Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
ITA
IME
IME
ENEM
ENEM
FUVEST
FUVEST
UNICAMP
UNICAMP
UNESP
UNESP
ESPCEX
ESPCEX
AFA
AFA
Questão 3
2001Física

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 3) Um objeto A, de massa M = 4,0 kg, largado da janela de um edifcio, de uma altura H0 = 45 m. Procurando diminuir o impacto de A com o cho, um objeto B, de mesma massa, lanado um pouco depois, a partir do cho, verticalmente, com velocidade inicial V0B. Os dois objetos colidem, a uma altura de 25 m, com velocidades tais que |VA| = |VB|. Com o impacto, grudam-se, ambos, um no outro, formando um s corpo AB, de massa 2M, que cai atingindo o cho. a) Determine, a energia mecnica Q, em J, dissipada na coliso. b) Determine a energia cintica Ec, em J, imediatamente antes de AB atingir o cho. c) Construa, no sistema de coordenadas da folha de resposta, o grfico dos mdulos das velocidades em funo do tempo para A, B e AB, considerando que V0B = 30 m/s. Identifique, respectivamente, com as letras A, B e AB, os grficos correspondentes. (Se necessrio, considere )

Questão 3
2001Português

(FUVEST - 2001 - 1a fase) (...) e tudo ficou sob a guarda de Dona Plcida, suposta, e, a certos respeitos, verdadeira dona da casa. Custou-lhe muito a aceitar a casa; farejara a inteno, e doa-lhe o ofcio; mas afinal cedeu. Creio que chorava, a princpio: tinha nojo de si mesma. Ao menos, certo que no levantou os olhos para mim durante os primeiros dois meses; falava-me com eles baixos, sria, carrancuda, s vezes triste. Eu queria angari-la, e no me dava por ofendido, tratava-a com carinho e respeito; forcejava por obter-lhe a benevolncia, depois a confiana. Quando obtive a confiana, imaginei uma histria pattica dos meus amores com Virglia, um caso anterior ao casamento, a resistncia do pai, a dureza do marido, e no sei que outros toques de novela. Dona Plcida no rejeitou uma s pgina da novela; aceitou-as todas. Era uma necessidade da conscincia. Ao cabo de seis meses quem nos visse a todos trs juntos diria que Dona Plcida era minha sogra. No fui ingrato; fiz-lhe um peclio de cinco contos, - os cinco contos achados em Botafogo, - como um po para a velhice. Dona Plcida agradeceu-me com lgrimas nos olhos, e nunca mais deixou de rezar por mim, todas as noites, diante de uma imagem da Virgem, que tinha no quarto. Foi assim que lhe acabou o nojo. (Machado de Assis, MEMRIAS PSTUMAS DE BRS CUBAS) Para obter o que lhe convinha, a personagem Brs Cubas usou a estratgia de

Questão 3
2001História

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 3) Em suma, a combinao de eficincia tcnica e convico mstica, submetidas ambas expanso comercial e ao poder poltico foi a caracterstica (...) da conquista espanhola na Amrica. David A. Brading, Orbe indiano. Com base no texto, estabelea as relaes entre: a) avanos tecnolgicos e expanso comercial; b) poder poltico da Coroa Espanhola e Igreja Catlica.

Questão 3
2001Geografia

(FUVEST - 2001 - 1a fase) No segundo semestre de 2000, o Brasil sediou a Reunio de Presidentes da Amrica do Sul. Nesse encontro, buscou-se

Questão 3
2001Matemática

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 3) a) Calcule em funo de e de . b) Calcule em funo de e de . c) Para , resolva a equao: .

Questão 3
2001Química

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 3) A reao de um alceno com oznio, seguida da reao do produto formado com gua, produz aldedos ou cetonas ou misturas desses compostos. Porm, na presena de excesso de perxido de hidrognio, os aldedos so oxidados a cidos carboxlicos ou a CO2, dependendo da posio da dupla ligao na molcula do alceno: Determinado hidrocarboneto insaturado foi submetido ao tratamento acima descrito, formando-se os produtos abaixo, na proporo, em mols, de 1 para 1 para 1: HOOCCH2CH2CH2COOH ; CO2; cido propanico a) Escreva a frmula estrutural do hidrocarboneto insaturado que originou os trs produtos acima. b) Dentre os ismeros de cadeia aberta de frmula molecular , mostre os que no podem ser distinguidos, um do outro, pelo tratamento acima descrito. Justifique

Questão 3
2001Português

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 3) A gente via Brejeirinha: primeiro, os cabelos, compridos, lisos, louro-cobre; e, no meio deles, coisicas diminutas: a carinha nocomprida, o perfilzinho agudo, um narizinho que-carcia. Aos tantos, no parava, andorinhava, espiava agora o xixixi e o empapar-se da paisagem as pestanas til-til. Porm, disse-se-dizia ela, pouco se v, pelos entrefios: Tanto chove, que me gela! (Guimares Rosa, Partida do audaz navegante, Primeiras estrias) a) Os diminutivos com que o narrador caracteriza a personagem traduzem tambm sua atitude em relao a ela. Identifique essa atitude, explicando-a brevemente. b) Andorinhava palavra criada por Guimares Rosa. Explique o processo de formao dessa palavra. Indique resumidamente o sentido dessa palavra no texto.

Questão 3
2001Biologia

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 3) Certas substncias inibem a formao do tubo polnico em angiospermas. Explique como essa inibio afeta a formao do embrio e do endosperma.

Questão 4
2001Português

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 4) Leia o excerto, observando as diferentes formas verbais. Chegou. Ps a cuia no cho, escorou-a com pedras, matou a sede da famlia. Em seguida acocorou-se, remexeu o ai, tirou o fuzil, acendeu as razes de macambira, soprou-as, inchando as bochechas cavadas. Uma labareda tremeu, elevou-se, tingiu-lhe o rosto queimado, a barba ruiva, os olhos azuis. Minutos depois o pre torcia-se e chiava no espeto de alecrim. Eram todos felizes. Sinha Vitria vestiria uma saia larga de ramagens. A cara murcha de sinha Vitria remoaria (...). (...) A fazenda renasceria e ele, Fabiano, seria o vaqueiro, para bem dizer seria dono daquele mundo. (Graciliano Ramos, Vidas secas) a) Considerando que no primeiro pargrafo predomina o pretrito perfeito, justifique o emprego do imperfeito em o pre torcia-se e chiava no espeto de alecrim. b) Explique o efeito de sentido produzido no excerto pelo emprego do futuro do pretrito.

Questão 4
2001História

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 4) (...) e em lugar de ouro, de prata e de outros bens que servem de moeda em outras regies, aqui a moeda feita de pessoas, que no so nem ouro, nem tecidos, mas sim criaturas. E a ns a vergonha e a de nossos predecessores, de termos, em nossa simplicidade, aberto a porta a tantos males (...) Garcia II, rei do Congo, sculo XVII Comente os acontecimentos a que se refere o rei africano e como esto relacionados colnia brasileira.

Questão 4
2001Geografia

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 4) Compare a regio Nordeste e a Costa Sudoeste dos Estados Unidos quanto a: a) tipos de indstria e caractersticas da mo-de-obra empregada. b) fatores que influenciaram a localizao industrial de cada uma dessas regies.

Questão 4
2001Geografia

(FUVEST - 2001 - 1a fase) As legendas corretas para as fotos abaixo so:

Questão 4
2001Português

(FUVEST - 2001 - 1a fase) (...) e tudo ficou sob a guarda de Dona Plcida, suposta, e, a certos respeitos, verdadeira dona da casa. Custou-lhe muito a aceitar a casa; farejara a inteno, e doa-lhe o ofcio; mas afinal cedeu. Creio que chorava, a princpio: tinha nojo de si mesma. Ao menos, certo que no levantou os olhos para mim durante os primeiros dois meses; falava-me com eles baixos, sria, carrancuda, s vezes triste. Eu queria angari-la, e no me dava por ofendido, tratava-a com carinho e respeito; forcejava por obter-lhe a benevolncia, depois a confiana. Quando obtive a confiana, imaginei uma histria pattica dos meus amores com Virglia, um caso anterior ao casamento, a resistncia do pai, a dureza do marido, e no sei que outros toques de novela. Dona Plcida no rejeitou uma s pgina da novela; aceitou-as todas. Era uma necessidade da conscincia. Ao cabo de seis meses quem nos visse a todos trs juntos diria que Dona Plcida era minha sogra. No fui ingrato; fiz-lhe um peclio de cinco contos, - os cinco contos achados em Botafogo, - como um po para a velhice. Dona Plcida agradeceu-me com lgrimas nos olhos, e nunca mais deixou de rezar por mim, todas as noites, diante de uma imagem da Virgem, que tinha no quarto. Foi assim que lhe acabou o nojo. (Machado de Assis, MEMRIAS PSTUMAS DE BRS CUBAS) O recurso da gradao, presente em obter-lhe a benevolncia, depois a confiana, tambm ocorre em:

Questão 4
2001Química

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 4) Em uma experincia, realizada a 25 C, misturaram-se volumes iguais de solues aquosas de hidrxido de sdio e de acetato de metila, ambas de concentrao 0,020 mol/L. Observou-se que, durante a hidrlise alcalina do acetato de metila, ocorreu variao de pH. a) Escreva a equao da hidrlise alcalina do acetato de metila. b) Calcule o pH da mistura de acetato de metila e hidrxido de sdio no instante em que as solues so misturadas (antes de a reao comear). c) Calcule a concentrao de OH na mistura, ao final da reao. A equao que representa o equilbrio de hidrlise do on acetato A constante desse equilbrio, em termos de concentraes em mol/L, a 25 C, igual a 5,6 x 1010. Dados: produto inico da gua, Kw = 1014 (a 25 C)

Questão 4
2001Biologia

(FUVEST - 2001 - 2a fase - Questo 4) O esquema representa um experimento em que plantas semelhantes foram colocadas em tubos, com igual quantidade de gua, devidamente vedados para evitar a evaporao. A planta do tubo A foi mantida intacta; a do tubo B teve suas folhas totalmente cobertas por uma camada de vaselina. Cada tubo mostra o nvel da gua no incio do experimento (Ni) e no final (Nf). a) Por que os nveis da gua ficaram diferentes nos tubos A e B? b) Que estruturas da epiderme foliar tiveram seu funcionamento afetado pela vaselina? c) Qual o papel dessas estruturas da epiderme para que a planta realize fotossntese?

NOVIDADES
Kuadro