Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 60
2012Matemática

(FUVEST - 2012) O número real , com  satisfaz a equação  Então,  vale

Questão 61
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Considere a funoa qual est definida para x -1.Ento, para todo x 1 e x -1, o produto f(x)f(-x) igual a

Questão 62
2012Matemática

(FUVEST - 2012)  Em um plano, é dado um polígono convexo de seis lados, cujas medidas dos ângulos internos, dispostas em ordem crescente, formam uma progressão aritmética. A medida do maior ângulo é igual a 11 vezes a medida do menor. A soma das medidas dos quatro menores ângulos internos desse polígono, em graus, é igual a 

Questão 63
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Na figura, tem-se   paralelo a paralelo a . Nessas condições, a distância do ponto E ao segmento   é igual a:   

Questão 64
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Considere a matriz em que a um nmero real. Sabendo que A admite inversa A-1 cuja primeira coluna , a soma dos elementos da diagonal principal de A-1 igual a

Questão 65
2012Matemática

(FUVEST - 2012) No plano cartesiano  a circunferência C é tangente ao eixo 0x no ponto de abscissa 5 e contém o ponto (1,2). Nessas condições, o raio de C vale

Questão 66
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Considere todos os pares ordenados de números naturais (a,b), em que . Cada um desses pares ordenados está escrito em um cartão diferente. Sorteando-se um desses cartões ao acaso, qual é a probabilidade de que se obtenha um par ordenado (a,b) de tal forma que a fração a/b seja irredutível e com denominador par?

Questão 67
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Em um tetraedro regular de lado  a distância entre os pontos médios de duas arestas não adjacentes é igual a

Questão 68
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Uma substância radioativa sofre desintegração ao longo do tempo, de acordo com a relação , em que  é um número real positivo,  é dado em anos  é a massa da substância em gramas e  são constantes positivas. Sabe-se que  gramas dessa substância foram reduzidos a 20% em 10 anos. A que porcentagem de ficará reduzida a massa da substância, em 20 anos?

Questão 69
2012Matemática

(FUVEST - 2012) Francisco deve elaborar uma pesquisa sobre doisartrópodes distintos. Eles serão selecionados, ao acaso,da seguinte relação: aranha, besouro, barata, lagosta, camarão, formiga, ácaro, caranguejo, abelha, carrapato,escorpião e gafanhoto. Qual é a probabilidade de que ambos os artrópodesescolhidos para a pesquisa de Francisco não sejaminsetos?

Questão 70
2012História

(Fuvest 2012) Há cerca de 2000 anos, os sítios superficiais e sem cerâmica dos caçadores antigos foram substituídos por conjuntos que evidenciam uma forte mudança na tecnologia e nos hábitos. Ao mesmo tempo que aparecem a cerâmica chamada itararé (no Paraná) ou taquara (no Rio Grande do Sul) e o consumo de vegetais cultivados, encontram-se novas estruturas de habitações. André Prous. O Brasil antes dos brasileiros. A pré-história do nosso país. Rio de Janeiro: Zahar, 2007, p. 49. Adaptado. O texto associa o desenvolvimento da agricultura com o da cerâmica entre os habitantes do atual território do Brasil, há 2000 anos. Isso se deve ao fato de que a agricultura

Questão 71
2012História

(FUVEST - 2012)A palavra feudalismo carrega consigo vários sentidos. Dentre eles, podem-se apontar aqueles ligados a

Questão 72
2012História

(FUVEST - 2012)Deve-se notar que a ênfase dada à faceta cruzadística da expansão portuguesa não implica, de modo algum, que os interesses comerciais estivessem dela ausentes como tampouco o haviam estado das cruzadas do Levante, em boa parte manejadas e financiadas pela burguesia das repúblicas marítimas da Itália. Tão mesclados andavam os desejos de dilatar o território cristão com as aspirações por lucro mercantil que, na sua oração de obediência ao pontífice romano, D. João II não hesitava em mencionar entre os serviços prestados por Portugal à cristandade o trato do ouro da Mina, comércio tão santo, tão seguro e tão ativo que o nome do Salvador, nunca antes nem de ouvir dizer conhecido, ressoava agora nas plagas africanas Luiz Felipe Thomaz, D. Manuel, a Índia e o Brasil. Revista de História (USP), 161, 2 Semestre de 2009, p.16-17. Adaptado. Com base na afirmação do autor, pode-se dizer que a expansão portuguesa dos séculos XV e XVI foi um empreendimento

Questão 73
2012História

(FUVEST - 2012)Fui terra fazer compras com Glennie. H muitas casas inglesas, tais como celeiros e armazns no diferentes do que chamamos na Inglaterra de armazns italianos, de secos e molhados, mas, em geral, os ingleses aqui vendem suas mercadorias em grosso a retalhistas nativos ou franceses. (...) As ruas esto, em geral, repletas de mercadorias inglesas. A cada porta as palavras Superfino de Londres saltam aos olhos: algodo estampado, panos largos, loua de barro, mas, acima de tudo, ferragens de Birmingham, podem-se obter um pouco mais caro do que em nossa terra nas lojas do Brasil. Maria Graham. Dirio de uma viagem ao Brasil. So Paulo, Edusp, 1990, p. 230 (publicado originalmente em 1824). Adaptado. Esse trecho do dirio da inglesa Maria Graham referese sua estada no Rio de Janeiro em 1822 e foi escrito em 21 de janeiro deste mesmo ano. Essas anotaes mostram alguns efeitos

Questão 74
2012História

(Fuvest 2012) Os indgenas foram tambm utilizados em determinados momentos, e sobretudo na fase inicial [da colonizao do Brasil]; nem se podia colocar problema nenhum de maior ou melhor aptido ao trabalho escravo (...). O que talvez tenha importado a rarefao demogrfica dos aborgines, e as dificuldades de seu apresamento, transporte, etc. Mas na preferncia pelo africano revela-se, mais uma vez, a engrenagem do sistema mercantilista de colonizao; esta se processa num sistema de relaes tendentes a promover a acumulao primitiva de capitais na metrpole; ora, o trfico negreiro, isto , o abastecimento das colnias com escravos, abria um novo e importante setor do comrcio colonial, enquanto o apresamento dos indgenas era um negcio interno da colnia. Assim, os ganhos comerciais resultantes da preao dos aborgines mantinham-se na colnia, com os colonos empenhados nesse gnero de vida; a acumulao gerada no comrcio de africanos, entretanto, flua para a metrpole; realizavam-na os mercadores metropolitanos, engajados no abastecimento dessa mercadoria. Esse talvez seja o segredo da melhor adaptao do negro lavoura ... escravista. Paradoxalmente, a partir do trfico negreiro que se pode entender a escravido africana colonial, e no o contrrio. Fernando A. Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial. So Paulo: Hucitec, 1979, p. 105. Adaptado. Nesse trecho, o autor afirma que, na Amrica portuguesa,

NOVIDADES
Kuadro