Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 1
2015Biologia

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) No heredograma abaixo esto representadas pessoas que tm uma doena gentica muito rara, cuja herana dominante. A doena causada por mutao em um gene localizado no cromossomo 6. Essa mutao, entretanto, s se manifesta, causando a doena, em 80% das pessoas heterozigticas. a) Usando os algarismos romanos e arbicos correspondentes, identifique as pessoas que so certamente heterozigticas quanto a essa mutao. Justifique sua resposta. b) Qual a probabilidade de uma criana, que II‐5 venha a ter, apresentar a doena? Justifique sua resposta.

Questão 1
2015História

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) Examine a seguinte imagem: a) Identifique e analise dois elementos representados na imagem, relativos ao contexto sociopoltico de Portugal na segunda metade do sculo XVIII. b) Aponte e explique uma medida relativa ao Brasil, adotada por Portugal nessa mesma poca.

Questão 1
2015Geografia

(FUVEST 2015 - 2 FASE) Segundo o IBGE, aglomerado subnormal um conjunto constitudo de, no mnimo, 51 unidades habitacionais (barracos, casas, etc.) carentes, em sua maioria, de servios pblicos essenciais. O conceito de aglomerado subnormal foi utilizado pela primeira vez no Censo Demogrfico 1991. Possui certo grau de generalizao, de forma a abarcar a diversidade de assentamentos existentes no Pas, conhecidos como: favela, invaso, grota, baixada, comunidade, vila, ressaca, mocambo, palafita, entre outros. Aglomerados subnormais. IBGE, 2011. Adaptado. Com base no texto e no mapa, a) identifique duas caractersticas dos aglomerados subnormais, sendo uma relativa questo fundiria e outra ao padro de urbanizao; b) explique a concentrao espacial dos aglomerados subnormais na regio Sudeste e o processo que levou a essa concentrao

Questão 2
2015Geografia

(FUVEST 2015 - 2 FASE) A Conveno das Naes Unidas sobre Direito do Mar estabelece as linhas de base a partir das quais passam a ser contados o mar territorial, a zona contgua, a zona econmica exclusiva e o limite exterior da plataforma continental, bem como os critrios para o delineamento do limite exterior da plataforma. www.marinha.mil.br. Acesso em 30/10/2014. Adaptado. Com base nessa Conveno, da qual o Brasil signatrio, o governo brasileiro props s Naes Unidas a ampliao do limite exterior de sua plataforma continental para at 350 milhas nuticas (648 km), o que resultaria em uma rea total com cerca de 4,4 milhes de quilmetros quadrados, a qual vem sendo chamada pela Marinha do Brasil de Amaznia Azul. Considerando o mapa e seus conhecimentos, a) explique a importncia geoestratgica da delimitao de reas/zonas martimas para as naes litorneas; b) identifique e explique duas razes da importncia econmica da chamada Amaznia Azul para o Brasil.

Questão 2
2015Inglês

(FUVEST 2015 2 Fase - 2 dia) When it comes to information and connection, we rarely want for anything these days. And thats a problem, argues journalist Michael Harris in his new book The End of Absence: Reclaiming What Weve Lost in a World of Constant Connection (Current, August 2014). Harris suggests that modern technology, especially the smartphone, has taken certain kinds of absence from our lives it has eliminated our time for solitude and daydreaming, and filled even short moments of quiet with interruptions and distractions. Harris worries that these absences have fundamental value in human lives, and maintains that we ought to try to hold on to them. Certain generations alive today will be the last to remember what life was like before the Internet. It is these generations who are uniquely able to consider what weve lost, even as we have gained the vast resources and instant connectivity of the Web and mobile communications. Now would be a good time for society to stop and think about protecting some aspects of our preͲInternet lives, and move toward a balanced future that embraces technology while holding on to absence. Scientific American, July 15, 2014. Adaptado. Responda, em portugus, s seguintes perguntas relativas ao texto. a) Qual a opinio de Michael Harris sobre a tecnologia moderna, em especial sobre o smartphone? b) Como as geraes mais velhas se situam face ao uso das novas tecnologias na era da internet?

Questão 2
2015Português

(FUVEST 2015 - 2 fase) Leia o seguinte texto jornalstico: PARA PARA Numa de suas recentes crticas internas, a ombudsman desta Folha props uma campanha para devolver o acento que a reforma ortogrfica roubou do verbo parar. Faz todo sentido. O que no faz nenhum sentido ler So Paulo para para ver o Corinthians jogar. Pior ainda que ler ter de escrever. Juca Kfouri, Folha de S. Paulo, 22/09/2014. Adaptado. a) No primeiro perodo do texto, existe alguma palavra cujo emprego conota a opinio do articulista sobre a reforma ortogrfica? Justifique sua resposta. b) Para evitar o para para que desagradou ao jornalista, pode-se reescrever a frase So Paulo para para ver o Corinthians jogar, substituindo a preposio que nela ocorre por outra de igual valor sinttico-semntico ou alterando a ordem dos termos que a compem. Voc concorda com essa afirmao? Justifique sua resposta.

Questão 2
2015Física

(Fuvest 2015 2fase) O aquecimento de um forno eltrico baseado na converso de energia eltrica em energia trmica em um resistor. A resistncia R do resistor desse forno, submetido a uma diferena de potencial V constante, varia com a sua temperatura T. Na figura da pgina de respostas mostrado o grfico da funo R(T) = R0+ (T T0), sendo R0o valor da resistncia na temperatura T0e uma constante. Ao se ligar o forno, com o resistor a 20C, a corrente 10 A. Ao atingir a temperatura TM, a corrente 5 A. Determine a a) constante ; b) diferena de potencial V; c) temperatura TM; d) potncia P dissipada no resistor na temperatura TM.

Questão 2
2015História

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) O movimento poltico conhecido como Confederao do Equador, ocorrido em 1824 em Pernambuco e em provncias vizinhas, contou com a liderana de figuras como Manuel Carvalho Paes de Andrade e Frei Joaquim do Amor Divino Caneca. Relacione esse movimento com a) o projeto poltico desenvolvido pela Corte do Rio de Janeiro, na mesma poca; b) outros dois movimentos ocorridos em Pernambuco, em anos anteriores.

Questão 2
2015Matemática

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) Resolva as inequaes: a) x3 x2 6x 0; b) log2(x3-x2-6x) 2.

Questão 2
2015Biologia

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) Analise o grfico abaixo, relativo mortalidade de fmeas frteis do camaro‐da‐areia (Crangon septemspinosa) em gua aerada, em diferentes temperaturas e salinidades, durante determinado perodo. a) Qual dos seguintes conceitos -ecossistema, hbitat, nicho ecolgico -est implcito nesse grfico? b) Os dados de mortalidade representados nesse grfico referem‐se a que nvel de organizao: espcie, populao ou comunidade? c) Temperatura e salinidade so fatores abiticos que, nesse caso, provocaram mortalidade das fmeas do camaro‐da‐areia. Cite dois fatores biticos que tambm possam produzir mortalidade.

Questão 2
2015Química

(FUVEST 2015 - 2 fase) O hidrognio tem sido apontado como possvel fonte de energia do futuro. Algumas montadoras de automveis esto construindo carros experimentais que podem funcionar utilizando gasolina ou hidrognio lquido como combustvel. Considere a tabela a seguir, contendo dados obtidos nas mesmas condies, sobre a energia especfica (quantidade de energia liberada pela combusto completa de 1 g de combustvel) e o contedo de energia por volume (quantidade de energia liberada pela combusto completa de 1 L de combustvel), para cada um desses combustveis: a) Com base nos dados da tabela, calcule a razo entre as densidades da gasolina lquida e do hidrognio lquido (dgasolina(l)/ dhidrognio(l)). Mostre os clculos. b) Explique por que, embora a energia especfica do hidrognio lquido seja maior do que a da gasolina lquida, o contedo de energia por volume do hidrognio lquido menor do que o da gasolina lquida.

Questão 2
2015História

(FUVEST 2015) Em certos aspectos, os gregos da Antiguidade foram sempre um povo disperso. Penetraram em pequenos grupos no mundo mediterrânico e, mesmo quando se instalaram e acabaram por dominá-lo, permaneceram desunidos na sua organização política. No tempo de Heródoto, e muito antes dele, encontravam-se colônias gregas não somente em toda a extensão da Grécia atual, como também no litoral do Mar Negro, nas costas da atual Turquia, na Itália do sul e na Sicília oriental, na costa setentrional da África e no litoral mediterrânico da França. No interior desta elipse de uns 2500 km de comprimento, encontravam-se centenas e centenas de comunidades que amiúde diferiam na sua estrutura política e que afirmaram sempre a sua soberania. Nem então nem em nenhuma outra altura, no mundo antigo, houve uma nação, um território nacional único regido por uma lei soberana, que se tenha chamado Grécia (ou um sinônimo de Grécia). (M. I. Finley. O mundo de Ulisses. Lisboa: Editorial Presença, 1972. Adaptado.) Com base no texto, pode-se apontar corretamente

Questão 3
2015Matemática

(FUVEST - 2015 - 2 FASE) No cubo ABCDEFGH, representado na figura, na pgina de respostas, cada aresta tem medida 1. Seja Mum ponto na semirreta de origem Aque passa por E. Denote por o ngulo e por xa medida do segmento . a) Exprima cos em funo de x b) Para que valores de xo ngulo obtuso? c) Mostre que, se x = 4, ento mede menos do que 45.

Questão 3
2015Português

(FUVEST 2015 - 2 fase) Leia o seguinte texto: Mal traadas Canad planeja extinguir os carteiros No mundo inteiro, os servios de correio tentam se adaptar disseminao do e-mail, do Facebook, do SMS e do Skype, que golpearam quase at a morte os hbitos tradicionais de correspondncia, mas em nenhum lugar se chegou to longe quanto no Canad. Em dezembro, o Canada Post anunciou nada menos que a extino do carteiro tal como o conhecemos. A meta acabar com o andarilho uniformizado que, faa chuva ou faa sol, distribui envelopes de porta em porta e, s vezes, at conhece os rostos por trs dos nomes dos destinatrios. Os adultos de amanh se lembraro dele tanto quanto os de hoje se recordam dos leiteiros, profetizou o blog de assuntos metropolitanos do jornal Toronto Star, conformado marcha inelutvel da modernidade tecnolgica. Claudia Antunes, http://revistapiaui.estadao.com.br. Adaptado a) Qual a relao de sentido existente entre o ttulo Mal traadas e o assunto do texto? b) Sem alterar o sentido, reescreva o trecho conformado marcha inelutvel da modernidade tecnolgica, substituindo a palavra conformado por um sinnimo e o adjetivo inelutvel pelo verbo lutar, fazendo as modificaes necessrias. Exemplo: marcha inevitvel da modernidade tecnolgica = marcha da modernidade tecnolgica que no se pode evitar.

Questão 3
2015Química

(FUVEST 2015 - 2 fase) A preparao de um biodiesel, em uma aula experimental, foi feita utilizando‐se etanol, KOH e leo de soja, que constitudo principalmente por triglicerdeos. A reao que ocorre nessa preparao de biodiesel chamada transesterificao, em que um ster reage com um lcool, obtendo‐se um outro ster. Na reao feita nessa aula, o KOH foi utilizado como catalisador. O procedimento foi o seguinte: 1 etapa: Adicionou‐se 1,5 g de KOH a 35 mL de etanol, agitando‐se continuamente a mistura. 2 etapa: Em um erlenmeyer, foram colocados 100 mL de leo de soja, aquecendo‐se em banho‐maria, a uma temperatura de 45C. Adicionou‐se a esse leo de soja a soluo de catalisador, agitando‐se por mais 20 minutos. 3 etapa: Transferiu‐se a mistura formada para um funil de separao, e esperou‐se a separao das fases, conforme representado na figura ao lado a) Toda a quantidade de KOH, empregada no procedimento descrito, se dissolveu no volume de etanol empregado na primeira etapa? Explique, mostrando os clculos. b) Considere que a frmula estrutural do triglicerdeo contido no leo de soja a mostrada ao lado.Escreva, no espao indicado na pgina de respostas, a frmula estrutural do biodiesel formado. , c) Se, na primeira etapa desse procedimento, a soluo de KOH em etanol fosse substituda por um excesso de soluo de KOH em gua, que produtos se formariam? Responda, completando o esquema da pgina de respostas com as frmulas estruturais dos dois compostos que se formariam e balanceando a equao qumica.

NOVIDADES
Kuadro