Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

Questão 9
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE) Texto para as questes. Assim, pois, o sacristo da S, um dia. ajudando a missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou-lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou D. Plcida. de crer que D. Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias Pstumas de Brs Cubas) No trecho acima, Brs Cubas reflete sobre a histria de Dona Plcida, reconhecendo a extrema dureza de sua vida. No contexto do livro, esse reconhecimento revela que Brs Cubas, embora perceba com preciso o desamparo dos pobres, no faz mais que

Questão 9
2005Português

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Leia este trecho de A hora da estrela, de Clarice Lispector, no qual Macaba, depois de receber o aviso de que seria despedida do emprego, olha-se ao espelho: Depois de receber o aviso foi ao banheiro para ficar sozinha porque estava toda atordoada. Olhou-se maquinalmente ao espelho que encimava a pia imunda e rachada, cheia de cabelos, o que tanto combinava com sua vida. Pareceu-lhe que o espelho bao e escurecido no refletia imagem alguma. Sumira por acaso a sua existncia fsica? Logo depois passou a iluso e enxergou a cara toda deformada pelo espelho ordinrio, o nariz tornado enorme como o de um palhao de nariz de papelo. Olhou-se e levemente pensou: to jovem e j com ferrugem. a) Neste trecho, o fato de parecer, a Macaba, no se ver refletida no espelho liga-se imediatamente ao aviso de que seria despedida. Projetando essa ausncia de reflexo no contexto mais geral da obra, como voc a interpreta? b) Tambm no contexto da obra, explique por que o narrador diz que Macaba pensou levemente.

Questão 10
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE)Texto para as questes Assim, pois, o sacristo da S, um dia, ajudando missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou--lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou Dona Plcida. de crer que Dona Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: - Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: - Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias pstumas de Brs Cubas) A vida de Dona Plcida, referida no excerto, muito semelhante vida de trabalhos duros e incessantes de Juliana (O primo Baslio), com a diferena de que a personagem de Ea de Queirs

Questão 10
2005Português

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Leia o seguinte poema de Alberto Caeiro: Ponham na minha sepultura Aqui jaz, sem cruz, Alberto Caeiro Que foi buscar os deuses... Se os deuses vivem ou no isso convosco. A mim deixei que me recebessem. a) Identifique, no poema, a modalidade religiosa que o poeta rejeita e aquela com que tem maior afinidade. Explique sucintamente. b) Relacione a referncia a deuses (plural), no poema, com o seguinte verso, extrado de outro poema de Alberto Caeiro: A natureza partes sem um todo.

Questão 10
2005Matemática

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Uma pessoa dispe de um dado honesto, que lanado sucessivamente quatro vezes. Determine a probabilidade de que nenhum dos nmeros sorteados nos dois primeiros lanamentos coincida com algum dos nmeros sorteados nos dois ltimos lanamentos.

Questão 10
2005Biologia

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Devido ao aparecimento de uma barreira geogrfica, duas populaes de uma mesma espcie ficaram isoladas por milhares de anos, tornando-se morfologicamente distintas. a) Explique sucintamente como as duas populaes podem ter-se tornado morfologicamente distintas no decorrer do tempo. b) No caso de as duas populaes voltarem a entrar em contato, pelo desaparecimento da barreira geogrfica, o que indicaria que houve especiao?

Questão 10
2005História

(FUVEST - 2005 - 2FASE) Esta fotografia mostra So Paulo, em 1950. Observe-a e responda: a) Que smbolos da modernidade nela aparecem? b) Por que So Paulo, a exemplo de outras cidades brasileiras, cresceu tanto a partir da dcada de 1950?

Questão 10
2005Química

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Define-se balano de oxignio de um explosivo, expresso em percentagem, como a massa de oxignio faltante (sinal negativo) ou em excesso (sinal positivo), desse explosivo, para transformar todo o carbono, se houver, em gs carbnico e todo o hidrognio, se houver, em gua, dividida pela massa molar do explosivo e multiplicada por 100. O grfico ao lado traz o calor liberado na decomposio de diversos explosivos, em funo de seu balano de oxignio. Um desses explosivos o tetranitrato de pentaeritritol (PETN, C5H8N4O12). A equao qumica da decomposio desse explosivo pode ser obtida, seguindo-se as seguintes regras: - tomos de carbono so convertidos em monxido de carbono. - Se sobrar oxignio, hidrognio convertido em gua. - Se ainda sobrar oxignio, monxido de carbono convertido em dixido de carbono. - Todo o nitrognio convertido em nitrognio gasoso diatmico. a) Escreva a equao qumica balanceada para a decomposio do PETN. b) Calcule, para o PETN, o balano de oxignio. c) Calcule o ∆H de decomposio do PETN, utilizando as entalpias de formao das substncias envolvidas nessa transformao. d) Que concluso possvel tirar, do grfico apresentado, relacionando calor liberado na decomposio de umexplosivo e seu balano de oxignio?

Questão 10
2005Geografia

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Observe os mapas do municpio de So Paulo. a) Associe as informaes dos mapas A e B. b) Associe as informaes dos mapas B e C. Explique.

Questão 10
2005Física

(FUVEST - 2005 - 2FASE)Uma espira condutora ideal, com 1,5 m por 5,0 m, deslocada com velocidade constante, de tal forma que um de seus lados atravessa uma regio onde existe um campo magntico B, uniforme, criado por um grande eletrom. Esse lado da espira leva 0,5 s para atravessar a regio do campo. Na espira est inserida uma resistncia R com as caractersticas descritas. Em conseqncia do movimento da espira, durante esse intervalo de tempo, observa-se uma variao de temperatura, em R, de 40C. Essa medida de temperatura pode, ento, ser utilizada como uma forma indireta para estimar o valor do campo magntico B. Assim determine a) a energia E, em joules, dissipada no resistor sob a forma de calor. b) a corrente I, em ampres, que percorre o resistor durante o aquecimento. c) o valor do campo magntico B, em teslas.

Questão 11
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE)Texto para as questes Assim, pois, o sacristo da S, um dia, ajudando missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou--lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou Dona Plcida. de crer que Dona Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: - Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: - Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias pstumas de Brs Cubas) Tal como narradas neste trecho, as circunstncias que levam ao nascimento de Dona Plcida apresentam semelhana maior com as que conduzem ao nascimento da personagem

Questão 12
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE)Texto para as questes - Assim, pois, o sacristo da S, um dia, ajudando a missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de D. Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou-lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou D. Plcida. de crer que D. Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: - Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: - Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias Pstumas de Brs Cubas) ________________________________________________________________________________________________________________________________________ Consideradas no contexto em que ocorrem, constituem um caso de anttese as expresses

Questão 13
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE) Texto para as questes. Assim, pois, o sacristo da S, um dia. ajudando a missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou-lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou D. Plcida. de crer que D. Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias Pstumas de Brs Cubas) Dos verbos no infinitivo que ocorrem na resposta do sacristo e da sacrist, o nico que deve ser entendido necessariamente, em dois sentidos diferentes :

Questão 14
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE)Texto para as questes - Assim, pois, o sacristo da S, um dia, ajudando a missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de D. Plcida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graa, pisou-lhe o p, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjuno de luxrias vadias brotou D. Plcida. de crer que D. Plcida no falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: - Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristo e a sacrist naturalmente lhe responderiam: - Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou no comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanh resignada, mas sempre com as mos no tacho e os olhos na costura, at acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia. (Machado de Assis, Memrias Pstumas de Brs Cubas) ________________________________________________________________________________________________________________________________________ A palavra assinalada no trecho que devia ser sua colaboradora na vida de Dona Plcida mantm uma relao sinonmica com a palavra dia(s) em:

Questão 16
2005Português

(FUVEST - 2005 - 1 FASE) Texto para as questes. ESCREVO-LHE ESTA CARTA... Um ano depois, programa de alfabetizao no Acre apresenta resultados acima da mdia e, como prova final, bilhetes comoventes Repleto de adultos recm-alfabetizados, o Teatro Plcido de Castro, na capital do Acre, Rio Branco, quase veio abaixo com a leitura do bilhete escrito pela dona de casa Sebastiana Costa para o marido: Manoel, eu fui para aula. Se quiser comida esquente. Foi eu que escrevi. Atordoada com os aplausos, a franzina Sebastiana desceu do palco com a cabea baixa e os ombros encurvados. Casada h trinta anos e me de oito filhos, ela s descontraiu um pouco quando a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, comentou que o bilhete no precisava ser interpretado como um desaforo, embora passasse um sentimento de libertao. Alfabetizada apenas aos dezessete anos, a ministra Marina conhece como poucos o drama daqueles que no so capazes de decifrar o letreiro de um nibus ou de rabiscar uma simples mensagem. (Revista ISTO) O bilhete escrito por Sebastiana Costa tem linguagem simples, mas nem por isso o que dizem suas palavras deixa de conotar um significado mais profundo,