Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
IME
ENEM
FUVEST
UNICAMP
UNESP
ESPCEX
AFA
Questão 11
2017HistóriaGeografia

(FUVEST 2017 - Segunda Fase, 2o dia) O grfico mostra a progresso da populao humana ao longo do tempo em relao aos sistemas agrrios no mundo. A partir do grfico, a) compare o crescimento demogrfico ocorrido aps a Revoluo agrcola neoltica com o crescimento demogrfico da Revoluo agrcola da Idade Mdia e explique a diferena entre ambos; b) comente os dados do grfico segundo os princpios da teoria demogrfica malthusiana.

Questão 11
2017Português

(Fuvest 2017) No ltimo perodo do texto, o ritmo que o narrador imprime ao relato de seus amores corresponde sobretudo ao que se encontra expresso em

Questão 12
2017Português

(Fuvest 2017) Dentre os recursos expressivos empregados no texto, tem papel preponderante a

Questão 13
2017Matemática

(FUVEST - 2017 - 2 FASE) Um caminho deve transportar, em uma nica viagem, dois materiais diferentes, e , cujos volumes em m3 so denotados por e , respectivamente. Sabe-se que todo o material transportado ser vendido. A densidade desses materiais e o lucro por unidade de volume na venda de cada um deles so dados na tabela a seguir. Para realizar esse transporte, as seguintes restries so impostas: I. o volume total mximo de material transportado deve ser de 50 m3 ; II. a massa total mxima de material transportado deve ser de 10 toneladas. Considerando essas restries: a) esboce, no plano cartesiano preparado na pgina de respostas, a regio correspondente aos pares de volumes dos materiais e que podem ser transportados pelo caminho; b) supondo que a quantidade transportada do material seja exatamente 10m3, determine a quantidade de material que deve ser transportada para que o lucro total seja mximo; c) supondo que a quantidade total de material transportado seja de 36 m3 , determine o par que maximiza o lucro total.

Questão 13
2017HistóriaPortuguês

(Fuvest 2017) Se pudesse mudar-se, gritaria bem alto que o roubavam. Aparentemente resignado, sentia um dio imenso a qualquer coisa que era ao mesmo tempo a campina seca, o patro, os soldados e os agentes da prefeitura. Tudo na verdade era contra ele. Estava acostumado, tinha a casca muito grossa, mas s vezes se arreliava. No havia pacincia que suportasse tanta coisa. -Um dia um homem faz besteira e se desgraa. Graciliano Ramos, Vidas secas. Tendo em vista as causas que a provocam, a revolta que vem conscincia de Fabiano, apresentada no texto como ainda contida e genrica, encontrar foco e uma expresso coletiva militante e organizada, em poca posterior publicao de Vidas secas, no movimento

Questão 14
2017FísicaMatemática

(FUVEST - 2017 - 2 FASE) Um balo sobe verticalmente com acelerao constante de 2 m/s2 a partir de um ponto localizado no solo a 36 m de um observador , que permanece em repouso no solo. A medida em radianos do ngulo de elevao do balo em relao ao observador no instante denotada por . Sabe-se que a massa do balo de 90 kg. a) Supondo que as foras que determinam o movimento do balo sejam o seu peso e o empuxo, calcule o volume do balo. b)Suponha que, no instante , o balo se encontre no ponto e que sua velocidade seja nula. Determine a velocidade mdia do balo entre o instante em que e o instante em que . Adote: Acelerao da gravidade: 10 m/s2 Densidade do ar: 1,2 kg/m3.

Questão 14
2017Português

(Fuvest 2017) O Comissrio apertou-lhe mais a mo, querendo transmitir-lhe o sopro de vida. Mas a vida de Sem Medo esvaa-se para o solo do Mayombe, misturando-se s folhas em decomposio. [...] Mas o Comissrio no ouviu o que o Comandante disse. Os lbios j mal se moviam. A amoreira gigante sua frente. O tronco destaca-se do sincretismo da mata, mas se eu percorrer com os olhos o tronco para cima, a folhagem dele mistura-se folhagem geral e de novo o sincretismo. S o tronco se destaca, se individualiza. Tal o Mayombe, os gigantes s o so em parte, ao nvel do tronco, o resto confunde-se na massa. Tal o homem. As impresses visuais so menos ntidas e a mancha verde predominante faz esbater progressivamente a claridade do tronco da amoreira gigante. As manchas verdes so cada vez mais sobrepostas, mas, num sobressalto, o tronco da amoreira ainda se afirma, debatendo-se. Tal a vida. [...] Os olhos de Sem Medo ficaram abertos, contemplando o tronco j invisvel do gigante que para sempre desaparecera no seu elemento verde. Pepetela, Mayombe. Considerando-se o excerto no contexto de Mayombe, os paralelos que nele so estabelecidos entre aspectos da natureza e da vida humana podem ser interpretados como uma

Questão 15
2017Português

(Fuvest 2017) O Comissrio apertou-lhe mais a mo, querendo transmitir-lhe o sopro de vida. Mas a vida de Sem Medo esvaa-se para o solo do Mayombe, misturando-se s folhas em decomposio. [...] Mas o Comissrio no ouviu o que o Comandante disse. Os lbios j mal se moviam. A amoreira gigante sua frente. O tronco destaca-se do sincretismo da mata, mas se eu percorrer com os olhos o tronco para cima, a folhagem dele mistura-se folhagem geral e de novo o sincretismo. S o tronco se destaca, se individualiza. Tal o Mayombe, os gigantes s o so em parte, ao nvel do tronco, o resto confunde-se na massa. Tal o homem. As impresses visuais so menos ntidas e a mancha verde predominante faz esbater progressivamente a claridade do tronco da amoreira gigante. As manchas verdes so cada vez mais sobrepostas, mas, num sobressalto, o tronco da amoreira ainda se afirma, debatendo-se. Tal a vida. [...] Os olhos de Sem Medo ficaram abertos, contemplando o tronco j invisvel do gigante que para sempre desaparecera no seu elemento verde. Pepetela, Mayombe. Consideradas no mbito dos valores que so postos em jogo em Mayombe, as relaes entre a rvore e a floresta, tal como concebidas e expressas no excerto, ensejam a valorizao de uma conduta que corresponde da personagem

Questão 16
2017PortuguêsGeografia

(FUVEST 2017) O Comissário apertou-lhe mais a mão, querendo transmitir-lhe o sopro de vida. Mas a vida de Sem Medo esvaía-se para o solo do Mayombe, misturando-se às folhas em decomposição. [...] Mas o Comissário não ouviu o que o Comandante disse. Os lábios já mal se moviam. A amoreira gigante à sua frente. O tronco destaca-se do sincretismo da mata, mas se eu percorrer com os olhos o tronco para cima, a folhagem dele mistura-se à folhagem geral e é de novo o sincretismo. Só o tronco se destaca, se individualiza. Tal é o Mayombe, os gigantes só o são em parte, ao nível do tronco, o resto confunde-se na massa. Tal o homem. As impressões visuais são menos nítidas e a mancha verde predominante faz esbater progressivamente a claridade do tronco da amoreira gigante. As manchas verdes são cada vez mais sobrepostas, mas, num sobressalto, o tronco da amoreira ainda se afirma, debatendo-se. Tal é a vida. [...] Os olhos de Sem Medo ficaram abertos, contemplando o tronco já invisível do gigante que para sempre desaparecera no seu elemento verde. Pepetela, Mayombe. Mayombe refere-se a uma região montanhosa em Angola, dominada por floresta pluvial densa, rica em árvores de grande porte, e localizada em área de baixa latitude (440S). Levando em conta essas características geográficas e vegetacionais, é correto afirmar que

Questão 17
2017Português

(Fuvest 2017) Analise as seguintes afirmaes relativas arquitetura das igrejas sob a esttica do Barroco: I. Unem-se, no edifcio, diferentes artes, para assaltar de uma vez os sentidos, de modo que o pblico no possa escapar. II. O arquiteto procurava surpreender o observador, suscitando nele uma reao forte de maravilhamento. III. A arquitetura e a ornamentao dos templos deviam encenar, entre outras coisas, a preeminncia da Igreja. A experincia que se expressa no poema de Drummond registra, em boa medida, as reaes do eu lrico ao que se encontra registrado em

Questão 18
2017Português

(Fuvest 2017) Um aspecto do poema em que se manifesta a persistncia de um valor afirmado tambm no Modernismo da dcada de 1920 o

Questão 19
2017Inglês

(FUVEST 2017) Plants not only remember when you touch them, but they can also make risky decisions that are as sophisticated as those made by humans, all without brains or complex nervous systems. Researchers showed that when faced with the choice between a pot containing constant levels of nutrients or one with unpredictable levels, a plant will pick the mystery pot when conditions are sufficiently poor. In a set of experiments, Dr. Shemesh, from TelHai College in Israel, and Alex Kacelnik, from Oxford University, grew pea plants and split their roots between two pots. Both pots had the same amount of nutrients on average, but in one, the levels were constant; in the other, they varied over time. Then the researchers switched the conditions so that the average nutrients in both pots would be equally high or low, and asked: Which pot would a plant prefer? When nutrient levels were low, the plants laid more roots in the unpredictable pot. But when nutrients were abundant, they chose the one that always had the same amount. The New York Times, June 30, 2016. Adaptado. Segundo uma das conclusões dos experimentos relatados no texto, as plantas de ervilha demonstraram

Questão 20
2017Inglês

(FUVEST 2017) Plants not only remember when you touch them, but they can also make risky decisions that are as sophisticated as those made by humans, all without brains or complex nervous systems. Researchers showed that when faced with the choice between a pot containing constant levels of nutrients or one with unpredictable levels, a plant will pick the mystery pot when conditions are sufficiently poor. In a set of experiments, Dr. Shemesh, from TelHai College in Israel, and Alex Kacelnik, from Oxford University, grew pea plants and split their roots between two pots. Both pots had the same amount of nutrients on average, but in one, the levels were constant; in the other, they varied over time. Then the researchers switched the conditions so that the average nutrients in both pots would be equally high or low, and asked: Which pot would a plant prefer? When nutrient levels were low, the plants laid more roots in the unpredictable pot. But when nutrients were abundant, they chose the one that always had the same amount. The New York Times,June 30, 2016. Adaptado. Conforme o texto, um dos elementos da metodologia empregada nos experimentos foi

Questão 21
2017Inglês

(FUVEST 2017) Plants not only remember when you touch them, but they can also make risky decisions that are as sophisticated as those made by humans, all without brains or complex nervous systems. Researchers showed that when faced with the choice between a pot containing constant levels of nutrients or one with unpredictable levels, a plant will pick the mystery pot when conditions are sufficiently poor. In a set of experiments, Dr. Shemesh, from TelHai College in Israel, and Alex Kacelnik, from Oxford University, grew pea plants and split their roots between two pots. Both pots had the same amount of nutrients on average, but in one, the levels were constant; in the other, they varied over time. Then the researchers switched the conditions so that the average nutrients in both pots would be equally high or low, and asked: Which pot would a plant prefer? When nutrient levels were low, the plants laid more roots in the unpredictable pot. But when nutrients were abundant, they chose the one that always had the same amount. The New York Times,June 30, 2016. Adaptado. De acordo com os experimentos relatados no texto, em condies adversas, as plantas de ervilha priorizaram o crescimento de razes nos vasos que apresentaram nveis de nutrientes

Questão 22
2017Inglês

(FUVEST 2017) A study carried out by Lauren Sherman of the University of California and her colleagues investigated how use of the like button in social media affects the brains of teenagers lying in body scanners. Thirty-two teens who had Instagram accounts were asked to lie down in a functional magnetic resonance imaging (fMRI) scanner. This let Dr. Sherman monitor their brain activity while they were perusing both their own Instagram photos and photos that they were told had been added by other teenagers in the experiment. In reality, Dr. Sherman had collected all the other photos, which included neutral images of food and friends as well as many depicting risky behaviours like drinking, smoking and drug use, from other peoples Instagram accounts. The researchers told participants they were viewing photographs that 50 other teenagers had already seen and endorsed with a like in the laboratory. The participants were more likely themselves to like photos already depicted as having been liked a lot than they were photos depicted with fewer previous likes. When she looked at the fMRI results, Dr. Sherman found that activity in the nucleus accumbens, a hub of reward circuitry in the brain, increased with the number of likes that a photo had. The Economist, June 13, 2016. Adaptado. Segundo o texto, como resultado parcial da pesquisa, observou-se que

NOVIDADES
Kuadro