Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 98
2003Biologia

(FUVEST - 2003 - 1a Fase)A gravidez em seres humanos pode ser evitada, I.impedindo a ovulao. II.impedindo que o vulo formado se encontre com o espermatozide. III.impedindo que o zigoto formado se implante no tero. Dentre os mtodos anticoncepcionais esto: A) as plulas, contendo anlogos sintticos de estrgeno e de progesterona. B) a ligadura ( ou laqueadura) das tubas uterinas. Os mtodos A e B atuam, respectivamente, em

Questão 99
2003Biologia

(FUVEST - 2003 - 1a Fase) O cogumelo shitake cultivado em troncos, onde suas hifas nutrem-se dasmolculas orgnicas componentes da madeira. Uma pessoa, ao comer cogumelos shitake,est se comportando como:

Questão 100
2003Biologia

(FUVEST - 2003 - 1a Fase)De acordo com a Organizao Mundial da Sade (OMS), a dengue voltar com mpeto. A sia e a Amrica Latina sero duramente castigadas este ano [...], diz Jos Esparza, coordenador de vacinas da OMS. (New Scientist n 2354, 3 de agosto de 2002). O motivo dessa previso est no fato de

Questão
2003Redação

(FUVEST - 2003 - REDAO) Leia atentamente os trs textos abaixo. Texto I Est no dicionrio Houaiss: auto-estima s.f. qualidade de quem se valoriza, se contenta com seu modo de ser e demonstra, conseqentemente, confiana em seus atos e julgamentos. A definio do dicionrio parece limitar-se ao mbito do indivduo, mas a palavra autoestima j h algum tempo associada a uma necessidade coletiva. Por exemplo: ns, brasileiros, precisamos fortalecer nossa auto-estima. Neste caso, a satisfao com nosso modo de ser, como povo, nos levaria confiana em nossos atos e julgamentos. Mas talvez seja o caso de perguntar: no so os nossos atos e julgamentos que acabam por fortalecer ou enfraquecer nossa autoestima, como indivduos ou como povo? Texto II Esto num poema de Drummond, da dcada de vinte, os versos: E a gente viajando na ptria sente saudades da ptria. (...) Aqui ao menos a gente sabe que tudo uma canalha s. Texto III Est num artigo do jornalista Zuenir Ventura, de dois anos atrs: De um pas em crise e cheio de mazelas, onde, segundo o IBGE, quase um quarto da populao ganha R$ 4 por dia, o que se esperaria? Que fosse a morada de um povo infeliz, ctico e pessimista, no? No. Por incrvel que parea, no. Os brasileiros no s consideram seu pas um lugar bom e timo para viver, como esto otimistas em relao a seu futuro e acreditam que ele se transformar numa superpotncia econmica em cinco anos. Pelo menos essa a concluso de um levantamento sobre a utopia brasileira realizado pelo Datafolha. Com o apoio dos trs textos apresentados, escreva uma dissertao em prosa, na qual voc dever discutir manifestaes concretas de afirmao ou de negao da auto-estima entre os brasileiros. Apresente argumentos que dem sustentao ao ponto de vista que voc adotou.

Questão 1
2002Geografia

(FUVEST - 2002 - 1a fase) Identifique, entre as fotos abaixo, aquela que melhor corresponde a aspectos relativos vegetao, na paisagem descrita por Guimares Rosa em Grande Serto: Veredas. Entre os currais e o cu, tinha s um gramado limpo e uma restinga de cerrado, de onde descem borboletas brancas...

Questão 1
2002Português

(FUVEST - 2002 - 1a fase) TEXTO Sua histria tem pouca coisa de notvel. Fora Leonardo algibebe1 em Lisboa, sua ptria; aborrecera-se porm do negcio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, no se sabe por proteo de quem, alcanou o emprego de que o vemos empossado, e que exercia, como dissemos, desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, no sei fazer o qu, uma certa Maria da hortalia, quitandeira das praas de Lisboa, saloia2 rechonchuda e bonitota. O Leonardo, fazendo-se-lhe justia, no era nesse tempo de sua mocidade mal apessoado, e sobretudo era magano3. Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distrado por junto dela, e com oferrado sapato assentou-lhe uma valente pisadela no p direito. A Maria, como se j esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe tambm em ar de disfarce um tremendo belisco nas costas da mo esquerda. Era isto uma declarao em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e belisco, com a diferena de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantesto extremosos e familiares, que pareciam s-lo de muitos anos. (Manuel Antnio de Almeida, Memrias de um sargento de milcias) Glossrio: 1algibebe: mascate, vendedor ambulante. 2saloia: alde das imediaes de Lisboa. 3magano: brincalho, jovial, divertido. Neste excerto, o modo pelo qual relatado o incio do relacionamento entre Leonardo e Maria

Questão 2
2002Português

(FUVEST - 2002 - 1a fase) TEXTO Sua histria tem pouca coisa de notvel. Fora Leonardo algibebe1em Lisboa, sua ptria; aborrecera-se porm do negcio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, no se sabe por proteo de quem, alcanou o emprego de que o vemos empossado, e que exercia, como dissemos, desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, no sei fazer o qu, uma certa Maria da hortalia, quitandeira das praas de Lisboa, saloia2rechonchuda e bonitota. O Leonardo, fazendo-se-lhe justia, no era nesse tempo de sua mocidade mal apessoado, e sobretudo era magano3. Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distrado por junto dela, e com oferrado sapato assentou-lhe uma valente pisadela no p direito. A Maria, como se j esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe tambm em ar de disfarce um tremendo belisco nas costas da mo esquerda. Era isto uma declarao em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e belisco, com a diferena de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantesto extremosos e familiares, que pareciam s-lo de muitos anos. (Manuel Antnio de Almeida,Memrias de um sargento de milcias) Glossrio: 1algibebe: mascate, vendedor ambulante. 2saloia: alde das imediaes de Lisboa. 3magano: brincalho, jovial, divertido. No excerto, o narrador incorpora elementos da linguagem usada pela maioria das personagens da obra, como se verifica em:

Questão 2
2002Geografia

(FUVEST - 2002 - 1a fase) Considere as afirmaes a seguir sobre os polos tecnolgicos no Brasil. I. Os polos tecnolgicos concentram as atividades de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de ponta. II. Os polos tecnolgicos concentram atividades industriais que independem de outros setores da economia. III. O principal polo tecnolgico do pas a Zona Franca de Manaus, devido presena de vrias incubadoras tecnolgicas. IV. Os principais polos tecnolgicos do Estado de So Paulo se localizam na capital, em So Jos dos Campos, Campinas e So Carlos. Est correto o que se afirma em

Questão 3
2002Geografia

(FUVEST - 2002 - 1a fase) Analise o mapa e assinale a alternativa que completa corretamente a frase: O estratgico reservatrio de gua subterrnea, denominado aqifero Guarani, ocorre em reas de __________, e se estende ___________.

Questão 3
2002Português

(FUVEST - 2002 - 1a fase) TEXTO Sua histria tem pouca coisa de notvel. Fora Leonardo algibebe1em Lisboa, sua ptria; aborrecera-se porm do negcio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, no se sabe por proteo de quem, alcanou o emprego de que o vemos empossado, e que exercia, como dissemos, desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, no sei fazer o qu, uma certa Maria da hortalia, quitandeira das praas de Lisboa, saloia2rechonchuda e bonitota. O Leonardo, fazendo-se-lhe justia, no era nesse tempo de sua mocidade mal apessoado, e sobretudo era magano3. Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distrado por junto dela, e com oferrado sapato assentou-lhe uma valente pisadela no p direito. A Maria, como se j esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe tambm em ar de disfarce um tremendo belisco nas costas da mo esquerda. Era isto uma declarao em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e belisco, com a diferena de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantesto extremosos e familiares, que pareciam s-lo de muitos anos. (Manuel Antnio de Almeida,Memrias de um sargento de milcias) Glossrio: 1algibebe: mascate, vendedor ambulante. 2saloia: alde das imediaes de Lisboa. 3magano: brincalho, jovial, divertido. No excerto, as personagens manifestam uma caracterstica que tambm estar presente na personagem Macunama. Essa caracterstica a

Questão 4
2002Português

(FUVEST - 2002 - 1a fase) TEXTO Sua histria tem pouca coisa de notvel. Fora Leonardo algibebe1em Lisboa, sua ptria; aborrecera-se porm do negcio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, no se sabe por proteo de quem, alcanou o emprego de que o vemos empossado, e que exercia, como dissemos, desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, no sei fazer o qu, uma certa Maria da hortalia, quitandeira das praas de Lisboa, saloia2rechonchuda e bonitota. O Leonardo, fazendo-se-lhe justia, no era nesse tempo de sua mocidade mal apessoado, e sobretudo era magano3. Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distrado por junto dela, e com oferrado sapato assentou-lhe uma valente pisadela no p direito. A Maria, como se j esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe tambm em ar de disfarce um tremendo belisco nas costas da mo esquerda. Era isto uma declarao em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e belisco, com a diferena de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantesto extremosos e familiares, que pareciam s-lo de muitos anos. (Manuel Antnio de Almeida,Memrias de um sargento de milcias) Glossrio: 1algibebe: mascate, vendedor ambulante. 2saloia: alde das imediaes de Lisboa. 3magano: brincalho, jovial, divertido. O trecho fazendo-se lhe justia mantm com o restante do perodo em que aparece uma relao de

Questão 4
2002Geografia

(FUVEST - 2002 - 1a fase) Quanto formao do territrio brasileiro, podemos afirmar que

Questão 5
2002Português

(FUVEST - 2002 - 1a fase) As aspas marcam o uso de uma palavra ou expresso de variedade lingustica diversa da que foi usada no restante da frase em:

Questão 5
2002Geografia

(FUVEST - 2002 - 1a fase) No Brasil, a atuao de empresas transnacionais no setor agroindustrial apresenta I. investimentos no plantio e na aquisio de terras. II. participao na produo vincola que integra a base alimentar da populao brasileira. III.investimentos no beneficiamento de produtos agrcolas. IV. associao e fuso com empresas de capital nacional do setor. Est correto o que se afirma em

Questão 6
2002Português

(FUVEST - 2002 - 1a fase) A frase que est de acordo com a norma escrita culta :

NOVIDADES
Kuadro