Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 3
2018História

(FUVEST - 2018) A ndia exporta para a China vastas quantidades de pio, para cujo cultivo possui facilidades peculiares. O pio pode ser produzido em Bengala melhor e mais barato do que em qualquer outra parte do mundo; e a China oferece um mercado quase que ilimitado em suas dimenses. O gosto por essa droga espalhou-se pelo imprio, a despeito das severas regulaes para sua excluso, e se diz que ele entrou no prprio palcio. No obstante o consumo desse estimulante pernicioso eventualmente ser reprimido de um ponto de vista moral, certo que ele promove diversos objetos que so igualmente desejveis tanto pela ndia como pela Inglaterra. A ndia, ao exportar pio, auxilia o fornecimento de ch Inglaterra. A China, ao consumir pio, facilita as operaes de receita entre a ndia e a Inglaterra. A Inglaterra, ao consumir ch, contribui para aumentar a demanda por pio indiano. Edward Thornton, India, its state and prospects. Londres: Parbury, Allen Co., 1835. Adaptado. a) Indique como o texto caracteriza a cadeia mercantil do pio e qual sua importncia para a economia inglesa do sculo XIX e para as relaes coloniais entre Gr-Bretanha e ndia. b) Identifique e explique um conflito posterior a 1835 que se relacione diretamente aos processos descritos no texto.

Questão 4
2018História

(FUVEST - 2018) Migrar, portanto, tem sempre um sentido ambguo como uma imposio das condies econmicas e sociais ou ambientais e, nesse caso, ela aparece no mais das vezes como um dos mais fortes elementos que explicariam uma destinao do ser nordestino, mas tambm como uma escolha contra a misria e a pobreza da vida no serto. Migrar , em ltima instncia, dizer no situao em que se vive, pegar o destino com as prprias mos, resgatar sonhos e esperanas de vida melhor ou mesmo diferente. O problema est no fato de que, numa vasta produo discursiva, retirou-se do migrante a sua condio de sujeito, como se migrar no fosse uma escolha, como se ele no tivesse vontade prpria. Migrar pode ser entendido como estratgia no s para minimizar as penrias do cotidiano, mas tambm para buscar um lugar social onde se possa driblar a excluso pretendida pelas elites brasileiras atravs de seus projetos modernizantes. Isabel C. M. Guillen. Seca e migrao no Nordeste: Reflexes sobre o processo de banalizao de sua dimenso histrica. Trabalhos para Discusso n 111. Recife: Fundao Joaquim Nabuco, 2001. Adaptado. a) Cite uma obra literria e um filme que tenham tratado do fenmeno mencionado no texto. b) Identifique as motivaes dos fluxos migratrios de nordestinos para a regio Norte, na segunda metade do sculo XIX, e para a regio Sudeste, na segunda metade do sculo XX.

Questão 4
2018Matemática

(FUVEST - 2018 - 2a fase) Considere a sequncia a1= 6, a2= 4, a3= 1, a4= 2, e an= an-4, para. Definapara, isto , a soma de k + 1 termos consecutivos da sequncia comeando do n-simo, por exemplo,. a) Encontre n e k tal que. b) Para cada inteiro j,, encontre n e k tal que. c) Mostre que, para qualquer inteiro j,, existem inteirosetais que.

Questão 4
2018Biologia

(FUVEST 2018 - Segunda Fase) Os quatro esquemas representam cortes longitudinais de coraes de vertebrados. a) Identifique os grupos de vertebrados cujos coraes esto representados pelos esquemas 1, 2, 3 e 4. b) Descreva o sentido do fluxo sanguneo no interior de cada um desses coraes e indique se neles ocorre mistura de sangue arterial e venoso.

Questão 4
2018Química

(FUVEST - 2018 2 fase) Para investigar o efeito de diferentes poluentes na acidez da chuva cida, foram realizados dois experimentos com os xidos (g) e (g). No primeiro experimento, foram coletados 45 mL de em um frasco contendo gua, que foi em seguida fechado e agitado, at que todo o xido tivesse reagido. No segundo experimento, o mesmo procedimento foi realizado para o. Em seguida, a soluo resultante em cada um dos experimentos foi titulada com (aq) 0,1 mol/L, at sua neutralizao. As reaes desses xidos com gua so representadas pelas equaes qumicas balanceadas: a) Determine o volume de (aq) utilizado na titulao do produto da reao entre e gua. Mostre os clculos. b) Esse volume menor, maior ou igual ao utilizado no experimento com (g)? Justifique. c) Uma das reaes descritas de oxidorreduo. Identifique qual essa reao e preencha a tabela na folha de respostas, indicando os reagentes e produtos das semirreaes de oxidao e de reduo. Note e adote: Considere os gases como ideais e que a gua contida nos frascos foi suficiente para a reao total com os xidos. Volume de 1 mol de gs: 22,5 L, nas condies em que os experimentos foram realizado

Questão 4
2018Física

(FUVEST - 2018 - 2 FASE) O motor Stirling, uma mquina trmica de alto rendimento, considerado um motor ecolgico, pois pode funcionar com diversas fontes energticas. A figura I mostra esquematicamente um motor Stirling com dois cilindros. O ciclo termodinmico de Stirling, mostrado na figura II, representa o processo em que o combustvel queimado externamente para aquecer um dos dois cilindros do motor, sendo que uma quantidade fixa de gs inerte se move entre eles, expandindo-se e contraindo-se. Nessa figura est representado um ciclo de Stirling no diagrama P XV para um mol de gs ideal monoatmico. No estado A, a presso PA= 4 atm, a temperatura T1= 27C e o volume VA. A partir do estado A, o gs comprimido isotermicamente at um tero do volume inicial, atingindo o estado B. Na isoterma T1, a quantidade de calor trocada Q1= 2.640 J, e, na isoterma T2, Q2= 7.910 J Determine a) o volume VA, em litro b) a presso PD, em atm, no estado D; c) a temperatura T2 Considerando apenas as transformaes em que o gs recebe calor, determine d) a quantidade total de calor recebido em um ciclo, QR, em J.

Questão 4
2018Física

(FUVEST -2018 - 1 FASE ) Em uma tribo indgena de uma ilha tropical, o teste derradeiro de coragem de um jovem deixarse cair em um rio, do alto de um penhasco. Um desses jovens se soltou verticalmente, a partir do repouso, de uma altura de 45 m em relao superfcie da gua. O tempo decorrido, em segundos, entre o instante em que o jovem iniciou sua queda e aquele em que um espectador, parado no alto do penhasco, ouviu o barulho do impacto do jovem na gua , aproximadamente,

Questão 4
2018Português

(FUVEST -2018 - 2 FASE) Leia o texto. Um tema frequente em culturas variadas o do desafio ordem divina, a apropriao do fogo pelos mortais. Nos mitos gregos, Prometeu quem rouba o fogo dos deuses. Diz Vernant que Prometeu representa no Olimpo uma vozinha de contestao, espcie de movimento estudantil de maio de 1968. Zeus decide esconder dos homens o fogo, antes disponvel para todos, mortais e imortais, na copa de certas rvores os freixos porque Prometeu tentara tape-lo numa repartio da carne de um touro entre deuses e homens. Na mitologia dos Yanomami, o dono do fogo era o jacar, que cuidadosamente o escondia dos outros, comendo taturanas assadas com sua mulher sapo, sem que ningum soubesse. Ao resto do povo animais que naquela poca eram gente eles s davam as taturanas cruas. O jacar costumava esconder o fogo na boca. Os outros decidem fazer uma festa para fazlo rir e soltar as chamas. Todos fazem coisas engraadas, mas o jacar fica firme, no mximo d um sorrisinho. Betty Mindlin, O fogo e as chamas dos mitos. Revista Estudos Avanados. Adaptado a) O emprego do diminutivo nas palavras vozinha e sorrisinho, consideradas no contexto, produz o mesmo efeito de sentido nos dois casos? Justifique. b) Reescreva o trecho Os outros decidem fazer uma festa para faz-lo rir (...). Todos fazem coisas engraadas, substituindo o verbo fazer por sinnimos adequados ao contexto em duas de suas trs ocorrncias.

Questão 4
2018Geografia

(Fuvest Segunda Fase - 2018 - dia 3)

Questão 5
2018Português

(FUVEST -2018 - 2 FASE) Leia o texto. No Brasil colonial, o indissolvel vnculo do matrimnio, tal como ele era concebido pela Igreja Catlica, nem sempre terminava com a morte natural de um dos cnjuges. A crise do casamento assumia vrias formas: a clausura das mulheres, enquanto os maridos continuavam suas vidas; a separao ou a anulao do matrimnio decretadas pela Igreja; a transgresso pela bigamia ou mesmo pelo assassnio do cnjuge. Maria Beatriz Nizza da Silva, Histria da Famlia no Brasil Colonial. Adaptado a) No texto, que ideia sintetizada pela palavra crise? b) Reescreva a orao tal como ele era concebido pela Igreja Catlica, empregando a voz ativa e fazendo as adaptaes necessrias.

Questão 5
2018Matemática

(FUVEST - 2018 - 2 FASE) No plano cartesiano real, considere o tringulo ABC, em que A=(5,0), B=(8,0), C=(5,5), e a reta de equao,.Sejaa rea do trapzio ABED, em que D a interseco da reta com a reta de equao x=5, e o segmento DE paralelo ao eixo 0x. a) Encontre o comprimento do segmento DEem funo de. b)Expresse e esboce o grfico da funo.

Questão 5
2018Biologia

(FUVEST 2018 - Segunda Fase) O heredograma mostra pessoas afetadas por uma doena gentica rara. a) mais provvel que essa doena tenha herana autossmica ou ligada ao cromossomo X? dominante ou recessiva? Justifique suas respostas b) Determinou-se que a doena nessa famlia causada pela substituio de um nico par de bases num determinado gene, o que levou substituio de uma glicina por uma arginina em uma enzima. Na tabela do cdigo gentico, esto relacionados os cdons correspondentes glicina e arginina. Com base nas informaes da tabela, indique a alterao que possa ter ocorrido no gene, em uma das trincas de bases correspondentes glicina, determinando sua substituio por arginina na enzima.

Questão 5
2018Química

(FUVEST - 2018 2 fase)O pineno é um composto insaturado volátil que existe sob a forma de dois isômeros, o alfa-pineno e o beta-pineno. Em um laboratório, havia uma amostra de pineno, mas sem que se soubesse se o composto era o alfapineno ou o beta pineno. Para resolver esse problema, um químico decidiu tratar a amostra com ozônio, pois a posição de duplas ligações em alcenos pode ser determinada pela análise dos produtos de reação desses alcenos com ozônio, como exemplificado nas reações para os isômeros de posição do 3-metil-octeno. O químico observou então que a ozonólise da amostra de pineno resultou em apenas um composto como produto. a) Esclareça se a amostra que havia no laboratório era do alfapineno ou do beta-pineno. Explique seu raciocínio. b) Mostre a fórmula estrutural do composto formado

Questão 5
2018Física

(FUVEST -2018 - 1 FASE ) Ondas na superfcie de lquidos tm velocidades que dependem da profundidade do lquido e da acelerao da gravidade, desde que se propaguem em guas rasas. O grfico representa o mdulo v da velocidade da onda em funo da profundidade h da gua. Uma onda no mar, onde a profundidade da gua 4,0 m, tem comprimento de onda igual a 50 m. Na posio em que a profundidade da gua 1,0 m, essa onda tem comprimento de onda, em m, aproximadamente igual a

Questão 5
2018História

(FUVEST - 2018) Em 14 de maio de 1930, um jornalista argentino comps a seguinte crnica, referindo-se abolio da escravido no Brasil: Hoje almoando na companhia do senhor catalo cujo nome no vou dizer por razes que os leitores podem adivinhar, ele me disse: -13 de maio festa nacional... Ah! mesmo? Continuei botando azeite na salada. -Festa da abolio da escravatura. -Ah, que bom. E como o assunto no me interessava especialmente, dedicava agora minha ateno a dosar a quantidade de vinagre que colocava na verdura. -Semana que vem far 42 anos que foi abolida a escravido. Dei tamanho pulo na cadeira, que metade da vinagreira foi parar na salada... -Como disse? repliquei espantado. -Sim, 42 anos, sob a regncia de dona Isabel de Bragana, aconselhada por Benjamin Constant. Dona Isabel era filha de Dom Pedro II. -Quarenta e dois anos? No possvel... -13 de maio de 1888, menos 1930: 42 anos... -Quer dizer que... -Que qualquer negro de 50 anos que voc encontrar hoje pelas ruas foi escravo at os 8 anos de idade; o negro de 60 anos, escravo at os 18 anos. -No ser possvel! O senhor deve estar enganado. No ser o ano de 1788... Olhe: acho que o senhor est enganado. No possvel. -Bom, se no acredita em mim, pode averiguar por a. Roberto Arlt. guasfortes cariocas. Rio de Janeiro: Rocco, 2013. Traduo: Gustavo Pacheco. a) Identifique e explique o estranhamento do cronista argentino. b) Aponte e explique duas caractersticas do processo de abolio da escravido no Brasil.

NOVIDADES
Kuadro