos 3 anos de idade tinha altura de 85 centmetros e aos 4 anos e 4 meses sua altura chegou a um valor que corresponde a um ponto exatamente sobre a curva p50. Qual foi o aumento percentual da altura dessa menina, descrito com uma casa decimal, no perodo considerado?

Questão 141
2016Matemática

(ENEM 2016) O procedimento de perda rpida de peso comum entre os atletas dos esportes de combate. Para participar de um torneio, quatro atletas da categoria at 66 kg, Peso-Pena, foram submetidos a dietas balanceadas e atividades fsicas. Realizaram trs pesagens antes do incio do torneio. Pelo regulamento do torneio, a primeira luta dever ocorrer entre o atleta mais regular e o menos regular quanto aos pesos. As informaes com base nas pesagens dos atletas esto no quadro. Aps as trs pesagens, os organizadores do torneio informaram aos atletas quais deles se enfrentariam na primeira luta. A primeira luta foi entre os atletas

NOVIDADES
Kuadro