Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
ITA
IME
IME
ENEM
ENEM
FUVEST
FUVEST
UNICAMP
UNICAMP
UNESP
UNESP
ESPCEX
ESPCEX
AFA
AFA
Questão 69
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Alguns polmeros biodegradveis so utilizados em fios de sutura cirrgica, para regies internas do corpo, pois no so txicos e so reabsorvidos pelo organismo. Um desses materiais um copolmero de condensao que pode ser representado pela figura 1. Dentre os seguintes compostos da figura 2 os que do origem ao copolmero citado so

Questão 70
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) A efervescncia observada, ao se abrir uma garrafa de champanhe, deve-se rpida liberao, na forma de bolhas, do gs carbnico dissolvido no lquido. Nesse lquido, a concentrao de gs carbnico proporcional presso parcial desse gs, aprisionado entre o lquido e a rolha. Para um champanhe de determinada marca, a constante de proporcionalidade (k) varia com a temperatura, conforme mostrado no grfico. Uma garrafa desse champanhe, resfriada a 12 C, foi aberta presso ambiente e 0,10 L de seu contedo foram despejados em um copo. Nessa temperatura, 20% do gs dissolvido escapou sob a forma de bolhas. O nmero de bolhas liberadas, no copo, ser da ordem de

Questão 71
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) As reaes, em fase gasosa, representadas pelas equaes I, II e III, liberam, respectivamente, as quantidades de calor Q1 J, Q2 J e Q3 J, sendo Q3 Q2 Q1. I) 2NH3 + 5/2O2 2NO + 3H2O ∆H1 = - Q1J II) 2NH3 + 7/2O2 2NO2 + 3H2O ∆H2 = - Q2J III) 2NH3 + 4O2 N2O5 + 3H2O ∆H3 = - Q3J Assim sendo, a reao representada por IV) N2O5 2NO2 +1/2O2 ∆H4 ser:

Questão 72
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Em 1995, o elemento de nmero atmico 111 foi sintetizado pelatransformao nuclear: 28Ni64 + 83Bi209  111Rg272 + nutron Esse novo elemento, representado por Rg, instvel. Sofre o decaimento: 111Rg272  109Mt268  107Bh264105Db260  103Lr256 101Md252 Nesse decaimento, liberam-se apenas

Questão 73
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Os desenhos so representaes de molculas em que se procura manter propores corretas entre raios atmicos e distncias internucleares. Os desenhos podem representar, respectivamente, molculas de

Questão 74
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Preparam-se duas solues saturadas, uma de oxalato de prata (Ag2C2O4) e outra de tiocianato de prata (AgSCN). Esses dois sais tm, aproximadamente, o mesmo produto de solubilidade (da ordem de 12.1012). Na primeira, a concentrao de ons prata [Ag+]1e, na segunda,[Ag+]2; as concentraes de oxalato e tiocianato so, respectivamente, [C2O4-2]e [SCN-] . Nesse caso, correto afirmar que:

Questão 75
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Com a chegada dos carros com motor Flex, que funcionam tanto com lcool quanto com gasolina, importante comparar o preo do litro de cada um desses combustveis. Supondo-se que a gasolina seja octano puro e o lcool, etanol anidro, as transformaes que produzem energia podem ser representadas por C8H18() + 25/2O2(g)8CO2(g) + 9H2O(g) + 5100 kJ C2H5OH() + 3O2(g)2CO2(g) + 3H2O(g) + 1200 kJ Considere que, para o mesmo percurso, idntica quantidade de energia seja gerada no motor Flex, quer se use gasolina, quer se use lcool. Nesse contexto, ser indiferente, em termos econmicos, usar lcool ou gasolina se o quociente entre o preo do litro de lcool e do litro de gasolina for igual a

Questão 76
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Embalagens de fertilizantes do tipo NPK trazem trs nmeros, compostos de dois algarismos, que se referem, respectivamente, ao contedo de nitrognio, fsforo e potssio, presentes no fertilizante. O segundo desses nmeros d o contedo de fsforo, porm expresso como porcentagem, em massa, de pentxido de fsforo. Para preparar 1 kg de um desses fertilizantes, foram utilizados 558 g de mono-hidrogenofosfato de amnio e 442 g de areia isenta de fosfatos. Na embalagem desse fertilizante, o segundo nmero, relativo ao fsforo, deve ser, aproximadamente, Massa molar (g/mol) mono-hidrogenofosfato de amnio................ 132 pentxido de fsforo...................................... 142

Questão 77
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Quimicamente falando, no se deve tomar gua ..................., mas apenas gua ................... . A gua .................. inmeros sais, por exemplo, o cloreto de .................., o mais abundante na gua do mar. Em regies litorneas, ameniza variaes bruscas de temperatura, graas sua capacidade de armazenar grande quantidade de energia trmica, o que se deve ao seu alto ..................... . Na forma de suor, sua evaporao abaixa a temperatura do corpo humano, para o que contribui seu elevado .................... . Completa-se corretamente o texto, obedecendo-se a ordem em que as lacunas aparecem, por:

Questão 78
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) Em determinado processo industrial, ocorre uma transformao qumica, que pode ser representada pela equao genrica x A(g)+ y B(g)⇌ z C(g) em que x, y e z so, respectivamente, os coeficientes estequiomtricos das substncias A, B e C. O grfico representa a porcentagem, em mols, de C na mistura, sob vrias condies de presso e temperatura. Com base nesses dados, pode-se afirmar que essa reao

Questão 79
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) O Ministrio da Agricultura estabeleceu um novo padro de qualidade e identidade da cachaa brasileira, definindo limites para determinadas substncias formadas na sua fabricao. Algumas dessas substncias so steres, aldedos e cidos carboxlicos volteis, conforme o caderno Agrcola de 08 de junho de 2005, do jornal O Estado de S. Paulo. Nesse processo de fabricao, pode ter ocorrido a formao de I cido carboxlico pela oxidao de aldedo. II ster pela reao de lcool com cido carboxlico. III aldedo pela oxidao de lcool. abricao, pode ter ocorrido a formao de: I cido carboxlico pela oxidao de aldedo. II ster pela reao de lcool com cido carboxlico. III aldedo pela oxidao de lcool. correto o que se afirma em

Questão 80
2006Química

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) O tanque externo do nibus espacial Discovery carrega, separados, 1,20x106 L de hidrognio lquido a 253 C e 0,55x106 L de oxignio lquido a 183 C. Nessas temperaturas, a densidade do hidrognio 34 mol/L (equivalente a 0,068 g/mL) e a do oxignio 37 mol/L (equivalente a 1,18 g/mL). Massa molares (g/mol) H --- 1g O ---- 16g Considerando o uso que ser feito desses dois lquidos, suas quantidades (em mols), no tanque, so tais que h

Questão 81
2006Inglês

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) CHINA has begun to enter the age of mass car consumption. This is a great and historic advance. So proclaimed the state-run news agency, Xinhua, last year. Environmentalists may feel a twinge of fear at this burgeoning romance with motoring. But a rapid social and economic transformation is under way in urban China, and the car is steering it. In 2002 demand for cars in China soared by 56%, far more than even the rosiest projections. The next year growth quickened to 75%, before slowing in 2004 (when the government tightened rules on credit for car purchases) to around 15%. But in a sluggish global market, Chinas demand remains mesmerising. Few expect this years growth to dip below 10%. As long as the economy goes on galloping at its current high-singledigit clip, many expect car sales to increase by 10-20% annually for several years to come. The Economist, June 4th 2005. According to the passage, Xinhua

Questão 82
2006Inglês

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) CHINA has begun to enter the age of mass car consumption. This is a great and historic advance. So proclaimed the state-run news agency, Xinhua, last year. Environmentalists may feel a twinge of fear at this burgeoning romance with motoring. But a rapid social and economic transformation is under way in urban China, and the car is steering it. In 2002 demand for cars in China soared by 56%, far more than even the rosiest projections. The next year growth quickened to 75%, before slowing in 2004 (when the government tightened rules on credit for car purchases) to around 15%. But in a sluggish global market, Chinas demand remains mesmerising. Few expect this years growth to dip below 10%. As long as the economy goes on galloping at its current high-singledigit clip, many expect car sales to increase by 10-20% annually for several years to come. The Economist, June 4th 2005. The passage suggests that Chinas embrace of the car is likely to make environmentalists

Questão 83
2006Inglês

(FUVEST - 2006 - 1 FASE ) CHINA has begun to enter the age of mass car consumption. This is a great and historic advance. So proclaimed the state-run news agency, Xinhua, last year. Environmentalists may feel a twinge of fear at this burgeoning romance with motoring. But a rapid social and economic transformation is under way in urban China, and the car is steering it. In 2002 demand for cars in China soared by 56%, far more than even the rosiest projections. The next year growth quickened to 75%, before slowing in 2004 (when the government tightened rules on credit for car purchases) to around 15%. But in a sluggish global market, Chinas demand remains mesmerising. Few expect this years growth to dip below 10%. As long as the economy goes on galloping at its current high-singledigit clip, many expect car sales to increase by 10-20% annually for several years to come. The Economist, June 4th 2005. The passage says that the demand for cars in China

NOVIDADES
Kuadro