Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
ITA
IME
IME
ENEM
ENEM
FUVEST
FUVEST
UNICAMP
UNICAMP
UNESP
UNESP
ESPCEX
ESPCEX
AFA
AFA
Questão 45
2011Biologia

(FUVEST - 2011) O quadro abaixo lista caractersticas que diferenciam os reinos dos fungos, das plantas e dos animais, quanto ao tipo e ao nmero de clulas e quanto forma de nutrio de seus integrantes. Com relao a essas caractersticas, os seres vivos que compem o reino dos fungos esto indicados em: A alternativa que corresponde corretamente a relao entre as colunas e os nmeros :

Questão 49
2011Biologia

(FUVEST- 2011) A figura abaixo representa, em corte longitudinal, o corao de um sapo. Comparando o corao de um sapo com o corao humano, pode-se afirmar que

Questão 50
2011História

(FUVEST - 2011)As cidades [do Mediterrneo antigo] se formaram, opondo-se ao internacionalismo praticado pelas antigas aristocracias. Elas se fecharam e criaram uma identidade prpria, que lhes dava fora e significado. Norberto Luiz Guarinello, A cidade na Antiguidade Clssica. So Paulo: Atual, p.20, 2006. Adaptado. As cidades-estados gregas da Antiguidade Clssica podem ser caracterizadas pela

Questão 51
2011História

(FUVEST - 2011) Se o Ocidente procurava, atravs de suas invases sucessivas, conter o impulso do Isl, o resultado foi exatamente o inverso. Amin Maalouf, As Cruzadas vistas pelos rabes. So Paulo: Brasiliense, p.241, 2007. Um exemplo do resultado inverso das Cruzadas foi a

Questão 52
2011História

(FUVEST - 2011) Quando a expanso comercial europeia ganhou os oceanos, a partir do sculo XV, rapidamente o mundo conheceu um fenmeno at ento indito: populaes que jamais tinham tido qualquer contato umas com as outras passaram a se aproximar, em diferentes graus. Uma das dimenses dramticas desses novos contatos foi o choque entre ambientes bacteriolgicos estranhos, do qual resultou a mundializao de doenas e, consequentemente, altas taxas de mortalidade em sociedades cujos indivduos no possuam anticorpos para enfrentar tais doenas. Isso ocorreu, primeiro, entre as populaes:

Questão 53
2011História

(FUVEST - 2011) Quando os Holandeses passaram ofensiva na sua Guerra dos Oitenta Anos pela independncia contra a Espanha, no fim do sculo XVI, foi contra as possesses coloniais portuguesas, mais do que contra as espanholas, que os seus ataques mais fortes e mais persistentes se dirigiram. Uma vez que as possesses ibricas estavam espalhadas por todo o mundo, a luta subsequente foi travada em quatro continentes e em sete mares e esta luta seiscentista merece muito mais ser chamada a Primeira Guerra Mundial do que o holocausto de 1914-1918, a que geralmente se atribui essa honra duvidosa. Como evidente, as baixas provocadas pelo conflito ibero-holands foram em muito menor escala, mas a populao mundial era muito menor nessa altura e a luta indubitavelmente mundial. Charles Boxer, O imprio martimo portugus, 1415-1825. Lisboa: Edies 70, s.d., p.115. Podem-se citar, como episdios centrais dessa luta seiscentista, a

Questão 54
2011História

(FUVEST - 2011) assim extremamente simples a estrutura social da colnia no primeiro sculo e meio de colonizao. Reduz-se em suma a duas classes: de um lado os proprietrios rurais, a classe abastada dos senhores de engenho e fazenda; doutro, a massa da populao espria dos trabalhadores do campo, escravos e semilivres. Da simplicidade da infraestrutura econmica a terra, nica fora produtiva, absorvida pela grande explorao agrcola deriva a da estrutura social: a reduzida classe de proprietrios e a grande massa, explorada e oprimida. H naturalmente no seio desta massa gradaes, que assinalamos. Mas, elas no so contudo bastante profundas para se caracterizarem em situaes radicalmente distintas. Caio Prado Jr., Evoluo poltica do Brasil. 20 ed. So Paulo: Brasiliense, p.28-29, 1993 [1942]. Neste trecho, o autor observa que, na sociedade colonial,

Questão 55
2011História

(FUVEST - 2011) Fonte: Francisco Jos de Goya y lucientes,3 de maio [de 1808] em Madri A cena retratada no quadro acima simboliza a

Questão 56
2011História

(FUVEST - 2011) Foi precisamente a diviso da economia mundial em mltiplas jurisdies polticas, competindo entre si pelo capital circulante, que deu aos agentes capitalistas as maiores oportunidades de continuar a expandir o valor de seu capital, nos perodos de estagnao material generalizada da economia mundial. Giovanni Arrighi, O longo sculo XX. Dinheiro, poder e as origens do nosso tempo. Rio de Janeiro/So Paulo: Contraponto/Edunesp, p.237, 1996. Conforme o texto, uma das caractersticas mais marcantes da histria da formao e desenvolvimento do sistema capitalista a

Questão 57
2011HistóriaPortuguês

(FUVEST - 2011) No entra a policia! No deixa entrar! Aguenta! Aguenta! No entra! No entra! repercutiu a multido em coro. E todo o cortio ferveu que nem uma panela ao fogo. Aguenta! Aguenta! Aluisio Azevedo, O cortio. 1890, parte X. O fragmento acima mostra a resistncia dos moradores de um cortio entrada de policiais no local. O romance de Aluisio Azevedo

Questão 58
2011História

(FUVEST - 2011)frica vive (...) prisioneira de um passado inventado por outros. Mia Couto, Um retrato sem moldura, in Leila Hernandez, A frica na sala de aula. So Paulo: Selo Negro, p.11, 2005. A frase acima se justifica porque

Questão 59
2011História

(FUVEST - 2011) A burca no um smbolo religioso, um smbolo da subjugao, da subjugao das mulheres. Quero dizer solenemente que no ser bem-recebida em nosso territrio. Nicolas Sarkozy, presidente da Frana, 22/6/2009, Estado.com.br, 22/6/2009. http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,burcas-naotem-lugar-na-franca-diz-sarkozy,391152,0.htm Acessado em 10/6/2010. Deputados que integram a Comisso Parlamentar encarregada de analisar o uso da burca na Frana propuseram a proibio de todos os tipos de vus islmicos integrais nos servios pblicos. () A resoluo prev a proibio do uso de tais vestimentas nos servios pblicos hospitais, transportes, escolas pblicas e outras instalaes do governo. Folha Online, 26/1/2010. http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u684757.shtml. Acessado em 10/6/2010. Com base nos textos acima e em seus conhecimentos, assinale a afirmao correta sobre o assunto.

Questão 60
2011Geografia

(FUVEST - 2011) Esta foto ilustra uma das formas do relevo brasileiro, que so as chapadas. correto afirmar que essa forma de relevo est

Questão 61
2011Geografia

(FUVEST - 2011) O rico patrimnio histrico-arquitetnico da cidade de So Luiz do Paraitinga, parcialmente destrudo pelas chuvas no incio de 2010, associa-se a um fausto vivido pelo Vale do Paraba, no passado, entre final do sculo XIX e incio do sculo XX, proporcionado pela cultura do caf. Considere as seguintes afirmaes sobre o Vale do Paraba, no estado de So Paulo. I. A pecuria leiteira, que se desenvolveu no Vale, a partir da crise do caf, , ainda hoje, uma atividade econmica praticada na regio. II. Essa regio abriga as maiores hidreltricas do Estado, responsveis pelo fornecimento de energia para a Regio Metropolitana de So Paulo. III. O relevo de Mares de Morros marca a paisagem dessa regio, estendendo-se, tambm, para outros estados brasileiros. IV. A industrializao dessa regio foi favorecida por sua localizao, entre as duas maiores cidades brasileiras, bem como por sua acessibilidade rodoviria. Est correto o que se afirma em

Questão 62
2011Geografia

(FUVEST - 2011) Conforme proposta do gegrafo Aziz AbSaber, existem, no Brasil, seis domnios morfoclimticos. Assinale a alternativa correta sobre o Domnio Morfoclimtico das Araucrias.

NOVIDADES
Kuadro