Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 44
2012Português

(FUVEST 2012) Passaram-se semanas. Jernimo tomava agora,todas as manhs, uma xcara de caf bem grosso, moda da Ritinha, e tragava dois dedos de parati pracortar a friagem.Uma transformao, lenta e profunda, operava-senele, dia a dia, hora a hora, reviscerando-lhe o corpo ealando-lhe os sentidos, num trabalho misterioso e surdode crislida. A sua energia afrouxava lentamente: fazia-secontemplativo e amoroso. A vida americana e anatureza do Brasil patenteavam-lhe agora aspectosimprevistos e sedutores que o comoviam; esquecia-sedos seus primitivos sonhos de ambio, para idealizarfelicidades novas, picantes e violentas; tornava-seliberal, imprevidente e franco, mais amigo de gastar quede guardar; adquiria desejos, tomava gosto aosprazeres, e volvia-se preguioso, resignando-se,vencido, s imposies do sol e do calor, muralha defogo com que o esprito eternamente revoltado do ltimotamoio entrincheirou a ptria contra os conquistadoresaventureiros.E assim, pouco a pouco, se foram reformando todosos seus hbitos singelos de aldeo portugus: eJernimo abrasileirou-se. (...)E o curioso que, quanto mais ia ele caindo nosusos e costumes brasileiros, tanto mais os seussentidos se apuravam, posto que em detrimento dassuas foras fsicas. Tinha agora o ouvido menosgrosseiro para a msica, compreendia at as intenespoticas dos sertanejos, quando cantam viola os seusamores infelizes; seus olhos, dantes s voltados para aesperana de tornar terra, agora, como os olhos deum marujo, que se habituaram aos largos horizontes decu e mar, j se no revoltavam com a turbulenta luz,selvagem e alegre, do Brasil, e abriam-se amplamentedefronte dos maravilhosos despenhadeiros ilimitados edas cordilheiras sem fim, donde, de espao a espao,surge um monarca gigante, que o sol veste de ouro ericas pedrarias refulgentes e as nuvens toucam de alvosturbantes de cambraia, num luxo oriental de arbicosprncipes voluptuosos. Um trao cultural que decorre da presena daescravido no Brasil e que est implcito nasconsideraes do narrador do excerto a

Questão 45
2012PortuguêsGeografia

(FUVEST 2012) Passaram-se semanas. Jernimo tomava agora,todas as manhs, uma xcara de caf bem grosso, moda da Ritinha, e tragava dois dedos de parati pracortar a friagem.Uma transformao, lenta e profunda, operava-senele, dia a dia, hora a hora, reviscerando-lhe o corpo ealando-lhe os sentidos, num trabalho misterioso e surdode crislida. A sua energia afrouxava lentamente: fazia-secontemplativo e amoroso. A vida americana e anatureza do Brasil patenteavam-lhe agora aspectosimprevistos e sedutores que o comoviam; esquecia-sedos seus primitivos sonhos de ambio, para idealizarfelicidades novas, picantes e violentas; tornava-seliberal, imprevidente e franco, mais amigo de gastar quede guardar; adquiria desejos, tomava gosto aosprazeres, e volvia-se preguioso, resignando-se,vencido, s imposies do sol e do calor, muralha defogo com que o esprito eternamente revoltado do ltimotamoio entrincheirou a ptria contra os conquistadoresaventureiros.E assim, pouco a pouco, se foram reformando todosos seus hbitos singelos de aldeo portugus: eJernimo abrasileirou-se. (...)E o curioso que, quanto mais ia ele caindo nosusos e costumes brasileiros, tanto mais os seussentidos se apuravam, posto que em detrimento dassuas foras fsicas. Tinha agora o ouvido menosgrosseiro para a msica, compreendia at as intenespoticas dos sertanejos, quando cantam viola os seusamores infelizes; seus olhos, dantes s voltados para aesperana de tornar terra, agora, como os olhos deum marujo, que se habituaram aos largos horizontes decu e mar, j se no revoltavam com a turbulenta luz,selvagem e alegre, do Brasil, e abriam-se amplamentedefronte dos maravilhosos despenhadeiros ilimitados edas cordilheiras sem fim, donde, de espao a espao,surge um monarca gigante, que o sol veste de ouro ericas pedrarias refulgentes e as nuvens toucam de alvosturbantes de cambraia, num luxo oriental de arbicosprncipes voluptuosos. No trecho dos maravilhosos despenhadeirosilimitados e das cordilheiras sem fim, donde, de espaoa espao, surge um monarca gigante (L. 35 a 37), onarrador tem como referncia

Questão 46
2012Português

(FUVEST 2012) Passaram-se semanas. Jernimo tomava agora,todas as manhs, uma xcara de caf bem grosso, moda da Ritinha, e tragava dois dedos de parati pracortar a friagem.Uma transformao, lenta e profunda, operava-senele, dia a dia, hora a hora, reviscerando-lhe o corpo ealando-lhe os sentidos, num trabalho misterioso e surdode crislida. A sua energia afrouxava lentamente: fazia-secontemplativo e amoroso. A vida americana e anatureza do Brasil patenteavam-lhe agora aspectosimprevistos e sedutores que o comoviam; esquecia-sedos seus primitivos sonhos de ambio, para idealizarfelicidades novas, picantes e violentas; tornava-seliberal, imprevidente e franco, mais amigo de gastar quede guardar; adquiria desejos, tomava gosto aosprazeres, e volvia-se preguioso, resignando-se,vencido, s imposies do sol e do calor, muralha defogo com que o esprito eternamente revoltado do ltimotamoio entrincheirou a ptria contra os conquistadoresaventureiros.E assim, pouco a pouco, se foram reformando todosos seus hbitos singelos de aldeo portugus: eJernimo abrasileirou-se. (...)E o curioso que, quanto mais ia ele caindo nosusos e costumes brasileiros, tanto mais os seussentidos se apuravam, posto que em detrimento dassuas foras fsicas. Tinha agora o ouvido menosgrosseiro para a msica, compreendia at as intenespoticas dos sertanejos, quando cantam viola os seusamores infelizes; seus olhos, dantes s voltados para aesperana de tornar terra, agora, como os olhos deum marujo, que se habituaram aos largos horizontes decu e mar, j se no revoltavam com a turbulenta luz,selvagem e alegre, do Brasil, e abriam-se amplamentedefronte dos maravilhosos despenhadeiros ilimitados edas cordilheiras sem fim, donde, de espao a espao,surge um monarca gigante, que o sol veste de ouro ericas pedrarias refulgentes e as nuvens toucam de alvosturbantes de cambraia, num luxo oriental de arbicosprncipes voluptuosos. Destes comentrios sobre os trechos sublinhados,o nico que est correto :

Questão 47
2012HistóriaPortuguês

(FUVEST 2012) No era e no podia o pequeno reino lusitano seruma potncia colonizadora feio da antiga Grcia. Osurto martimo que enche sua histria do sculo XV no resultara do extravasamento de nenhum excesso depopulao, mas fora apenas provocado por umaburguesia comercial sedenta de lucros, e que noencontrava no reduzido territrio ptrio satisfao suadesmedida ambio. A ascenso do fundador da Casade Avis ao trono portugus trouxe esta burguesia paraum primeiro plano. Fora ela quem, para se livrar daameaa castelhana e do poder da nobreza,representado pela Rainha Leonor Teles, cingira oMestre de Avis com a coroa lusitana. Era ela, portanto,quem devia merecer do novo rei o melhor das suasatenes. Esgotadas as possibilidades do reino com asprdigas ddivas reais, restou apenas o recurso daexpanso externa para contentar os insaciveiscompanheiros de D. Joo I. Caio Prado Jnior, Evoluo poltica do Brasil. Adaptado. Infere-se da leitura desse texto que Portugal no foiuma potncia colonizadora como a antiga Grcia,porque seu

Questão 48
2012Português

(FUVEST 2012) No era e no podia o pequeno reino lusitano seruma potncia colonizadora feio da antiga Grcia. Osurto martimo que enche sua histria do sculo XV no resultara do extravasamento de nenhum excesso depopulao, mas fora apenas provocado por umaburguesia comercial sedenta de lucros, e que noencontrava no reduzido territrio ptrio satisfao suadesmedida ambio. A ascenso do fundador da Casade Avis ao trono portugus trouxe esta burguesia paraum primeiro plano. Fora ela quem, para se livrar daameaa castelhana e do poder da nobreza,representado pela Rainha Leonor Teles, cingira oMestre de Avis com a coroa lusitana. Era ela, portanto,quem devia merecer do novo rei o melhor das suasatenes. Esgotadas as possibilidades do reino com asprdigas ddivas reais, restou apenas o recurso daexpanso externa para contentar os insaciveiscompanheiros de D. Joo I. Caio Prado Jnior, Evoluo poltica do Brasil. Adaptado. O pronome ela da frase Era ela, portanto, quemdevia merecer do novo rei o melhor das suas atenes,refere-se a

Questão 49
2012Português

(FUVEST 2012) No era e no podia o pequeno reino lusitano ser uma potncia colonizadora feio da antiga Grcia. O surto martimo que enche sua histria do sculo XV no resultara do extravasamento de nenhum excesso de populao, mas fora apenas provocado por uma burguesia comercial sedenta de lucros, e que no encontrava no reduzido territrio ptrio satisfao sua desmedida ambio. A ascenso do fundador da Casa de Avis ao trono portugus trouxe esta burguesia para um primeiro plano. Fora ela quem, para se livrar da ameaa castelhana e do poder da nobreza, representado pela Rainha Leonor Teles, cingira o Mestre de Avis com a coroa lusitana. Era ela, portanto, quem devia merecer do novo rei o melhor das suas atenes. Esgotadas as possibilidades do reino com as prdigas ddivas reais, restou apenas o recurso da expanso externa para contentar os insaciveis companheiros de D. Joo I. Caio Prado Jnior, Evoluo poltica do Brasil. Adaptado. No contexto, o verbo enche indica

Questão 50
2012Português

(FUVEST 2012)Tendo em vista o conjunto de proposies e tesesdesenvolvidas em A cidade e as serras, pode-seconcluir que coerente com o universo ideolgicodessa obra o que se afirma em:

Questão 51
2012Português

(FUVEST 2012) RECEITA DE MULHER As muito feias que me perdoem Mas beleza fundamental. preciso Que haja qualquer coisa de flor em tudo isso Qualquer coisa de dana, qualquer coisa dehaute couture* Em tudo isso (ou ento Que a mulher se socialize elegantemente em azul,como na Repblica Popular Chinesa). No h meio-termo possvel. preciso Que tudo isso seja belo. preciso que sbito Tenha-se a impresso de ver uma gara apenaspousada e que um rosto Adquira de vez em quando essa cor s encontrvel noterceiro minuto da aurora. Vinicius de Moraes No conhecido poema Receita de mulher, de quese reproduziu aqui um excerto, o tratamento dado aotema da beleza feminina manifesta a

Questão 52
2012Português

(FUVEST 2012) RECEITA DE MULHER As muito feias que me perdoem Mas beleza fundamental. preciso Que haja qualquer coisa de flor em tudo isso Qualquer coisa de dana, qualquer coisa dehaute couture* Em tudo isso (ou ento Que a mulher se socialize elegantemente em azul,como na Repblica Popular Chinesa). No h meio-termo possvel. preciso Que tudo isso seja belo. preciso que sbito Tenha-se a impresso de ver uma gara apenaspousada e que um rosto Adquira de vez em quando essa cor s encontrvel noterceiro minuto da aurora. Vinicius de Moraes haute couture: alta costura. Tendo em vista o contexto, o modo verbalpredominante no excerto e a razo desse uso so:

Questão 53
2012Inglês

(FUVEST - 2012)JUST 10 YEARS INTO A NEW CENTURY, MORE THAN TWO-thirdsof the country sees the past decade as a period ofdecline for the U.S., according to a new TIME/AspenIdeas Festival poll that probed Americans on the decadesince the tragic events of Sept. 11, 2001. Osama binLaden is dead and al-Qaeda seriously weakened, butthe impact of the 9/11 attacks and the decisions thatfollowed have, in the view of most Americans, put theU.S. in a tailspin that the country has been unable toshake during two administrations and almost 10 years oftrying.ACCORDING TO THE POLL, ONLY 6% OF MORE THAN 2,000Americans believe the country has completely recoveredfrom the events of 9/11. Some of this pessimism can betied to fears of more terrorist attacks. Despite the deathof bin Laden, most Americans think another terroristattack in the U.S. is likely. A pesquisa descrita no texto mostrou que a maioriados norte-americanos

Questão 54
2012Inglês

(FUVEST - 2012)JUST 10 YEARS INTO A NEW CENTURY, MORE THAN TWO-thirdsof the country sees the past decade as a period ofdecline for the U.S., according to a new TIME/AspenIdeas Festival poll that probed Americans on the decadesince the tragic events of Sept. 11, 2001. Osama binLaden is dead and al-Qaeda seriously weakened, butthe impact of the 9/11 attacks and the decisions thatfollowed have, in the view of most Americans, put theU.S. in a tailspin that the country has been unable toshake during two administrations and almost 10 years oftrying.ACCORDING TO THE POLL, ONLY 6% OF MORE THAN 2,000Americans believe the country has completely recoveredfrom the events of 9/11. Some of this pessimism can betied to fears of more terrorist attacks. Despite the deathof bin Laden, most Americans think another terroristattack in the U.S. is likely. A sequncia most Americans think another terroristattack in the U.S. is likely significa que, para a maioriados norte-americanos, outro ataque terrorista nos EUA

Questão 55
2012Inglês

(FUVEST - 2012)JUST 10 YEARS INTO A NEW CENTURY, MORE THAN TWO-thirdsof the country sees the past decade as a period ofdecline for the U.S., according to a new TIME/AspenIdeas Festival poll that probed Americans on the decadesince the tragic events of Sept. 11, 2001. Osama binLaden is dead and al-Qaeda seriously weakened, butthe impact of the 9/11 attacks and the decisions thatfollowed have, in the view of most Americans, put theU.S. in a tailspin that the country has been unable toshake during two administrations and almost 10 years oftrying.ACCORDING TO THE POLL, ONLY 6% OF MORE THAN 2,000Americans believe the country has completely recoveredfrom the events of 9/11. Some of this pessimism can betied to fears of more terrorist attacks. Despite the deathof bin Laden, most Americans think another terroristattack in the U.S. is likely. Com base nos gráficos que acompanham o texto, é correto afirmar que, para os norte-americanos

Questão 56
2012Inglês

(FUVEST - 2012)Although robots have made greatstrides in manufacturing, wheretasks are repetitive, they are stillno match for humans, who cangrasp things and move abouteffortlessly in the physical worldDesigning a robot to mimic thebasic capabilities of motion andperception would be revolutionary,researchers say, with applicationsstretching from care for the elderlyto returning overseasmanufacturing operations to the United States (albeit with fewerworkers).Yet the challenges remain immense, far higher thanartificial intelligence obstacles like speaking and hearing.All these problems where you want to duplicatesomething biology does, such as perception, touch,planning or grasping, turn out to be hard in fundamentalways, said Gary Bradski, a vision specialist at WillowGarage, a robot development company based in SiliconValley. Its always surprising, because humans can do so much effortlessly. Segundo o texto, um grande desafio da robtica

Questão 57
2012Inglês

(FUVEST - 2012)Although robots have made greatstrides in manufacturing, wheretasks are repetitive, they are stillno match for humans, who cangrasp things and move abouteffortlessly in the physical worldDesigning a robot to mimic thebasic capabilities of motion andperception would be revolutionary,researchers say, with applicationsstretching from care for the elderlyto returning overseasmanufacturing operations to the United States (albeit with fewerworkers).Yet the challenges remain immense, far higher thanartificial intelligence obstacles like speaking and hearing.All these problems where you want to duplicatesomething biology does, such as perception, touch,planning or grasping, turn out to be hard in fundamentalways, said Gary Bradski, a vision specialist at WillowGarage, a robot development company based in SiliconValley. Its always surprising, because humans can do so much effortlessly. De acordo com o texto, o especialista Gary Bradskiafirma que

Questão 58
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Em uma festa com ݊n pessoas, em um dado instante, 31 mulheres se retiraram e restaram convidados na razão de 2 homens para cada mulher. Um pouco mais tarde, 55 homens se retiraram e restaram, a seguir, convidados na razão de 3 mulheres para cada homem. O número n de pessoas presentes inicialmente na festa era igual a 

NOVIDADES
Kuadro