Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
ITA
IME
IME
ENEM
ENEM
FUVEST
FUVEST
UNICAMP
UNICAMP
UNESP
UNESP
ESPCEX
ESPCEX
AFA
AFA
Questão 9
2005Química

(FUVEST - 2005 - 2FASE) Recentemente, foi lanado no mercado um tira-manchas, cujo componente ativo 2Na2CO33H2O2. Este, ao se dissolver em gua, libera perxido de hidrognio, que atua sobre as manchas. a) Na dissoluo desse tira-manchas, em gua, forma-se uma soluo neutra, cida ou bsica? Justifique sua resposta por meio de equaes qumicas balanceadas. b) A soluo aquosa desse tira-manchas (incolor) descora rapidamente uma soluo aquosa de iodo (marrom). Com base nos potenciais-padro de reduo indicados, escreva a equao qumica que representa essa transformao. c) No experimento descrito no item b, o perxido de hidrognio atua como oxidante ou como redutor? Justifique.

Questão 9
2005Geografia

(FUVEST - 2005 - 2FASE) Observe o mapa do Brasil: Domnios Morfoclimticos a) Identifique o domnio morfoclimtico apontado no mapa. b) Apresente duas de suas caractersticas que, associadas ocupao no estado de So Paulo, desencadearam degradao ambiental. Explique.

Questão 9
2005Física

(FUVEST - 2005 - 2FASE) Um determinado aquecedor eltrico, com resistncia R constante, projetado para operar a 110 V. Pode-se ligar o aparelho a uma rede de 220 V, obtendo os mesmos aquecimento e consumo de energia mdio, desde que haja um dispositivos que o ligue e desligue, em ciclos sucessivos, como indicado no grfico: Nesse caso, a cada ciclo, o aparelho permanece ligado por 0,2s e desligado por um intervalo de tempo t, determine a) A relao entre as potncias e , dissipadas por esse aparelho em 220V e 110V, respectivamente, quando est continuamente ligado, sem interrupo. b) O valor do intervalo t, em segundos, em que o aparelho deve permanecer desligado 220V, para que a potncia mdia dissipada pelo resistor nessa tenso seja a mesma que quando ligado continuamente em 110V. c) A relao entre as correntes mdias e , que percorrem o resistor quando em redes de 220 V e 110 V, respectivamente, para a situao do item anterior.

Questão 9
2005Biologia

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Abaixo est representada a seqncia dos 13 primeiros pares de nucleotdios da regio codificadora de um gene. A primeira trinca de pares de bases nitrogenadas esquerda, destacada em negrito, corresponde ao aminocido metionina. A tabela a seguir mostra alguns cdons do RNA mensageiro e os aminocidos codificados por cada um deles. a) Escreva a seqncia de bases nitrogenadas do RNA mensageiro, transcrito a partir desse segmento de DNA. b) Utilizando a tabela de cdigo gentico fornecida, indique a seqncia dos trs aminocidos seguintes metionina, no polipeptdio codificado por esse gene. c) Qual seria a seqncia dos trs primeiros aminocidos de um polipeptdio codificado por um alelo mutante desse gene, originado pela perda do sexto par de nucleotdios (ou seja, a deleo do par de bases T=A)?

Questão 9
2005Matemática

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Seja f(x) = ax2 + (1 a) x + 1, onde a um nmero real diferente de zero. Determine os valores de a para os quais as razes da equao f(x) = 0 so reais e o nmero x = 3 pertence ao intervalo fechado compreendido entre as razes.

Questão 9
2005Português

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Leia este trecho de A hora da estrela, de Clarice Lispector, no qual Macaba, depois de receber o aviso de que seria despedida do emprego, olha-se ao espelho: Depois de receber o aviso foi ao banheiro para ficar sozinha porque estava toda atordoada. Olhou-se maquinalmente ao espelho que encimava a pia imunda e rachada, cheia de cabelos, o que tanto combinava com sua vida. Pareceu-lhe que o espelho bao e escurecido no refletia imagem alguma. Sumira por acaso a sua existncia fsica? Logo depois passou a iluso e enxergou a cara toda deformada pelo espelho ordinrio, o nariz tornado enorme como o de um palhao de nariz de papelo. Olhou-se e levemente pensou: to jovem e j com ferrugem. a) Neste trecho, o fato de parecer, a Macaba, no se ver refletida no espelho liga-se imediatamente ao aviso de que seria despedida. Projetando essa ausncia de reflexo no contexto mais geral da obra, como voc a interpreta? b) Tambm no contexto da obra, explique por que o narrador diz que Macaba pensou levemente.

Questão 9
2005História

(FUVEST - 2005 - 2FASE)... o que avulta entre os fatores da revoluo de 1930 o sentimento regionalista, na luta pelo equilbrio das foras entre os estados federados. Minas Gerais, aliando-se ao Rio Grande do Sul, combatia a hegemonia paulista, que a candidatura do Sr. Jlio Prestes asseguraria por mais quatro anos. Barbosa Lima Sobrinho, A verdade sobre a revoluo de outubro 1930 (1933). a) Explique a questo do regionalismo poltico no perodo que antecedeu 1930. b) Apresente a situao poltica de So Paulo na federao, depois da tomada do poder, por Getlio Vargas, em 1930.

Questão 9
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE) Texto para as questes. Assim, pois, o sacristo da S, um dia. ajudando a missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou-lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou D. Plcida. de crer que D. Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias Pstumas de Brs Cubas) No trecho acima, Brs Cubas reflete sobre a histria de Dona Plcida, reconhecendo a extrema dureza de sua vida. No contexto do livro, esse reconhecimento revela que Brs Cubas, embora perceba com preciso o desamparo dos pobres, no faz mais que

Questão 10
2005Matemática

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Uma pessoa dispe de um dado honesto, que lanado sucessivamente quatro vezes. Determine a probabilidade de que nenhum dos nmeros sorteados nos dois primeiros lanamentos coincida com algum dos nmeros sorteados nos dois ltimos lanamentos.

Questão 10
2005Biologia

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Devido ao aparecimento de uma barreira geogrfica, duas populaes de uma mesma espcie ficaram isoladas por milhares de anos, tornando-se morfologicamente distintas. a) Explique sucintamente como as duas populaes podem ter-se tornado morfologicamente distintas no decorrer do tempo. b) No caso de as duas populaes voltarem a entrar em contato, pelo desaparecimento da barreira geogrfica, o que indicaria que houve especiao?

Questão 10
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE)Texto para as questes Assim, pois, o sacristo da S, um dia, ajudando missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou--lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou Dona Plcida. de crer que Dona Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: - Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: - Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias pstumas de Brs Cubas) A vida de Dona Plcida, referida no excerto, muito semelhante vida de trabalhos duros e incessantes de Juliana (O primo Baslio), com a diferena de que a personagem de Ea de Queirs

Questão 10
2005Português

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Leia o seguinte poema de Alberto Caeiro: Ponham na minha sepultura Aqui jaz, sem cruz, Alberto Caeiro Que foi buscar os deuses... Se os deuses vivem ou no isso convosco. A mim deixei que me recebessem. a) Identifique, no poema, a modalidade religiosa que o poeta rejeita e aquela com que tem maior afinidade. Explique sucintamente. b) Relacione a referncia a deuses (plural), no poema, com o seguinte verso, extrado de outro poema de Alberto Caeiro: A natureza partes sem um todo.

Questão 10
2005Física

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Uma espira condutora ideal, com 1,5 m por 5,0 m, deslocada com velocidade constante, de tal forma que um de seus lados atravessa uma regio onde existe um campo magntico B, uniforme, criado por um grande eletrom. Esse lado da espira leva 0,5 s para atravessar a regio do campo. Na espira est inserida uma resistncia R com as caractersticas descritas. Em conseqncia do movimento da espira, durante esse intervalo de tempo, observa-se uma variao de temperatura, em R, de 40C. Essa medida de temperatura pode, ento, ser utilizada como uma forma indireta para estimar o valor do campo magntico B. Assim determine a) a energia E, em joules, dissipada no resistor sob a forma de calor. b) a corrente I, em ampres, que percorre o resistor durante o aquecimento. c) o valor do campo magntico B, em teslas.

Questão 10
2005Geografia

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Observe os mapas do municpio de So Paulo. a) Associe as informaes dos mapas A e B. b) Associe as informaes dos mapas B e C. Explique.

Questão 10
2005Química

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Define-se balano de oxignio de um explosivo, expresso em percentagem, como a massa de oxignio faltante (sinal negativo) ou em excesso (sinal positivo), desse explosivo, para transformar todo o carbono, se houver, em gs carbnico e todo o hidrognio, se houver, em gua, dividida pela massa molar do explosivo e multiplicada por 100. O grfico ao lado traz o calor liberado na decomposio de diversos explosivos, em funo de seu balano de oxignio. Um desses explosivos o tetranitrato de pentaeritritol (PETN, C5H8N4O12). A equao qumica da decomposio desse explosivo pode ser obtida, seguindo-se as seguintes regras: - tomos de carbono so convertidos em monxido de carbono. - Se sobrar oxignio, hidrognio convertido em gua. - Se ainda sobrar oxignio, monxido de carbono convertido em dixido de carbono. - Todo o nitrognio convertido em nitrognio gasoso diatmico. a) Escreva a equao qumica balanceada para a decomposio do PETN. b) Calcule, para o PETN, o balano de oxignio. c) Calcule o ∆H de decomposio do PETN, utilizando as entalpias de formao das substncias envolvidas nessa transformao. d) Que concluso possvel tirar, do grfico apresentado, relacionando calor liberado na decomposio de umexplosivo e seu balano de oxignio?

NOVIDADES
Kuadro