Gabarito FUVEST - Provas Anteriores

ITA
ITA
IME
IME
ENEM
ENEM
FUVEST
FUVEST
UNICAMP
UNICAMP
UNESP
UNESP
ESPCEX
ESPCEX
AFA
AFA
Questão 22
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Desde pequeno, tive tendncia para personificar as coisas. Tia Tula, que achava que mormao fazia mal, sempre gritava: Vem pra dentro, menino, olha o mormao! Mas eu ouvia o mormao com M maisculo. Mormao, para mim, era um velho que pegava crianas! Ia pra dentro logo. E ainda hoje, quando leio que algum se viu perseguido pelo clamor pblico, vejo com estes olhos o Sr. Clamor Pblico, magro, arquejante, de preto, brandindo um guarda-chuva, com um gog protuberante que se abaixa e levanta no excitamento da perseguio. E j estava devidamente grandezinho, pois devia contar uns trinta anos, quando me fui, com um grupo de colegas, a ver o lanamento da pedra fundamental da ponte Uruguaiana-Libres, ocasio de grandes solenidades, com os presidentes Justo e Getlio, e gente muita, tanto assim que fomos alojados os do meu grupo num casaro que creio fosse a Prefeitura, com os demais jornalistas do Brasil e Argentina. Era como um alojamento de quartel, com breve espao entre as camas e todas as portas e janelas abertas, tudo com os alegres incmodos e duvidosos encantos de uma coletividade democrtica. Pois l pelas tantas da noite, como eu pressentisse, em meu entredormir, um vulto junto minha cama, sentei-me estremunhado* e olhei atnito para um tipo de chiru*, ali parado, de bigodes cados, pala pendente e chapu descido sobre os olhos. Diante da minha muda interrogao, ele resolveu explicar-se, com a devida calma: Pois ! No v que eu sou o sereno... Mrio Quintana, As cem melhores crnicas brasileiras. *Glossrio: estremunhado: mal acordado. chiru: que ou aquele que tem pele morena, traos acaboclados (regionalismo: Sul do Brasil). No incio do texto, o autor declara sua tendncia para personificar as coisas. Tal tendncia se manifesta na personificao dos seguintes elementos:

Questão 23
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Desde pequeno, tive tendncia para personificar as coisas. Tia Tula, que achava que mormao fazia mal, sempre gritava: Vem pra dentro, menino, olha o mormao! Mas eu ouvia o mormao com M maisculo. Mormao, para mim, era um velho que pegava crianas! Ia pra dentro logo. E ainda hoje, quando leio que algum se viu perseguido pelo clamor pblico, vejo com estes olhos o Sr. Clamor Pblico, magro, arquejante, de preto, brandindo um guarda-chuva, com um gog protuberante que se abaixa e levanta no excitamento da perseguio. E j estava devidamente grandezinho, pois devia contar uns trinta anos, quando me fui, com um grupo de colegas, a ver o lanamento da pedra fundamental da ponte Uruguaiana-Libres, ocasio de grandes solenidades, com os presidentes Justo e Getlio, e gente muita, tanto assim que fomos alojados os do meu grupo num casaro que creio fosse a Prefeitura, com os demais jornalistas do Brasil e Argentina. Era como um alojamento de quartel, com breve espao entre as camas e todas as portas e janelas abertas, tudo com os alegres incmodos e duvidosos encantos de uma coletividade democrtica. Pois l pelas tantas da noite, como eu pressentisse, em meu entredormir, um vulto junto minha cama, sentei-me estremunhado* e olhei atnito para um tipo de chiru*, ali parado, de bigodes cados, pala pendente e chapu descido sobre os olhos. Diante da minha muda interrogao, ele resolveu explicar-se, com a devida calma: Pois ! No v que eu sou o sereno... Mrio Quintana,As cem melhores crnicas brasileiras. *Glossrio: estremunhado: mal acordado. chiru: que ou aquele que tem pele morena, traos acaboclados (regionalismo: Sul do Brasil). A caracterizao ambivalente da coletividade democrtica (L. 20 e 21), feita com humor pelo cronista, ocorre tambm na seguinte frase relativa democracia:

Questão 24
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Desde pequeno, tive tendncia para personificar as coisas. Tia Tula, que achava que mormao fazia mal, sempre gritava: Vem pra dentro, menino, olha o mormao! Mas eu ouvia o mormao com M maisculo. Mormao, para mim, era um velho que pegava crianas! Ia pra dentro logo. E ainda hoje, quando leio que algum se viu perseguido pelo clamor pblico, vejo com estes olhos o Sr. Clamor Pblico, magro, arquejante, de preto, brandindo um guarda-chuva, com um gog protuberante que se abaixa e levanta no excitamento da perseguio. E j estava devidamente grandezinho, pois devia contar uns trinta anos, quando me fui, com um grupo de colegas, a ver o lanamento da pedra fundamental da ponte Uruguaiana-Libres, ocasio de grandes solenidades, com os presidentes Justo e Getlio, e gente muita, tanto assim que fomos alojados os do meu grupo num casaro que creio fosse a Prefeitura, com os demais jornalistas do Brasil e Argentina. Era como um alojamento de quartel, com breve espao entre as camas e todas as portas e janelas abertas, tudo com os alegres incmodos e duvidosos encantos de uma coletividade democrtica. Pois l pelas tantas da noite, como eu pressentisse, em meu entredormir, um vulto junto minha cama, sentei-me estremunhado* e olhei atnito para um tipo de chiru*, ali parado, de bigodes cados, pala pendente e chapu descido sobre os olhos. Diante da minha muda interrogao, ele resolveu explicar-se, com a devida calma: Pois ! No v que eu sou o sereno... Mrio Quintana,As cem melhores crnicas brasileiras. *Glossrio: estremunhado: mal acordado. chiru: que ou aquele que tem pele morena, traos acaboclados (regionalismo: Sul do Brasil). Considerando que silepse a concordncia que se faz no com a forma gramatical das palavras, mas com seu sentido, com a ideia que elas representam, indique o fragmento em que essa figura de linguagem se manifesta.

Questão 25
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Desde pequeno, tive tendncia para personificar as coisas. Tia Tula, que achava que mormao fazia mal, sempre gritava: Vem pra dentro, menino, olha o mormao! Mas eu ouvia o mormao com M maisculo. Mormao, para mim, era um velho que pegava crianas! Ia pra dentro logo. E ainda hoje, quando leio que algum se viu perseguido pelo clamor pblico, vejo com estes olhos o Sr. Clamor Pblico, magro, arquejante, de preto, brandindo um guarda-chuva, com um gog protuberante que se abaixa e levanta no excitamento da perseguio. E j estava devidamente grandezinho, pois devia contar uns trinta anos, quando me fui, com um grupo de colegas, a ver o lanamento da pedra fundamental da ponte Uruguaiana-Libres, ocasio de grandes solenidades, com os presidentes Justo e Getlio, e gente muita, tanto assim que fomos alojados os do meu grupo num casaro que creio fosse a Prefeitura, com os demais jornalistas do Brasil e Argentina. Era como um alojamento de quartel, com breve espao entre as camas e todas as portas e janelas abertas, tudo com os alegres incmodos e duvidosos encantos de uma coletividade democrtica. Pois l pelas tantas da noite, como eu pressentisse, em meu entredormir, um vulto junto minha cama, sentei-me estremunhado* e olhei atnito para um tipo de chiru*, ali parado, de bigodes cados, pala pendente e chapu descido sobre os olhos. Diante da minha muda interrogao, ele resolveu explicar-se, com a devida calma: Pois ! No v que eu sou o sereno... Mrio Quintana,As cem melhores crnicas brasileiras. *Glossrio: estremunhado: mal acordado. chiru: que ou aquele que tem pele morena, traos acaboclados (regionalismo: Sul do Brasil). No contexto em que ocorre, a frase estava devidamente grandezinho, pois devia contar uns trinta anos (L. 11 e 12 ) constitui

Questão 26
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) H 1,5 milho de anos, ancestrais do homem moderno deixaram pegadas quando atravessaram um campo lamacento nas proximidades do Ileret, no norte do Qunia. Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu essas marcas recentemente e mostrou que elas so muito parecidas com as do Homo sapiens: o arco do p alongado, os dedos so curtos, arqueados e alinhados. Tambm, o tamanho, a profundidade das pegadas e oespaamento entre elas refletem a altura, o peso e o modo de caminhar atual. Anteriormente, houve outras descobertas arqueolgicas, como, por exemplo, as feitas na Tanznia, em 1978, que revelaram pegadas de 3,7 milhes de anos, mas com uma anatomia semelhante de macacos. Os pesquisadores acreditam que as marcas recm-descobertas pertenceram ao Homo erectus. Revista FAPESP, n 157, maro de 2009. Adaptado. No texto, a sequncia temporal estabelecida principalmente pelas expresses:

Questão 27
2010Português

(FUVEST -2010 - 1 FASE ) H 1,5 milho de anos, ancestrais do homem moderno deixaram pegadas quando atravessaram um campo lamacento nas proximidades do Ileret, no norte do Qunia. Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu essas marcas recentemente e mostrou que elas so muito parecidas com as do Homo sapiens: o arco do p alongado, os dedos so curtos, arqueados e alinhados. Tambm, o tamanho, a profundidade das pegadas e oespaamento entre elas refletem a altura, o peso e o modo de caminhar atual. Anteriormente, houve outras descobertas arqueolgicas, como, por exemplo, as feitas na Tanznia, em 1978, que revelaram pegadas de 3,7 milhes de anos, mas com uma anatomia semelhante de macacos. Os pesquisadores acreditam que as marcas recm-descobertas pertenceram ao Homo erectus. Revista FAPESP, n 157, maro de 2009. Adaptado. No trecho semelhante de macacos, fica subentendida uma palavra j empregada na mesma frase. Um recurso lingustico desse tipo tambm est presente no trecho assinalado em:

Questão 28
2010Português

(FUVEST -2010 - 1 FASE ) [Jos Dias] Teve um pequeno legado no testamento, uma aplice e quatro palavras de louvor. Copiou as palavras, encaixilhou-as e pendurou-as no quarto, por cima da cama. Esta a melhor aplice, dizia ele muita vez. Com o tempo, adquiriu certa autoridade na famlia, certa audincia, ao menos; no abusava, e sabia opinar obedecendo. Ao cabo, era amigo, no direi timo, mas nem tudo timo neste mundo. E no lhe suponhas alma subalterna; as cortesiasque fizesse vinham antes do clculo que da ndole. A roupa durava-lhe muito; ao contrrio das pessoas que enxovalham depressa o vestido novo, ele trazia o velho escovado e liso, cerzido, abotoado, de uma elegncia pobre e modesta. Era lido, posto que de atropelo, o bastante para divertir ao sero e sobremesa, ou explicar algum fenmeno, falar dos efeitos do calor e do frio, dos polos e de Robespierre. Contava muita vez uma viagem que fizera Europa, e confessava que a no sermos ns, j teria voltado para l; tinha amigos em Lisboa, mas a nossa famlia, dizia ele, abaixo de Deus, era tudo. Machado de Assis, Dom Casmurro. No texto, o narrador diz que Jos Dias sabia opinar obedecendo. Considerada no contexto da obra, essa caracterstica da personagem motivada, principalmente, pelo fato de Jos Dias ser

Questão 29
2010Português

(FUVEST -2010 - 1 FASE ) [Jos Dias] Teve um pequeno legado no testamento, uma aplice e quatro palavras de louvor. Copiou as palavras, encaixilhou-as e pendurou-as no quarto, por cima da cama. Esta a melhor aplice, dizia ele muita vez. Com o tempo, adquiriu certa autoridade na famlia, certa audincia, ao menos; no abusava, e sabia opinar obedecendo. Ao cabo, era amigo, no direi timo, mas nem tudo timo neste mundo. E no lhe suponhas alma subalterna; as cortesias que fizesse vinham antes do clculo que da ndole. A roupa durava-lhe muito; ao contrrio das pessoas que enxovalham depressa o vestido novo, ele trazia o velho escovado e liso, cerzido, abotoado, de uma elegncia pobre e modesta. Era lido, posto que de atropelo, o bastante para divertir ao sero e sobremesa, ou explicar algum fenmeno, falar dos efeitos do calor e do frio, dos polos e de Robespierre. Contava muita vez uma viagem que fizera Europa, e confessava que a no sermos ns, j teria voltado para l; tinha amigos em Lisboa, mas a nossa famlia, dizia ele, abaixo de Deus, era tudo. Machado de Assis, Dom Casmurro. Considerado o contexto, qual das expresses sublinhadas foi empregada em sentido metafrico?

Questão 30
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Por caminhos diferentes, tanto Pedro Bala (de Capites de areia, de Jorge Amado) quanto o operrio (do conhecido poema O operrio em construo, de Vincius de Moraes) passam por processos de aquisio de uma conscincia poltica (expresso do prprio Vincius). O contexto dessas obras indica tambm que essa conscientizao leva ambos

Questão 31
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) (...) uma bela moa, mas uma bruta... No h ali mais poesia, nem mais sensibilidade, nem mesmo mais beleza do que numa linda vaca turina. Merece o seu nome de Ana Vaqueira. Trabalha bem, digere bem, concebe bem. Para isso a fez a Natureza, assim s e rija; e ela cumpre. O marido todavia no parece contente, porque a desanca. Tambm um belo bruto... No, meu filho, a serra maravilhosa e muito grato lhe estou... Mas temos aqui a fmea em toda a sua animalidade e o macho em todo o seu egosmo... Ea de Queirs, A cidade e as serras. Neste excerto, o julgamento expresso por Jacinto, ao falar de um casal que o serve em sua quinta de Tormes, manifesta um ponto de vista semelhante ao do

Questão 32
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Inimigo da riqueza e do trabalho, amigo das festas, da msica, do corpo das cabrochas. Malandro. Armador de fuzus. Jogador de capoeira navalhista, ladro quando se fizer preciso. Jorge Amado, Capites de areia. O tipo cujo perfil se traa, em linhas gerais, neste excerto, aparece em romances como Memrias de um sargento de milcias, O cortio, alm de Capites de areia. Essa recorrncia indica que

Questão 33
2010Português

(FUVEST -2010 - 1 FASE ) Mais do que a mais garrida a minha ptria tem Uma quentura, um querer bem, um bem Um libertas quae sera tamen* Que um dia traduzi num exame escrito: Liberta que sers tambm E repito! Vincius de Moraes, Ptria minha, Antologia potica. *A frase em latim traduz-se, comumente, por liberdade ainda que tardia. Considere as seguintes afirmaes: I. O dilogo com outros textos (intertextualidade) procedimento central na composio da estrofe. II. O esprito de contradio manifesto nos versos indica que o amor da ptria que eles expressam no oficial nem conformista. III. O apego do eu lrico tradio da poesia clssica patenteia-se na escolha de um verso latino como ncleo da estrofe. Est correto o que se afirma em

Questão 34
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Em qual destas frases a vrgula foi empregada para marcar a omisso do verbo?

Questão 35
2010Português

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) A nica frase que segue as normas da lngua escrita padro :

Questão 36
2010Inglês

(FUVEST - 2010 - 1 FASE ) Last month Americas unemployment rate climbed to 8,1%, the highest in a quarter of a century. For those newly out of a job, the chances of finding another soon are the worst since records began 50 years ago. In China 20m migrant workers (maybe 3% of the labour force) have been laid off. Cambodias textile industry, its main source of exports, has cut one worker in ten. In Spain the building bust has pushed the jobless rate up by two-thirds in a year, to 14.8% in January. And in Japan, where official unemployment used to be all but unknown, tens of thousands of people on temporary contracts are losing not just their jobs but also the housing provided by their employers. The next phase of the worlds economic downturn is taking shape: a global jobs crisis. Its contours are only just becoming clear, but the severity, breadth and likely length of the recession, together with changes in the structure of labour markets in both rich and emerging economies, suggest the world is about to undergo its biggest increase in unemployment for decades. The Economist, March 14th 2009. De acordo com o texto, publicado em maro de 2009,

NOVIDADES
Kuadro